Pular para o conteúdo principal

violência e celebridade: a culpa é do Batman?

Um mascarado entrou armado num cinema nos Estados Unidos e atirou matando 12 pessoas. O assassino James Holmes, 24 anos, ainda não explicou o que o levou a cometer essa atrocidade. Nem precisou. Já prenderam o “suspeito de sempre”: a mídia.

O massacre aconteceu em um cinema em Aurora, no Estado do Colorado, que exibia o filme Batman, o Cavaleiro das Trevas Ressurge. Uma reação imediata é dizer que filmes de ação e violência gratuita como esse induzem as pessoas a cometer atos de violência.

Mas podemos dizer que a trilogia Batman incita a violência? Se você também assistiu ao menos os dois primeiros filmes, nós vamos concordar em um ponto: Batman não é um filme pró-violência; na verdade, é um filme sobre a violência.

Batman é um herói traumatizado por ter presenciado o assassinato dos pais na infância. Talvez por isso, sua linha moral é bem clara: ele defende a retidão enquanto seus oponentes são ladrões e assassinos; os valores morais e sociais defendidos por Batman triunfam no final, ao passo que são derrotados os vilões que promovem a destruição e o terror.

O espectador atento percebe que os limites que separam a vingança e a justiça podem ser obscurecidos quando os códigos civis e policiais são quebrados. O herói notívago também se às vezes enredado na teia de retaliação violenta por causa de ódio e ressentimento. Mas Batman não é um assassino e nem defende a morte de inocentes. Não dá para comparar filmes de glamourização da violência como Velozes e Furiosos com a trilogia Batman.

Um filme ou um livro podem conter cenas de violência,  mas podem defender posições nitidamente contra a violência. O que acontece é que há pessoas que decidem fazer o que é condenado pelo filme ou pelo livro.

É preciso considerar ainda e, talvez, principalmente, dois fatores tipicamente americanos: a facilidade de compra de armas de fogo e a cultura da notoriedade macabra.

Nos Estados Unidos, o ato de adquirir armas de fogo é tratado como um assunto de defesa pessoal. O assassino tinha comprado pistolas legalmente em lojas no Estado do Colorado e adquirido seis mil balas pelas internet. É óbvio que ninguém precisa de tanto armamento para defesa pessoal na cidade de Aurora, Colorado. Enquanto no Brasil há um incentivo ao desarmamento, nos Estados Unidos até alguns grupos ditos cristãos são a favor da posse de armas de fogo.

A cultura da celebridade macabra é uma marca atroz da sociedade norte-americana. Há uma lista imensa de assassinos de astros da música e da TV, serial killers, autores de massacres em escolas e logradouros públicos cujos atos criminosos foram analisados seriamente como uma busca de reconhecimento social.

No estudo Seductions of Crime, Jack Katz descreve como os criminosos são motivados, entre outros fatores, pelo desejo de fama e pelo prazer e ousadia no ato do crime. Junto a essas razões está a busca pela celebridade. Mark Chapman, o assassino de John Lennon, chegou a dizer que "pensei que o matando adquiriria a sua fama - eu não era ninguém até matar o maior alguém do mundo". 

Outros criminosos notórios, como Timothy McVeigh e o "Unabomber", solicitaram entrevistas a grandes canais de TV após seus atos brutais. O sociólogo Chris Rojek afirmou que ambos "queriam o horário nobre para expor e desculpar seu comportamento 'heroico'" [Celebridade, p. 169].

Aqui entram jornais impressos, telejornais e, sim, filmes que amplificam os acontecimentos e veem sua audiência ser alavancada por uma sociedade que morbidamente gosta de assistir atos de violência.

Não há uma explicação única e totalizante para esse evento trágico. Como racionalizar um ato tão irracional? Mas claro está que o acesso às armas de fogo, a glamourização da violência e o desejo exibicionista de fama formam um caldeirão desumano e cruel que atrai e repele a sociedade ao mesmo tempo.

Comentários

aurea disse…
Acredito que a violência surge pelo que está atrâs ;isto é : da celebridade e do personagem ,a MANIPULAÇÃO os .......pois é .
joêzer disse…
Como eu disse no texto, penso que o filme não faz apologia da violência. O problema são as pessoas desequilibradas que usam a violência. Como certos desequilibrados que usaram e usam a Bíblia para matar "em nome de Deus".
obrigado pelo comentário, Áurea.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta