Pular para o conteúdo principal

Os Miseráveis: musical de muito glacê e pouca vitamina


Duas horas e meia de um filme inteiramente cantado, infinitamente longo, politicamente ingênuo, exageradamente melodramático, musicalmente esquecível e miseravelmente chato.

Esse filme não é uma adaptação direta do livro Os Miseráveis (de 1862), e sim do musical Les Miserábles, sucesso da Broadway que fez miséria do clássico de Victor Hugo. Enquanto o livro retrata a opressão social de uma França pós-revolução, conferindo protagonismo popular aos mais pobres e dosando romance, consciência humanista e o tema da redenção, o musical põe tudo isso a perder em forma de duas ou três boas canções e muito glacê pra turista deslumbrado aplaudir.

Noves fora a brevíssima e marcante interpretação de Anne Hathaway cantando “I dreamed a dream” e um surpreendente Hugh Jackman Wolverine no papel de Jean Valjean, quase todo o restante é maçante e interminável. Pule o filme, leia o livro.

Comentários

Anônimo disse…
aplaudi, mas não sou turista. oops.
De fato, Joêzer! Sua opinião e seus argumentos fazem sentido. Assisti ao filme e fiquei embasbacada, chorei, entendi o enredo, compreendi o roteiro... Achei tudo fabuloso! Mas não tenho nem meia ponta da tua erudição, então minha opinião não conta! Ahahahahahaha.
Você, como sempre, arrebentando as bocas de todos os balões do mundo. Amém.
joêzer disse…
Caro Anônimo,
os turistas que eu quis mencionar são os deslumbrados que assistem o musical na Broadway quando vão a NY fazer compras.

Vivi, sua opinião conta muito. A minha é que não conta, até porque o filme andou fazendo sucesso. Achei tudo muito exagerado, vai ver a culpa é minha.rs

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta