22 julho, 2008

As loucuras dos tempos modernos

Em As Loucuras de Dick e Jane, o casal Jim Carrey e Téa Leoni tenta manter o elevado padrão de vida que tinham antes de ficarem, os dois, desempregados. Pelo título, o filme parece apenas um veículo de celebração das mímicas de Carrey. Mas não é. E o que vou dizer pode ser um anátema para alguns: esse filme é um divertido mas contundente painel da ganância e do espírito de competição gerados pelo capitalismo mais selvagem. Sobram farpas para a vaidade dos executivos, para a impessoalidade no trato com os funcionários, para o exibicionismo dos endinheirados (veja a disputa masculina por carrões), para a especulação das bolsas financeiras.

O casal demora a cair na realidade da pobreza, mas quando percebe, já está caindo também nas armadilhas do crime. Mas o casal 'novo-pobre' não começa a assaltar porque a pobreza os levou àquela situação de penúria, mas também para manter a aparência de família bem-sucedida. Sai a fácil explicação do sociologiquês mais barato – o de que o pobre rouba por que é pobre – e fala-se de algo mais profundo e terrível: a soberba, a amoralidade e a vaidade humanas como principais causadoras da violência. Antes da luta de classes, vem a falência moral. Assim, vemos um casal que não rouba para sobreviver, mas para ostentar e ser bem visto outra vez pelos amigos e pela comunidade – a grama roubada é o sinal de como se importam com a fachada da casa, o signo da aparência de sucesso.

O filme falha em não punir o desempregado ladrão e castiga somente os executivos, mas isso também pode ser visto como a inversão farsesca da lógica de uma justiça branda para com os ricos e violenta para com os pobres. Apesar de subestimado, As Loucuras de Dick e Jane é um bom filme que segue o controle de qualidade hollywoodiano de edição, fotografia e cenário e ainda pode contar com um Jim Carrey comedido nas caretas (depois de O Show de Truman e O Mundo de Andy já se sabe do grande ator que ele é). Conte-se também com um roteiro de crítica social que não esquece que está tratando de uma comédia, e cenas impagáveis, como a corrida de candidatos a um emprego para chegar mais rápido à fila de entrevista (um retrato tragicômico da competição feroz das cidades) e os disfarces usados pelo casal nos assaltos (máscaras e roupas de bandidos e mocinhos – fictícios ou não - glamourizados pelo cinema).

Mas é possível conscientizar o espectador enquanto ele se diverte? O riso não espantaria a tomada de consciência? O filósofo Walter Benjamin, nos anos 1930, acreditava que os trabalhadores poderiam se conscientizar e elevar seu “espírito” na mesma medida em que se divertiam e se reconheciam nos personagens de uma obra. Benjamin admitia certas virtudes, artísticas e políticas, no cinema voltado para o entretenimento. Como exemplo dessa combinação de fruição estética e arte socialmente engajada, o filósofo alemão podia citar a obra-prima de Charles Chaplin, Tempos Modernos.

O filme de Chaplin tem imagens largamente conhecidas e tornou célebre a figura do operário submetido à mecanização do trabalho em série, ao avanço tecnológico agressivo, ao despreparo técnico diante do novo maquinário e à violência da repressão policialesca. Porém, o que poderia ser um tratado socialista é transformado pela genialidade de Chaplin em sátira demolidora tanto do capitalismo quanto do comunismo. Se o trabalhador se vê alienado de si mesmo ao ser cobaia de experimentos tecnológicos e escravo de patrões gananciosos, ele também é prejudicado pelas incessantes greves.

As cenas inesquecíveis se sucedem em profusão: Chaplin junta do chão uma bandeirola vermelha que caiu de um caminhão, segue atrás do veículo tentando devolvê-la e é tomado pela polícia por um líder de uma manifestação de grevistas que acaba de dobrar a esquina; seu primeiro emprego após a prisão e a forma como ele rapidamente se demite; Chaplin no casebre; trabalhando como garçom; preferindo ficar na prisão do que ter que voltar às ruas fervilhantes de violência e fome.

Ao contrário do casal exibicionista Dick e Jane do filme de 2005, em Tempos Modernos, de 1936, a mocinha rouba para ter pelo menos o que comer. Além disso, é claro que entre Chaplin (diretor, ator, roteirista e autor da trilha sonora) e Dean Parisot (o diretor do filme mais recente) há um oceano. Mas ambos os filmes têm finais pseudo-felizes: quando o casal comemora a indenização (justa mas tomada à força) há uma citação final à Enrom, a empresa real que afundou em contabilidade fraudulenta, que demonstra que o risco da história do casal se repetir em outra família nunca será erradicado.

Já a chance de felicidade do casal de Tempos Modernos subitamente se desvanece. É quando eles se vêem obrigados a abandonar o emprego recém-obtido e são encontrados na última cena numa estrada vazia. O rosto da mocinha é de tristeza e desamparo, mas Chaplin (ao som instrumental da famosa Smile/Sorria) insiste para que ela abra um sorriso. Otimismo ingênuo? Falsa esperança? Nada disso. Chaplin, um otimista incorrigível, sabe que, como diz uma antiga canção brasileira, “tristezas não pagam dívidas”.

Nenhum comentário: