Pular para o conteúdo principal

Fábulas menores de moral mínima - 4

Anunciado nas fanáticas garagens paulistanas: “o rodízio de carros e caminhões será modificado mais uma vez. Agora será assim: casados na quarta, solteiros na quinta e corintianos na segunda”.

Isso não é nada perto da nova mania nacional: depois do rodízio de pizza e do rodízio de carros e caminhões, chegou o rodízio de presos. Como funciona: a criatura é presa de manhã, solta à tarde e volta na manhã seguinte para sair à noitinha. Sem essa modalidade organizacional, a prisão de Salvatore Cacciola seria humanamente impossível, convenhamos. Tudo o que o país não precisa é de uma rebelião nas penitenciárias por causa de dois banqueiros presos. Afinal, dois banqueiros presos já é superpopulação carcerária.

Esse estado de coisas inspira cuidados e também mais uma fábula menor de moral mínima:

A FANTÁSTICA FÁBRICA DE FRUTAS

Numa cela de um reino não tão-tão distante, dois alegres banqueiros discutem para ver quem tem o habeas corpus mais bonito.
- O meu é timbrado com as cores de um país tropical abençoado por Deus e bonito por natureza – enfeita um deles.
- O meu é um primor de redação e ortografia – diz o outro.
- O meu foi escrito em três línguas: a da polícia, a dos advogados e a do juiz.
- Pois com o meu não tive que usar algemas.
Quando a discussão perigava degringolar para o baixo calão dos termos técnicos e jurídicos, a discussão foi encerrada com o mavioso som da voz do oficial de soltura, que dizia a um deles:
- Você está livre.
- Peraí! – disse o que ficava. – Você não foi preso pelo famoso policial BAN-ANA, o que prende sem dó?
- Isso mesmo – respondeu o feliz ex-prisioneiro. – Mas quem leu meu habeas corpus foi o juiz MA-MÃO!
De noite, o banqueiro que ainda estava preso não conseguia entender a saída do companheiro de cela e profissão. Por certo, como estivera tanto tempo escondido em outro reino, esquecera-se das virtudes das frutas tropicais e da sabedoria medicinal das vovós: se banana prende, mamão solta.

Moral mínima: podem acusar a justiça de ser cega; jamais de não ter paladar.


Mais fábulas menores na seção contos e versos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta