Pular para o conteúdo principal

A esperança é uma bola na área aos 47' do 2º tempo


Uma das frases mais repetidas de todo o repetitivo repertório do futebol é: “o jogo só termina quando acaba”. Esse pleonasmo do mundo ludopédico serve para qualquer outro esporte, como o vôlei – lembra da derrota das meninas do Brasil para a Rússia, quando as brasileiras estavam 4 pontos à frente das russas e a um pontinho de ganhar a partida?; até a fábula da lebre e a tartaruga vive desse clichê – antes da internet ainda se contava a historinha da lebre e da tartaruga. Aliás, um amigo me contou que o filho dele de 12 anos leu minha fábula recontando a fábula de João e o pé de feijão, e perguntou com a maior cara de quem conheceu as fábulas através do Shrek: “Papai, o outro menino parece que é o Renan Calheiros, mas quem é esse ‘João do feijão’?”. Talvez nem tudo esteja perdido e isso seja apenas uma prova de que viramos arcaicos adultos.

Mas não me façam perder o fio da história que eu estava falando do jogo de quinta à noite entre River Plate e Botafogo, uma partida impressionante até para não-torcedores como eu, que tenho um antigo hábito de tirar lições de tudo. Quem tiver paciência, leia.

O Botafogo começou a partida marcando 1 x 0 e, com esse placar, só perdia a classificação se perdesse por 2 gols de diferença. Não passam nem 15 minutos e o River Plate empata. Tudo bem, podemos levar mais um gol que ainda ganhamos, pensam os atletas do time carioca. Menos de 10 minutos depois, um jogador do Botafogo é expulso. E foi nesse momento que a Lógica deixou o estádio e foi dormir, pois sabemos que é uma Lógica dormir 8 horas por noite, e se a metódica Lógica não dormir suas 8 horas, ela sai da rotina e deixa de ser Lógica.

No segundo tempo da partida, um zagueiro do River Plate é expulso e ambas as equipes ficam com dez jogadores. Don’t cry for me, torcedor argentino que, resignadamente, começa a pegar o caminho de casa. E como o que está ruim sempre pode ficar pior, o time do Botafogo, que não tem mais Didi e tem que se virar com Dodô, faz mais um gol: 2 x 1. Agora, o River só se classifica se fizer 3 gols em menos de 20 minutos.

Para aumentar a síndrome de tragédia dos argentinos, outro jogador do River é expulso. Agora, o Botafogo é que tem dez homens em campo e o River só tem nove. Os argentinos estão perdidos e o melhor que eles podem fazer é dançar um tango. Mais uma leva de torcedores abandona o estádio e os jogadores do Botafogo aproveitam pra ir embora também. Sim, porque o Botafogo virou um time de zumbis em campo, enquanto o time do River tomou uma taça homérica de brio, garra, ganas de vencer. Os argentinos fizeram um gol: 2 x 2. Ah, pensaram os botafoguenses, por que esses argentinos ainda estão a correr ensandecidos, por que eles não dizem um hasta la vista e vão embora? Mais dois gol eles não fazem, é impossível, Deus é brasileiro, lembra?

Mas o time do River está acreditando que aqueles últimos minutos do jogo são a Guerra das Malvinas e marcam seu terceiro gol: 3 x 2. Fizemos três, podemos fazer mais um? Quizás, quizás, quizás. 47 minutos do segundo tempo: uma bola desesperada atravessa imperturbável a pequena área e um jogador do River com nome de ave matadora, Falcão, cabeceia a bola para dentro do gol do Botafogo: 4 x 2. O torcedor que esperou até o apito final assistiu a uma façanha épica dos seus jogadores. Estes, dotados naquela noite de um heroísmo sobrenatural, assombraram o Botafogo e, um River Plate inflexível e incansável como as mães da Plaza de Mayo, com apenas nove jogadores leoninamente indomáveis, tomou conta do jogo, aquele mesmo jogo que só termina quando acaba.

O vídeo abaixo demonstra tanto o "quem espera, sempre alcança" quanto o “nunca conte com o ovo que a galinha ainda não botou”. O ditado depende do time em que você joga.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta