Pular para o conteúdo principal

Deus: crer ou não crer


Deus existe? A maioria das pessoas acredita que sim, mas dentro dessa maioria há grupos que pouco se importam com os fundamentos bíblicos do cristianismo e outros que se importam tanto com os dogmas que se esquecem de ser cristãos; há aqueles que invocam Jeová para praticar atrocidades e aqueles que invocam a Deus para que os defenda de tamanhas atrocidades. Por tudo isso, não é de espantar o crescimento do grupo dos que declaram não ser adeptos de nenhuma religião (de 3% em 1990 saltaram para 7% em 2007)1. Pelo menos é o que se responde na hora fria da entrevista do pesquisador do IBGE, em horas menos incertas, não se sabe qual seria a resposta.

Discute-se hoje o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Há 200 anos, bem poucos negariam a criação de Adão e Eva, o dilúvio, a travessia do Mar Vermelho, a batalha de Davi e Golias, a ressurreição de Cristo, o apocalipse, o fim e o recomeço, o Alfa e o Ômega. Entretanto, como percebe o sociólogo Fredric Jameson, as histórias da Bíblia, nos dias de hoje, não são mais tomadas literalmente, mas figurativa e alegoricamente, e assim são “destituídas de seu conteúdo exótico ou arcaico, cuja linguagem e figuração essencialmente abstratas (ansiedade, culpa, redenção) podem agora... ser oferecidas ao público diferenciado de habitantes das cidades do Ocidente para serem recodificadas em termos de suas próprias situações privadas”2

Há também pessoas que acham que Deus é um ser conveniente demais para ser de verdade e que, com tantos motivos para inventá-lo, Ele não passaria de uma invenção humana. Porém, não será a crença na não-existência de um plano de salvação da humanidade que parece conveniente? Explico por quê. Sem a possibilidade de ser julgado por seus atos e por sua fé, muitos adorariam fazer o que bem entendem da vida (e já não o fazem?) sem ter que dar explicações a nenhum ser sobrenatural e estraga-prazeres. Parafraseando Luc Ferry, seria o caso apenas de tomar o que esse mundo individualista oferece de melhor e começar a corrigi-lo com umas boas doses de humanismo. Nenhum céu a perder, nenhuma eternidade a ganhar. Para estes, o sentido da vida é que a vida não teria sentido. Muito conveniente, não?

Há outro grupo de não-crentes: os que fazem questão de erradicar a religião. Em entrevista a The New Republic, o escritor Ian McKewan falou de seu ateísmo e disse que a idéia de suprimir a religião é terrível. sua frase parece mais sensata em tempos dos exterminadores Dawkins, Hitchens e cia, pregadores fundamentalistas de uma retórica anti-religião. Estes são denominados “brights” e renegam qualquer pensamento de explicação sobrenatural da história do universo e do homem. Alguns deles, como Daniel C. Dennett, em Quebrando o Encanto, considera impossível o convívio entre ciência e religião, como se o indivíduo não pudesse conciliar ambas. Hitchens, em Deus não é Grande, é um polemista, e como tal, chega a apregoar a irrelevância do cristianismo na tradição cultural da humanidade. Bem se vê que na luta para suprimir a fé e eleger exclusivamente a Razão, pode-se perder a razão.

Sobre um personagem de um conto em Ficções, Jorge Luis Borges diz que “Buckley não acredita em Deus, mas quer demonstrar ao Deus não-existente que os homens mortais são capazes de conceber um mundo”. Interpreto essa frase como dirigida ao grupo daqueles que até crêem na existência de Deus, mas prefeririam que Ele não existisse, pois seria um "obstáculo" aos seus planos de vida. Os manuais do ateísmo e do agnosticismo estão disponíveis nas estantes e mesmo debaixo do braço de alguns discípulos, como se fosse uma Bíblia às avessas, pronta para ser sacada pelos Buckleys de hoje nas situações em que precisam "provar" que Deus não existe ou que as coisas não são bem assim como Moisés, Lucas e João contaram. Como escreve João Pereira Coutinho: “Acho estranho que um ateu se preocupe com aquilo que, para ele, não existe. Nada é mais estranho do que um ateu convicto que não acredita em Deus e abomina Deus”.

Por fim, há outro grupo: é o daqueles que não viram, mas crêem. Daqueles que em pleno terceiro milênio mantém um estilo de vida respaldado em um livro mal-interpretado, reprimido, mas incrivelmente capaz de fazer refletir e mudar histórias pessoais ainda hoje. A despeito de alguns denominados cristãos envergonharem a fé que dizem professar ou da mídia ocultar os bons cristãos, se alguém chegar a perguntar se é possível ainda haver fé na terra, pode apostar que tal pessoa não conhece ou finge ignorar outros modelos de viver o cristianismo, com inteligência e fé, dignidade e esperança.
Nem todos os ateus nos apontam o dedo no rosto e nem todos os cristãos ficam exaltados quando alguém não concorda com o que dizem. A vida é complexa, e Deus, o Deus de "todo aquele que nEle crê", é um Ser simples e complexo ao mesmo tempo. E todos, em algum momento de suas existências, se vêem diante da chance de escolha entre o Deus vivo de Pedro e Paulo e o Deus não-existente de Marx e Nietzsche.


1- Pesquisa Datafolha, abril de 2007.
2- Jameson, F. Pós-modernismo, 1997, p. 387.

Comentários

Anônimo disse…
Teria muito a falar, mas por hora, resigno-me, por saber das dificuldades de se falar a homens apaixonados.

No mais, é admirável o misticismo que se reveste de estudo e intelectualidade, como se com isso mais próximos estivéssemos da verdade, ou de Deus.

Me espanta mesmo é colocar “Davi e Golias” separados, apenas por uma vírgula, da “ressurreição de Cristo”. Ora, é como colocar a sentença: "Quebrem os portões daquela cidade e matem a todos.", ao de outra sentença, mais complexa: "Ame ao teu próximo como a ti mesmo." - um absurdo de que o cristianismo insiste, ao buscar em relatos históricos que – ora bizarros, ora sublimes – exemplicam as causas e consequências de uma ação, que num momento revelam a ira de Deus, e no outro, o seu amor; desse modo, transformando Deus, num Deus segundo as paixões humanas. À parte as profecias que, objeto de estudo escatológico, havendo em si as previsões de acontecimentos futuros, em nada tem a ver com os inúmeros relatos do Velho Testamento, este mesmo, que se assemelha a tantas outras histórias de outros povos com suas guerras, carnificinas, heroísmos, presságios e prodígios.

“Numa Pompílio, rei de roma, fechou o templo depois de concluir tratados e alianças com todos os povos vizinhos. Mas para que a ausência de perigo externo e a paz não emfraquecessem o caráter daqueles homens até então contidos pelo medo do inimigo e pela disciplina militar, achou que o meio mais eficaz seria infundir no espírito daquela multidão ignorante e ainda rude o sentimento poderoso de temor aos deuses. E como era impossível fazê-lo penetrar nos corações sem o auxílio de algum prodígio, simulou ter entrevistar noturnas com a deusa Égira. Aconselhado por elas é que instituiu as cerimônias mais agradáveis aos deuses e escolheu sacerdotes especiais para cada dinvidade.” (Tito Lívio, História de Roma, Livro I)

Dá-se o mesmo a todos os povos, e isso não é um mal, pois salva o homem e o estado de sua ruína. Homens Sábios, no fundamento das relações humanas, talvez aconselhados por Deus, incutiram na mente do povo a religião. Pois os homens, em sua maioria, não alcançam virtude tal que se dê a convivências virtuosas.

Sem mais, pois é visto que muitos corações após essas linhas enchem-se de indignação, que não me exceda, pois é certo que, gesticulando negativamente com a cabeça, uns me lancem no inferno, e outros se riam da inocência do meu raciocínio, visto que, é por demais saber que a Bíblia é uma só e eu venha a querer dividí-la. Pois bem, acresce daí que não é possível ao meu espírito aceitar esse Deus segundo as paixões dos homens, potencializadas a idéia de infinito, pois se num dado momento ele amou, amou eternamente, e se noutro momento odiou, odiou eternamente. Isto não cabe em Deus.

Concluo então que, o meu Deus, este que me relaciono e busco, aquele que tudo criou e mantém plenamente com seu espírito, não é o Deus dos cristãos!

Raulison Mendonça!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta