Pular para o conteúdo principal

CD Renascido: a solidez da doutrina na voz da fluidez musical - parte 1

Quando um compositor cristão faz uma música, ele atravessa o mesmo processo que um compositor de qualquer outra crença ou descrença: escolher a letra, a rima, a palavra certa; selecionar o som, a altura, o acorde.

O que distingue a composição de um músico para outro não é o processo, mas o paradigma. Explico. Se o processo é semelhante, o paradigma de composição é diferente porque os compositores têm pelo menos dois modos de perceber o ato de compor: ou o músico se alinha às premissas musicais e poéticas mais convencionais ou ele busca os ingredientes musicais e poéticos mais inovadores. É com essa segunda percepção que o compositor, cantor e maestro Daniel Salles vê a prática musical.

No CD Renascido, ele apresenta uma paleta variada de estilos e formas musicais que contêm o germe da invenção. Paradoxalmente, o que Renascido tem de inovação poética e musical, tem também de preservação da doutrina tradicional.

Enquanto a doutrina é inflexível, pois se trata de declarar princípios teológicos que raramente são alterados, a forma de cantar a doutrina não é imutável, pois se trata de usar códigos musicais que constantemente são modificados. O material de que é feito a doutrina tem um núcleo mais rígido, sólido. O material de que consiste a música é mais fluido, dinâmico. Renascido é um trabalho de solidez doutrinária na voz da fluidez musical.

Os exemplos musicais povoam o cd inteiro. Na canção “Quando o vento do espírito soprar” (ouça aqui), a transição de acordes alterados (cheios de sextas, sétimas e nonas), associados à tradição da MPB mais sofisticada, vai embelezando a canção que faz uma inquietante pergunta aos cristãos que não veem sua igreja crescer solidamente na obediência e na missão: “Por que será, por que razão, temos tudo nas mãos, mas não há fogo no altar?”

O compositor não se refere a milagres, curandeirismos ou manifestações extáticas como suposta prova do fogo da presença do Espírito Santo. Ele constata a falta de comunhão, de devoção e de amor mútuo entre os próprios cristãos, o que afastaria um maior poder de atuação celeste na vida da igreja. Mas a música não estaciona na constatação de paralisia e mornidão da igreja e recorre a citações de trechos bíblicos (Joel 2:13; Atos 2:17: nos últimos dias, vossos filhos profetizarão...):

“Quando a comunhão for a arma principal
E a rotina dos nossos dias sair do seu normal
Descerá sobre nós o fogo do Espírito
Viveremos o evangelho
E Jesus Cristo vai voltar”

No trecho acima, o arranjo musical apresenta acordes mais simples e timbres mais pesados (guitarras), enquanto a voz do cantor está mais firme e forte, o que revela a intenção de introduzir os (auto)questionamentos de maneira musicalmente reflexiva e chegar ao posicionamento final de esperança de maneira mais afirmativa.

Outras duas canções reforçam a combinação de manutenção da doutrina tradicional com exploração musical criativa: “Imutável” e “Sábado”. Na primeira, uma melodia cheia de curvas:

“Deus não muda, e a Palavra não se anula
Não é inflexível, [...] sempre permite mudar e mudar em função de uma escolha
[...] Por ser imutável, Deus continua me mudando”

Já a canção “Sábado” dá a esse ponto doutrinário um tratamento mais ameno. Em geral, somente as canções infantis adventistas têm tonalidades de leveza quando abordam o sábado. O que Daniel Salles faz é colorir o sábado de um modo menos rígido ou severo como às vezes esse dia é interpretado mesmo por pessoas que observam o sábado como o dia de descanso semanal.

“O sábado é o dia do sim, e não do não
Sábado faz parte da minha existência
Símbolo da alegria e da salvação”

A letra mostra tanto a alegria de guardar o sábado quanto o contraste entre o sábado e os outros dias. A interpretação vocal de Daniel Salles e Dirley Menegusso estampa felicidade. E toda essa demonstração de alegria e leveza encontra correspondência na escolha do estilo musical: o samba.

Evidentemente, é uma escolha musical pouco ortodoxa. Mas o arranjo musical não soa agressivo nem borra a mensagem doutrinária. A percussão é suave, sem batida forte de bumbo ou surdo, e a melodia em nada lembra rodas de samba ou desfiles de carnaval. O estilo musical pouco usual para falar do sábado funciona como indício de alegria e leveza e símbolo de musicalidade brasileira.

Seria como se o disco perguntasse: Por que é aceitável falar da volta de Cristo com marchas militares norte-americanas e não se poderia falar de sábado com a música de caráter mais brasileiro?

Uma resposta possível está no modo de evangelização protestante no Brasil, o qual trouxe consigo uma larga cultura musical popular norte-americana e descartou as expressões de musicalidade brasileira. Mas isso é assunto para outra postagem. O que se deduz dessa canção é que a doutrina é teologicamente preservada enquanto a forma de transmiti-la é musicalmente renovada.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta