Pular para o conteúdo principal

A PEDRA DO REINO








Quando se diz que nos Estados Unidos as melhores histórias migraram do cinema para a televisão (vide Lost, 24 Horas, CSI, Família Soprano, Seinfeld) não se pode deixar de concordar. Ainda mais quando se assiste a falta de idéias que invade as telas mundiais em forma de franquias intermináveis: Homem-Aranha, Shrek, Piratas do Caribe, Pânico, X-Men, Missão Impossível. Todos, com maior ou menor qualidade, em sua terceira fase em busca dos nossos níqueis perdidos.

O cinema nacional, notório pela sua falta de boas histórias, ou pelo menos, de histórias bem contadas, é obrigado de quando em vez a dar a mão ao palmtop dos diretores e roteiristas da TV. É só lembrar que Eu, Tu, Eles, Cidade de Deus, Lavoura Arcaica, Lisbela e o Prisioneiro, Dois Filhos de Francisco e O Homem que Copiava estão entre as melhores histórias contadas nos últimos anos. Ok, não precisa me lembrar que Olga, Se eu fosse você, Redentor, Muito gelo e dois dedos d'água e outras mediocridades também foram produzidas por gente que trabalha na Globo (ou nos seus comerciais).

Não raro as produções feitas especialmente para TV também acertam. Foi o caso de O auto da compadecida, de Hoje é dia de Maria e, desta vez, da maravilha que é A Pedra do Reino.

Luiz Fernando Carvalho transpõe a linguagem "armorial" de Ariano Suassuna para a telinha (ou telona de 42', se for seu caso). Um Brasil encantado salta aos nossos olhos. Pululam referências à arte do cordel, ao imaginário ibérico, ao universo sertanejo. Nessa história de apuro visual corajoso, em se tratando do horário noturno televisivo, acompanhamos a trajetória de Quaderna, um personagem que sonha em instalar seu nome na perenidade literária.

É uma obra que, assim como o original de Suassuna, possui um outro tempo. E o tempo de Luiz Fernando Carvalho não se escraviza aos cortes, à edição fugaz. Antes, toma o tempo na mão. Doma o tempo. E o tempo passa em seu favor. Veloz ou com vagar.

A linguagem falada do nordestino, enfim, escapa do padrão novela das oito. Através da linguagem verbal e imagética, um outro nordeste se descortina diante de nós. Um nordeste escamoteado do Brasil. Atores, cenógrafos, figurinistas, boa parte da trupe é dessa região que, não bastasse a submissão ao coronelismo do gado superfaturado e das concessões de TV espúrias, ainda se vê retratada no domínio do estereótipo e da inferioridade cultural.

O figurino costurado pela gente de Taperoá, a cidade que serviu de locação às filmagens; a concepção visual; a voz e o gestual de Irandhir Santos (o Quaderna); a trilha sonora de Marco Antônio Guimarães, do grupo Uakti. Por isso tudo e mais algumas coisas que você mesmo vai identificar, a microssérie A Pedra do Reino é um espetáculo imperdível.

Abaixo, um link para ver uma reportagem sem a pressa do Fantástico produzida pela Globonews. Contém cenas das filmagens, entrevista com o diretor, com a gente do local, os atores, além de trechos em que Ariano Suassuna revela seus próximos projetos e conta histórias hilárias. clique em: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM653666-7823-PEDRA+DO+REINO,00.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta