Pular para o conteúdo principal

A esperança é uma bola na área aos 47' do 2º tempo


Uma das frases mais repetidas de todo o repetitivo repertório do futebol é: “o jogo só termina quando acaba”. Esse pleonasmo do mundo ludopédico serve para qualquer outro esporte, como o vôlei – lembra da derrota das meninas do Brasil para a Rússia, quando as brasileiras estavam 4 pontos à frente das russas e a um pontinho de ganhar a partida?; até a fábula da lebre e a tartaruga vive desse clichê – antes da internet ainda se contava a historinha da lebre e da tartaruga. Aliás, um amigo me contou que o filho dele de 12 anos leu minha fábula recontando a fábula de João e o pé de feijão, e perguntou com a maior cara de quem conheceu as fábulas através do Shrek: “Papai, o outro menino parece que é o Renan Calheiros, mas quem é esse ‘João do feijão’?”. Talvez nem tudo esteja perdido e isso seja apenas uma prova de que viramos arcaicos adultos.

Mas não me façam perder o fio da história que eu estava falando do jogo de quinta à noite entre River Plate e Botafogo, uma partida impressionante até para não-torcedores como eu, que tenho um antigo hábito de tirar lições de tudo. Quem tiver paciência, leia.

O Botafogo começou a partida marcando 1 x 0 e, com esse placar, só perdia a classificação se perdesse por 2 gols de diferença. Não passam nem 15 minutos e o River Plate empata. Tudo bem, podemos levar mais um gol que ainda ganhamos, pensam os atletas do time carioca. Menos de 10 minutos depois, um jogador do Botafogo é expulso. E foi nesse momento que a Lógica deixou o estádio e foi dormir, pois sabemos que é uma Lógica dormir 8 horas por noite, e se a metódica Lógica não dormir suas 8 horas, ela sai da rotina e deixa de ser Lógica.

No segundo tempo da partida, um zagueiro do River Plate é expulso e ambas as equipes ficam com dez jogadores. Don’t cry for me, torcedor argentino que, resignadamente, começa a pegar o caminho de casa. E como o que está ruim sempre pode ficar pior, o time do Botafogo, que não tem mais Didi e tem que se virar com Dodô, faz mais um gol: 2 x 1. Agora, o River só se classifica se fizer 3 gols em menos de 20 minutos.

Para aumentar a síndrome de tragédia dos argentinos, outro jogador do River é expulso. Agora, o Botafogo é que tem dez homens em campo e o River só tem nove. Os argentinos estão perdidos e o melhor que eles podem fazer é dançar um tango. Mais uma leva de torcedores abandona o estádio e os jogadores do Botafogo aproveitam pra ir embora também. Sim, porque o Botafogo virou um time de zumbis em campo, enquanto o time do River tomou uma taça homérica de brio, garra, ganas de vencer. Os argentinos fizeram um gol: 2 x 2. Ah, pensaram os botafoguenses, por que esses argentinos ainda estão a correr ensandecidos, por que eles não dizem um hasta la vista e vão embora? Mais dois gol eles não fazem, é impossível, Deus é brasileiro, lembra?

Mas o time do River está acreditando que aqueles últimos minutos do jogo são a Guerra das Malvinas e marcam seu terceiro gol: 3 x 2. Fizemos três, podemos fazer mais um? Quizás, quizás, quizás. 47 minutos do segundo tempo: uma bola desesperada atravessa imperturbável a pequena área e um jogador do River com nome de ave matadora, Falcão, cabeceia a bola para dentro do gol do Botafogo: 4 x 2. O torcedor que esperou até o apito final assistiu a uma façanha épica dos seus jogadores. Estes, dotados naquela noite de um heroísmo sobrenatural, assombraram o Botafogo e, um River Plate inflexível e incansável como as mães da Plaza de Mayo, com apenas nove jogadores leoninamente indomáveis, tomou conta do jogo, aquele mesmo jogo que só termina quando acaba.

O vídeo abaixo demonstra tanto o "quem espera, sempre alcança" quanto o “nunca conte com o ovo que a galinha ainda não botou”. O ditado depende do time em que você joga.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…