Pular para o conteúdo principal

O NACIONAL E O POPULAR N'A PEDRA DO REINO


A 3ª parte da microssérie A Pedra do Reino, exibida nesta quinta-feira, mostrou com quantos paus Ariano Suassuna constrói sua idéia de nacional-popular. Vale lembrar que a ideologia do nacional-popular , que está baseada na proposta da afirmação de uma “autêntica” identidade nacional, já foi de caráter folclorista ou mais politizado.
Para Mário de Andrade, a música do folclore, e nunca a música popular de massa, era a autêntica expressão de um povo.

Para Villa-Lobos, a música erudita nacional só era autêntica se embebida de folclore (noves-fora o talento de Villa, a Paris dos anos 30 que o aplaudiu adorava um ‘exotismo índio’).

O venerável José Ramos Tinhorão deixa claro que só o batuque dos iletrados da virada do século 19 para o 20 é autêntico.

Para o CPC dos anos 60, só o baião politizado salva. Para o Cinema Novo, só o sertão e a colagem são legítimos.

E para Suassuna? Em A Pedra do Reino, dois personagens vão duelar: um, é fidalgo ibérico conservador; o outro, é tapuia-negro-comunista. O primeiro traz as marcas da empáfia do colonizador; o segundo, traz um penico para o combate. Para quê se armar de um insólito penico? Para que o fidalgo morra de morte engraçada e para que as armas da rusticidade e do costume popular vençam a tecnologia e a cultura importada. É claro que a arma escatológica sairá vencedora e humilhará o invasor europeu (leia-se o eurocentrismo e o capitalismo norte-americano).

É Quaderna que resume o espírito da obra. Sua intenção é reunir o tapuia, o negro e o português configurados no brasileiro para que o brasileiro seja um fidalgo com seu próprio e autêntico caráter ( e não um Macunaíma sem caráter algum).

Entretanto, Suassuna vai além e põe Quaderna num tribunal presidido por um juiz atormentado (Cacá Carvalho, quase irreconhecível). Ao ser inquirido sobre um fato do passado, Quaderna enfeita a verdade com a imaginação e, a partir daí, não se sabe mais o que foi e o que poderia ter sido. Graças ao desejo de escrever a maior epopéia brasileira, um Quaderna iluminado a tudo confere seu “estilo régio”, em que a imaginação toma conta da razão e a beleza do que poderia ter sido pervade o “sem-graça” do que realmente foi.

Em Suassuna, o nacional-popular-cordelista-imaginário tem mais valor que qualquer ideologia política. Quando pedem a Quaderna sua filiação política, este responde, sério e satírico: “sou um monarquista de esquerda”.
A Pedra do Reino é uma espécie de Cinema Novo em cores. O barroquismo, o close agoniado, a música, a erudição elitizada justaposta ao saber popular, o nacional, o estrangeiro, a edição rascante, a consciência política, a religiosidade sertaneja. Predicados que fizeram de Glauber Rocha o maior cineasta latino-americano e que estão recriados e reorganizados por um inspirado Luiz Fernando Carvalho, artesão da imagem, do imaginário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta