Pular para o conteúdo principal

o cinema e o povo nas ruas: sete filmes

Temos acompanhado lances históricos aparentemente inéditos no Brasil. É a primeira vez que a população em massa sai às ruas para exigir mudanças estruturais na forma de governar o país. A Inconfidência foi uma ação da elite intelectual e econômica; a Independência foi uma ação da corte contra si mesma; a República, uma ação militar. A massa popular em ação simultânea no país inteiro, só agora.

Muitos cineastas se envolveram com questões sociais e disseram "luz, câmera, revolução". Aqui estão sete filmes que traduziram o espírito da revolução popular no meio da rua:

A Batalha de Argel, 1966, de Gillo Pontecorvo. Quem luta: os líderes da resistência da Argélia. Motivo: obter independência da França. Resultado: filmado com tamanha eficácia e realismo que o filme foi banido da França e proibido pela ditadura brasileira por vários anos e por razões óbvias.

O Encouraçado Potemkin, 1925, de Serguei Eisenstein. Quem luta: os marinheiros russos. Motivo: o tratamento desumano que recebem da hierarquia militar. Resultado: este é o pai de todos os filmes revolucionários. Sua técnica de montagem virou parâmetro para o cinema que veio depois dele.

Terra e liberdade, 1996, de Ken Loach. Quem luta: jovens espanhóis e estrangeiros. Motivo: a ditadura do general Franco nos anos 30. Resultado: uma ode ao ardor revolucionário e ao desejo de mudança.

Malcolm X, 1992, de Spike Lee. Quem luta: ativistas afro-americanos. Motivo: igualdade de direitos civis e luta contra o racismo. Resultado: se Martin Luther King, que pregava a revolução pacífica, foi assassinado, que fim poderia ter Malcolm X, que defendia o olho por olho?

Germinal, 1993, de Claude Berri. Quem luta: os trabalhadores franceses das minas de carvão no final do século 19. Motivo: melhores condições de trabalho e de salário. Resultado: seu protesto incendeia o ânimo das classes populares brutalizadas pela elite local.

Gandhi, 1982, de Richard Attenborough. Quem luta: o Mahatma e o povo indiano. Motivo: a saída dos ingleses da Índia. Resultado: o filme ficou um tanto longo, mas não é capaz de tirar a inspiração da liderança de Gandhi.

Spartacus, 1960, de Stanley Kubrick. Quem luta: os escravos de Roma Antiga. Motivo: adivinha? Resultado: um épico que romanceia um pouco a história, mas nada diminui a emoção de ouvir todos os escravos dizendo “Eu sou Spartacus”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta