Pular para o conteúdo principal

a redação do ENEM e o complexo de Nazareno


Há uma classe de pessoas que ainda padecem de um mal que em pleno século 21 deveria estar tão extinto quanto os dinossauros e as fitas cassete: são os espécimes que se espantam com mulher falando em público por seus direitos. Eles sofrem do complexo de Nazareno, aquele personagem da TV que, ao menor sinal de reclamação da mulher, dizia: “Calada!”

Queremos votar. Calada!
Quero respeito, cantava Aretha Franklin. Calada!
Salários iguais em cargos profissionais iguais. Calada!
A persistência da violência contra a mulher. Calada!

As reclamações de que o tema da redação do ENEM era obra do progressismo, feminazismo, doutrinação liberal e conspiração petista para tornar os machos reféns das empoderadas mulheres são de uma imbecilidade atroz. Acreditar que não se deve discutir em público a violência milenar contra as mulheres de um modo geral revela uma faceta de ignorância que também merece ser tema de redação nos próximos vestibulares: “A persistência da intolerância em questões de convivência entre seres humanos”.

Não vou entrar no mérito de que há excessos (e há mesmo) nos novos discursos sobre direitos, que algumas correntes mais radicais possuem um fervor exclusivista e proselitista arrogante e que tendem a atuar silenciando os oponentes. Existem pessoas com esse perfil em questões de esporte e religião e alguns tendem a ter mais respeito por religiosos ultraconservadores do que por feministas ultraliberais.

Além disso, o combate à violência em qualquer âmbito e dirigida a qualquer gênero não é propriedade nem do crente nem do ateu, nem da esquerda nem da direita nem de quem senta em cima do muro.

Passando adiante.

O que os marmanjos reclamões gostariam que fosse o tema da redação? “A imposição do progressismo nas escolas?” “Cada um no seu quadrado”? "Mulher já manda em casa, pra quê mandar em público"? Meu candidato à presidente é menos corrupto"? “Meu pastor é mais rico que o teu?”

Talvez quisessem um tema bem genérico, que não mexesse em vespeiro, bem sopa de hospital: “Eu quero ver onde essa zorra vai parar”. Esse foi o tema da redação do vestibular que fiz em 1989. Era título de uma canção da Simone e favorecia todos os debates e ao mesmo tempo nenhum. Comparada aos temas de hoje, acho que só os marmanjos reclamões não vão notar uma evolução nas discussões públicas.

Alguns indivíduos dão mostras de que estão na era do macho lascado, aquele que não admite ver seu discurso sendo relativizado, discutido, pesado na balança, desmontado. Outros veem as novas discussões atingirem diretamente o discurso ultrapassado, mas persistente, que prefere ver “tudo no seu lugar”: esse preto não se põe no lugar, essa mulher não se põe no lugar, esse velhote não se põe no lugar, esse índio não se põe no lugar, esse estrangeiro não volta pro seu lugar...

Às vezes, isso invade nossa conduta cotidiana e nem percebemos. Naturalizamos os preconceitos e a violência de tal forma que há espanto quando quem era tratado como coadjuvante social começa a agir como protagonista. Quando vamos praticar o ensinamento de nos colocarmos no lugar dos outros, e não de por os outros no seu “devido lugar”?

Também me deixa perplexo como alguns seguidores do Nazareno da Bíblia ainda sofrem do complexo do Nazareno da TV. Eles reclamam dos temas humanísticos do ENEM como provavelmente reclamariam de Jesus conversando com a samaritana: “Olha lá aquele progressista conversando com a estrangeira?” Ou: “Olha lá o doutrinador liberal que não joga pedra na Geni adúltera?”

Não pretendo dizer que Cristo foi um progressista nos moldes de nossa época atual. Quero dizer é que não era por acaso que o Nazareno da Bíblia era amado pela gente oprimida e marginalizada de sua época. Ele não dizia “Calada!”. Ele perguntava “O que queres que eu te faça?” (Marcos 10:51).

Comentários

paulo roberto disse…
Concordo plenamente com vc.
e mando um abraço.

Paulo Roberto - de Registro/SP
joêzer disse…
Paulo, obrigado pela leitura e comentário. abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…