Pular para o conteúdo principal

o primário e o universitário


Sem mais, meritíssimo.

*****

Já andei escrevendo sobre o assunto:

Todo mundo odeia o Michel Teló

Mestres, inventores e diluidores

Comentários

Cristiane disse…
Verdade!!
Amigo Joêzer e demais leitores,

Aprendam, de uma vez por todas, como deve ser a receita perfeita para a composição um bom e legítimo "Sertanejo do Jardim da Infância". São três passos bem simples:

1. Para a letra das estrofes, pegue uma meia dúzia (quando muito) de sentenças versando invariavelmente sobre os temas "sexo", "balada", "bebedeira", "pegação" e "sem-vergonhices" (esse é só um eufemismo para não se usar o termo mais chulo) em geral. Para este item, ainda, é importante que não se demonstre a mínima consideração para com as regras básicas de expressão em Língua Portuguesa, tais como concordância, coesão, coerência etc. (afinal de contas, a chamada "licença poética" legitima a adoção dos mais absurdos descalabros linguísticos...);

2. No refrão, preferencialmente, acrescente algumas sílabas soltas, desconexas e sem qualquer sentido inteligível. Eis aqui algumas boas sugestões: "ai-ai-ai", "tchu-tchá-tchá", "tchê-tchererê-tchê-tchê","lê-lê-lê", "bará-bará-bará, berê-berê-berê" etc.

3. Encaixe tudo isso dentro de uma sequência melódica e harmônica de três ou, no máximo, quatro acordes repetida à exaustão. Se porventura lhe falta criatividade e/ou competência artística para imaginar algo diferente, não tem problema algum. A "fórmula mágica" já vem pronta, basta tocar as cifras: Am - F - C - G.

Pronto, aí está. É sucesso garantido! Afinal, as dezenas de canções que ouvimos todos os dias, e que seguem à risca este padrão, não me deixam mentir sobre o assunto.

Um abração,

Marcus

P.S.: Ops, foi mal mesmo! Acho que agora eu "me ferrei", porque os cantores e compositores do "Jardim da Infância" vão ficar muito "bravinhos" e mandar os seus irmãos maiores me pegarem na saída da escola (afinal, revelei publicamente o segredo deles na Internet)...
joêzer disse…
Muito bom, Vinicius.

A sequência de acordes é essa mesma. Assim como o rock dos anos 50 era "G - C7 - G - D7 - G", a dos Platters e outros românticos era "C-Am-F-G". Inclusive a cadência mais usada pelo pop-sertanejo também está no refrão de "TAke On me", do A-ha, no Let it be (Beatles), Forever Young, Poker Face, Down Under e trocentos outros hits.
Ô sequenciazinha batida (e inesgotável), sô! rs

Caro Joêzer e amigos,

Volto com a difícil missão de informar-lhes que, infelizmente, parece que o nosso velho amigo "Sertanejo do Jardim da Infância" conseguiu a incrível façanha de piorar o que já estava péssimo, e acaba de "desgraduar-se" um pouquinho mais, ladeira abaixo, atingindo o nível de "Rol do Berço": Gugu, dadá, buá, buá...

Para entenderem do que se trata, deem só uma "espiadinha" neste vídeo que apareceu recentemente no YouTube. São cenas constrangedoras, admita-se, então aconselha-se a que façam isso somente se forem suficientemente fortes, capazes de tolerar as debilidades alheias e de lidar bem com situações que exponham seres humanos ao extremo do ridículo ou da falta de senso:

http://youtu.be/EoIqEaS52NQ

Puxa vida, e isso tinha que acontecer logo agora, quando eu estava começando a me sentir culpado pelo sarcasmo que usei no meu comentário anterior!

Como já dizia algum "velho deitado" por aí: "A música popular era muito melhor quando o tal sertanejo universitário era apenas um caipira que ia à cavalo pra faculdade."

É pra rir ou pra chorar, hein?!

Um abração,

Marcus

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta