Pular para o conteúdo principal

a música depende da sua imaginação

5 conselhos do pianista Theolonius Monk:
IMPOSSÍVEL
“Tudo que você achar que não pode ser feito, alguém virá e fará”

TREINAMENTO 
“Permaneça em forma! Às vezes um músico espera por um show, e quando vem, ele está fora de forma e não consegue tocar”

NOTAS
“Uma nota pode ser tão curta quanto um alfinete ou tão grande quanto o mundo, isso depende da sua imaginação”

IMPROVISO
“Não toque tudo (ou o tempo todo). Deixe algumas coisas acontecerem. Improvise. O que você não toca pode ser mais importante do que o que você toca”

RITMO
“Só porque você não é um baterista, não significa que você não precise marcar o tempo”
*****
Nascido no Estado da Carolina do Norte e criado em Nova York, Thelonius Monk era um autodidata que aprimorou um estilo de poucas e longas notas, com intervalos mais duradouros e doses de improviso.
Aos 13 anos, ele tocava órgão na igreja que a mãe frequentava. O trabalho do músico conquistou espaço nas sessões de jazz e competições do clube Minton’s Playhouse, no Harlem, por volta de 1940. Foi lá que ele conheceu outros solistas importantes da cena nova-iorquina do jazz, como Duke Ellington.
O estilo marcante de Monk impressionava. No piano, os longos intervalos entre uma nota e outra, aliados ao ritmo complexo criado com menos notas que o costumeiro para a época, fizeram de Thelonious Monk um pianista diferente dos colegas solistas.
Nos anos 1940, Monk, Miles Davis e Charlie Parker já revolucionavam mostrando os primeiros sinais do bebop jazz, um estilo marcado pela complexidade, velocidade e improvisação, do qual Monk acabaria se distanciando mais tarde.
Monk morreu longe dos palcos, em 1982, aos 64 anos. Isolado e sem um diagnóstico claro sobre a possibilidade de ter transtorno bipolar ou esquizofrenia, ele passou os seus últimos dias na mansão da escritora inglesa Pannonica Rothschild, mais conhecida como “baronesa do jazz” ou “Nica”.
Em 1960, o saxofonista Steve Lacy, colega de jazz e amigo do pianista, transcreveu os conselhos e reflexões sobre música e vida deixados por Thelonious Monk. O material foi publicado em 2012 pelo site “Lists of Note”.
(copiei da matéria de Matheus Ribeiro para o Expresso: https://goo.gl/P2BJ5G)
*****
No vídeo, Monk e cia. em ação na clássica 'Round Midnight:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta