Pular para o conteúdo principal

Notas semínima noção

O que o garoto do quadro ao lado vai ser quando crescer? Músico é que não vai querer ser. Ou então já é o músico mais tímido de todos os tempos. Não se espera, hoje, que um professor vá colocar seu aluno nessa posição, a menos que queira castigar o garoto. Pode ser que ele tenha aprontado uma como a daquele moleque que chegou pra aula de violino e o professor lhe pergunta: “Estudou as duas peças que lhe passei?”. E o garoto, pimpão: “Claro que sim”. Foi quando menino viu, estirado num canto, o violino que tinha esquecido em sala na aula passada.

Jorge Coli coletou algumas “peças” musicais no Caderno Mais da Folha de S. Paulo. Cá por mim, não sei dizer se as frases a seguir são de autores que não levaram a sério os estudos ou que não levam a sério a internet. Ou as duas coisas.

Bach está morto desde 1750 até os dias de hoje.

Ópera é uma canção que dura mais de duas horas.

O Bolero de Ravel foi composto por Ravel.

A harpa é um piano pelado.

Mozart morreu jovem. Sua maior obra é a trilha do filme Amadeus.

Os maiores compositores do Romantismo são Chopin, Schubert e Tchaikovski. No Brasil, são Roberto Carlos e Daniel.

Meu compositor preferido é o Opus.

Carmen é uma ópera e Carminha Burana é sua filha.

John Cage inventou os 4 minutos de silêncio.

Há uma espécie de Corais feitos por Bach, que se chamam Florais e são usados como remédios milagrosos.

Messias é uma missa de Handel cuja originalidade é ter muitos aleluias.

As Fugas de Bach são famosas porque ele não queria ficar preso em nenhum sistema.

Música atonal é aquela sem som ou que explorou o não-som, mais ou menos quase um anti-som. Seus mais importantes criadores são da família Berg: Schoenberg, Albanberg e Weberg.

E assim caminha o anedotário (involuntário?) do mundo da música. Você conhece mais algum?

Comentários

Michelle disse…
adorei... só sorrisos!
sergio disse…
olá, joezer.
talvez vc já conheça, mas tem o livro do henrique cazes: Cento e tantas histórias engraçadas sobre música e
músicos

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta