Pular para o conteúdo principal

as quatro perguntas de Prometheus



O ano é 2093. A nave Prometheus parte em missão exploratória confidencial para um planeta onde estariam os criadores da raça humana. Esse remoto local - uma incrível e revolucionária descoberta - não foi  tirado de um livro. Estava inscrito em paredes de cavernas. A tradição do Gênesis está longe. Mas a figura de um criador, não. O filme segue a visão conciliatória de criacionismo com evolucionismo; seríamos fruto de um Criador organizando o acaso. Ou seja, viemos de uma “evolução acompanhada”.

Mas dar atenção só a esse ponto é perder a contundência de algumas perguntas que o filme faz. E não quero perder a chance de explorá-lo teologicamente. 

A decisão de crer

Nem todos na astronave querem fazer perguntas aos criadores, chamados de Engenheiros. A antropóloga Elizabeth Shaw está entre aqueles que estão em busca de respostas. Ela perdeu a mãe quando ainda era criança. E é na infância que ela aprende que existe um céu maravilhoso aonde a vida é eterna. Inquieta, ela pergunta ao pai: “Como você sabe que o céu é lindo?” Ele diz: “Eu não sei. Mas escolhi acreditar que é assim”. É na infância que ela aprende a ter esperança e fé. E isso será crucial para as decisões que irá tomar mais tarde.

Não há relatos bíblicos de um Deus que força a adoração ou obriga a escolha individual. Como está escrito em Deuteronômio 30:19: “[...]te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência”. São as pessoas que decidem aceitar crer ou não.


A necessidade de criação

Entre os tripulantes, há um androide [imagem acima] – robô à imagem e semelhança do homem, com uma diferença. Não tem as mesmas emoções ou sensações. Contudo, ele parece se ocupar com questões além da matéria. Em conversa com um cientista, o androide lhe pergunta: “Se você fosse o criador, por que você criaria o homem?” A resposta: “Porque sou capaz de criar”. O androide diz: “Imagine a minha decepção se eu ouvisse isso da boca de quem me projetou”.

Criar apenas pelo poder de criar não passa de demonstração de competência. O poder sem amor gera autoritarismo e medo. A Bíblia não diz que “Deus é poder”, e sim que “Deus é amor” (I João 4:8), e “o perfeito amor lança fora o medo” (I João 4:18)  

A necessidade de salvação

Os exploradores descobrem o local onde estão os Engenheiros, os quais não demonstram interesse pela humanidade.

A crença de que Deus teria criado o mundo e o ser humano e deixá-los por sua conta e risco é o que chamamos de deísmo. É verdade que o aparente silêncio de Deus diante de tanto horror e violência pode dar a impressão de que não há mais ninguém no comando. No entanto, um Deus de amor é incompatível com Sua distância definitiva dos nossos problemas. Seria como uma mãe que, depois de dar à luz, fosse embora e deixasse seu filho com uma casa mobiliada. Deus não disse: “Se virem”. Aprendi que Ele diz: “Vinde a Mim”. Fico pensando se não somos nós que deixamos os outros por sua conta e risco.

Antes de encontrar os Engenheiros, o idoso megaempresário que financiou a expedição pergunta: “Se eles nos criaram, eles podem nos salvar?” Ao tomarmos a Bíblia como explicação que dá sentido à existência humana e à ação divina, podemos entender a criação e a necessidade de salvação. Se por um homem o pecado começou (Romanos 5:12), pelo Filho do Homem, Jesus, a salvação foi dada. Assim como a Criação, a Salvação também mostra o poder e o amor de Deus. Não basta poder para criar, é preciso amor para salvar. Também não basta amor para criar, é preciso poder para salvar.


O mistério da destruição

Ao encontrarem um dos Engenheiros, os exploradores percebem que serão destruídos por ele. Elizabeth Shaw pergunta, aterrorizada: “Por que você quer nos destruir?” Não há resposta; só aniquilação. Por que Deus irá destruir o mundo? (pela Bíblia, seria a segunda vez – a primeira foi o dilúvio). Tremendo mistério, aparentemente por ser incompatível com um Deus de amor. Mesmo os escritores bíblicos não sabiam revelar o mistério da destruição: o profeta Isaías descreveu esse ato como “a estranha obra de Deus” (Is. 28:21).


Enquanto o poder sem amor é autoritarismo, o amor sem justiça é complacente em excesso. Embora seja "tardio em irar-se", Deus é descrito como "grande em poder e ao culpado não tem por inocente" (Naum 1:3). Nesse verso bíblico, estão relacionados o amor paciente, o poder imenso e a justiça necessária. 

No filme, o Engenheiro pretende destruir a raça humana completamente; não sobrarão nem oito pessoas para recomeçar. Segundo a Bíblia, Deus destruirá o mundo, a maldade e os maus com o propósito de garantir a existência e felicidade eternas de Suas criaturas em um mundo recriado.  

Agora alguém pode perguntar: Quem é bom? Quem merece ser salvo e não ser destruído? Não sei quem merece, mas penso que o amor de Deus maravilhosamente incluirá, Sua justiça sabiamente excluirá e Sua graça misericordiosamente decidirá.

Comentários

Daniel Freitas disse…
Rapaz, sempre digo isso, mas tô pra achar um cara que escreva tão bem quanto você Mestre Jo-Jo!!! saudades meu amigo, forte abraço! Dani Freitas from IAENE

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta