Pular para o conteúdo principal

a insustentável leveza da gravidade

A dra. Ryan Stone perdeu uma filha e tudo o que ela faz após o trabalho é dirigir com o rádio ligado. Não importa a música nem o assunto. Ela só dirige. Ela se culpa? Ela culpa o destino, a vida, Deus? Não importa. Ela só dirige.

Agora que está suspensa sobre a Terra e um colega de trabalho lhe pergunta “O que você mais gosta aqui no espaço?”, ela só poderia responder: “O silêncio”. Mesmo na gravidade zero do espaço, Ryan carrega o peso da terra.

Isto é Gravidade (Gravity), filme de Alfonso Cuarón, com Sandra Bullock e George Clooney, que tinha tudo para ser mais uma aventura espacial com pitadas de romance entre dois dos espécimes mais bonitos deste planeta.

Mas Gravidade está muito além. Acontece no espaço, mas não tem aliens. Tem naves espaciais, mas não tem clones de Darth Vader. É com a Miss Simpatia, mas ela não tem motivo algum pra sorrir. A mocinha não enfrenta vilões nem extraterrestres, e nem se apaixona por heróis que resolvem tudo aos 90 minutos do 2º tempo.

Gravidade se resume à luta de um ser humano pela sobrevivência. Uma mulher a princípio frágil, perdida e solitária, a dra. Stone crê que tudo é pesado demais para seguir lutando pela vida. É quando um homem que reage de forma leve ao peso da tragédia lhe desperta: “Ryan, você precisa decidir se quer morrer ou sobreviver”.


O filme consegue prender a atenção com drama e suspense. Mas eu perdi mesmo o fôlego com cenas e diálogos que levantavam questões existenciais:

“Eu só dirijo”.  

“Você tem que aprender a abrir mão”: Ryan precisa soltar a corda que não deixa viver nem ela nem o companheiro de voo. É necessário abrir mão de coisas significativas para viver e deixar morrer.

“Todos vão morrer um dia, mas eu vou morrer hoje”: falar de morte virou assunto proibido numa sociedade que não apenas oculta seus mortos, mas também foge da velhice, a última estação antes da morte, esforçando-se para parecer jovem. Não adianta um repórter lhe perguntar: O que você faria se soubesse que morreria hoje? É estupidez perguntar ou responder. Mas cada um saberá se vai morrer tendo perdido a vida.

“Ninguém nunca me ensinou a rezar”: o desejo intrínseco de esperar pela ação de um ser transcendente (um deus, uma ideia de Deus) está ligado à aparente necessidade de falar com ele/Ele na hora das aflições mais profundas ou mais superficiais. É por isso que talvez não existam ateus na hora do pênalti ou no perigo do naufrágio.

“Ou eu tenho uma história incrível quando chegar ou morro queimada em 10 minutos. De qualquer modo, não é culpa de ninguém”: a culpa que gostamos de atribuir ao prefeito, ao pai, à mulher, a Deus é o subterfúgio preferido para acalmar nossas consciências. "Não porás tua culpa nos outros" poderia ser o 11º mandamento.


Não sei se fiquei mais impressionado com o filme pelo fato de meus preconceitos ridículos em relação à Sandra Bullock se quebrarem diante de sua extraordinária atuação; ou se com o fato de saber que todo o cenário (os satélites, as estações espaciais, o belíssimo por do sol visto do espaço) eram criações da computação gráfica; ou se com o fato de, em tempos de franquias de heróis anabolizados, ainda existir um blockbuster com cérebro; ou com a brilhante música eletrônica iludindo a ausência de propagação de som no vácuo; ou com as tocantes questões metafísicas.



Finalizada a dramática aventura no espaço , restará ao indivíduo – como no poema de Drummond – por o pé no chão do seu coração, experimentar, humanizar, descobrir em suas próprias inexploradas entranhas a alegria de conviver. Ryan vai entender que todos têm de carregar o insustentável fardo da gravidade na terra. E que, mais de uma vez na vida, a gente tem que aprender a andar de novo.

Comentários

M. Paixão disse…
Me interessei a ver o filme pela sua narração, obrigada!
Amanda Lissa disse…
Linda análise... Vou assistir....
joêzer disse…
M. Paixão,
e Amanda,

desconfio que vocês gostar.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta