Pular para o conteúdo principal

A última lista de cinema


O American Film Institute (AFI) divulgou outra lista de 100 melhores filmes americanos de todos os tempos. É um instituto do cinema anglófono e, assim, ninguém vai encontrar na lista filmes de Kurosawa, Fellini, Truffaut, Bergman ou Buñuel. Mas a lista impressiona pela quantidade de filmes que modelam até hoje a forma de fazer e assistir cinema.

As décadas de 60, com 17 filmes, e a de 70, com 20 filmes, tiveram mais filmes incluídos na lista. Mas o final do século até que não está tão ausente, com 11 filmes dos anos 90. Essa lista não é formada só de arrasa-quarteirões, tipo Os caçadores da arca perdida (nº 66 na lista), mas Steven Spielberg é o cineasta com mais filmes (cinco) na lista, sendo A Lista de Schindler (nº 8) o mais bem colocado.

O cinema americano é um cinema de ação, beijos e risos, às vezes tudo isso ao mesmo tempo. Não por acaso, filmes leves que combinam esses fatores foram os mais lembrados. Se reunirmos as comédias, os musicais, as animações, as aventuras fantásticas, os faroestes, os romances e os thrillers de ação e suspense, veremos que se chega a pelo menos 60 filmes. É claro que uma ficção científica como 2001 – uma odisséia no espaço (nº 15) não é uma aventura espacial como Guerra nas Estrelas (nº 13), nem uma comédia como MASH (nº 54) destina-se ao riso inocente como O Mágico de Oz (nº 10). Mas a aventura filosófico-existencialista de 2001 e a sátira ácida ao militarismo de MASH são a contrapartida mais erudita e politizada da mesma Hollywood.

Hollywood também é a máquina que ergue astros com a mesma facilidade com que os destrói. Cineastas e roteiristas retratavam essa roliúdi falsa e insidiosa ou então adentravam os bastidores do teatro e da TV para criticar as engrenagens do show business. Essa tendência de cuspir no prato que se come (e com todos os méritos) está representada na lista da AFI por comédias aparentemente cândidas como Cantando na Chuva (nº 5), e por dramas como A Malvada (nº 28) e, talvez o maior de todos no tema, Crepúsculo dos Deuses (nº 16). Mas filmes como Nashville, Rede de Intrigas e Cidadão Kane (o eterno nº 1 dessas listas) abordam com menor ou maior ênfase o mundo dos espetáculos. Cidadão Kane? Ora, quer maior espetáculo do que a imprensa?

O filme de guerra é outro gênero bem representado na lista. Se esse gênero é servo da propaganda belicista americana, dos filmes publicitários da II Guerra Mundial aos Rambos e Top Guns da Era Reagan, por outro lado, há filmes que procuraram mostrar o desastre da política intervencionista americana – Platoon (nº 86), O Franco-Atirador (nº 53), - a insensatez da guerra – A Ponte do Rio Kwai (nº 36) e Apocalypse Now (nº 30) ou a difícil readaptação social após a guerra – Os melhores anos de nossas vidas (nº 37). As guerras também servem de pano de fundo para romances – E o Vento Levou (nº 6) e Casablanca (nº 3), e épicos - Lawrence da Arábia (nº 7) é um dos raros filmes em que os árabes têm rosto e personalidade, antes de virarem meros alvos satanizados pelas mãos dos Braddocks do cinema.

A crítica social e política está presente nas discussões sobre o delacionismo (Sindicato de Ladrões), as questões latifundiárias (As Vinhas da Ira), o preconceito racial (O Sol é para Todos, No Calor da Noite e Faça a Coisa Certa), o caos urbano (Taxi Driver), a corrupção política (Todos os Homens do Presidente), a contracultura (Sem Destino), entre outros temas candentes.

Todos esses gêneros e temáticas servem tanto às formulações conservadoras quanto ao pensamento mais progressista, o que desmente a idéia de um cinema americano monolítico e unidimensional e revela a presença de discursos ideologicamente opostos na decantada Hollywood, símbolo de um cinema industrial que "ergue e destrói coisas belas".

Listas sempre são discutíveis, mas podem auxiliar a aumentar nosso campo de visão sobre a arte e a sociedade; depois de conhecer esses filmes cada um pode montar e remontar suas preferências, sendo essa lista uma boa introdução a um cinema de maior qualidade e exigência estética.
A lista completa, com direito a links de sinopses e fotos dos filmes, pode ser conferida aqui. E a foto na cumeeira desse texto é de Tempos Modernos, classificado em 78º lugar na eleição da AFI, mas que é o primeiro na minha lista pessoal.

Comentários

Anônimo disse…
não entendo porque Lawrence da arábia está nessa lista de filmes dos eua. Esse filme é dirigido por um inglês (Lean), com atores e técnicos ingleses e no site imdb ele aparece como produção inglesa.
e se era pra ter filme inglês, como que não escolheram também O terceiro homem ou Henrique V?
reginaldo disse…
Onde está o filmaço "A Um Passo da Eternidade"? E "Rebecca" do Hitchcock? E "Um Lugar ao Sol"? E "Patton"? E "Os Eleitos"? E os caras ainda preferem Forrest Gump e o Rocky?
JSM disse…
No site allmovie.com, Lawrence da Arábia aparece como uma co-produção Inglaterra/EUA.

Reginaldo, você lembrou alguns ótimos clássicos, recentes ou não. Eu ainda perguntaria por Era uma vez no Oeste, de Sergio Leone; Cinzas no Paraíso, de Terrence Mallick; Fargo, dos irmãos Coen; A rosa púrpura do Cairo e/ou Manhattan, de Woody Allen; e até mais recentes ainda como Moulin Rouge e Conquista da Honra.

joêzer.
crisla disse…
alguém falou mal aí de Forrest Gump? por favor, amigo!!! Um filme que´mistura a história individual à história americana com tanto domínio do drama, da comédia. é porque o diretor é o Robert Zemeckis. Se fosse o Tarantino com seus diálogos espertinhos e suas mil tomadas de câmera pra enfeitar a violência de uma cena, todo mundo aplaudiria como obra-prima, né?

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta