Pular para o conteúdo principal

a redação do ENEM e o complexo de Nazareno


Há uma classe de pessoas que ainda padecem de um mal que em pleno século 21 deveria estar tão extinto quanto os dinossauros e as fitas cassete: são os espécimes que se espantam com mulher falando em público por seus direitos. Eles sofrem do complexo de Nazareno, aquele personagem da TV que, ao menor sinal de reclamação da mulher, dizia: “Calada!”

Queremos votar. Calada!
Quero respeito, cantava Aretha Franklin. Calada!
Salários iguais em cargos profissionais iguais. Calada!
A persistência da violência contra a mulher. Calada!

As reclamações de que o tema da redação do ENEM era obra do progressismo, feminazismo, doutrinação liberal e conspiração petista para tornar os machos reféns das empoderadas mulheres são de uma imbecilidade atroz. Acreditar que não se deve discutir em público a violência milenar contra as mulheres de um modo geral revela uma faceta de ignorância que também merece ser tema de redação nos próximos vestibulares: “A persistência da intolerância em questões de convivência entre seres humanos”.

Não vou entrar no mérito de que há excessos (e há mesmo) nos novos discursos sobre direitos, que algumas correntes mais radicais possuem um fervor exclusivista e proselitista arrogante e que tendem a atuar silenciando os oponentes. Existem pessoas com esse perfil em questões de esporte e religião e alguns tendem a ter mais respeito por religiosos ultraconservadores do que por feministas ultraliberais.

Além disso, o combate à violência em qualquer âmbito e dirigida a qualquer gênero não é propriedade nem do crente nem do ateu, nem da esquerda nem da direita nem de quem senta em cima do muro.

Passando adiante.

O que os marmanjos reclamões gostariam que fosse o tema da redação? “A imposição do progressismo nas escolas?” “Cada um no seu quadrado”? "Mulher já manda em casa, pra quê mandar em público"? Meu candidato à presidente é menos corrupto"? “Meu pastor é mais rico que o teu?”

Talvez quisessem um tema bem genérico, que não mexesse em vespeiro, bem sopa de hospital: “Eu quero ver onde essa zorra vai parar”. Esse foi o tema da redação do vestibular que fiz em 1989. Era título de uma canção da Simone e favorecia todos os debates e ao mesmo tempo nenhum. Comparada aos temas de hoje, acho que só os marmanjos reclamões não vão notar uma evolução nas discussões públicas.

Alguns indivíduos dão mostras de que estão na era do macho lascado, aquele que não admite ver seu discurso sendo relativizado, discutido, pesado na balança, desmontado. Outros veem as novas discussões atingirem diretamente o discurso ultrapassado, mas persistente, que prefere ver “tudo no seu lugar”: esse preto não se põe no lugar, essa mulher não se põe no lugar, esse velhote não se põe no lugar, esse índio não se põe no lugar, esse estrangeiro não volta pro seu lugar...

Às vezes, isso invade nossa conduta cotidiana e nem percebemos. Naturalizamos os preconceitos e a violência de tal forma que há espanto quando quem era tratado como coadjuvante social começa a agir como protagonista. Quando vamos praticar o ensinamento de nos colocarmos no lugar dos outros, e não de por os outros no seu “devido lugar”?

Também me deixa perplexo como alguns seguidores do Nazareno da Bíblia ainda sofrem do complexo do Nazareno da TV. Eles reclamam dos temas humanísticos do ENEM como provavelmente reclamariam de Jesus conversando com a samaritana: “Olha lá aquele progressista conversando com a estrangeira?” Ou: “Olha lá o doutrinador liberal que não joga pedra na Geni adúltera?”

Não pretendo dizer que Cristo foi um progressista nos moldes de nossa época atual. Quero dizer é que não era por acaso que o Nazareno da Bíblia era amado pela gente oprimida e marginalizada de sua época. Ele não dizia “Calada!”. Ele perguntava “O que queres que eu te faça?” (Marcos 10:51).

Comentários

paulo roberto disse…
Concordo plenamente com vc.
e mando um abraço.

Paulo Roberto - de Registro/SP
joêzer disse…
Paulo, obrigado pela leitura e comentário. abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta