Pular para o conteúdo principal

a música por grandes músicos


O dia 05 de março foi sancionado oficialmente como Dia Nacional da Música Clássica. Como estamos na antevéspera dessa nova efeméride tupiniquim, aproveito a ocasião para deixar que os músicos falem da música. Particularmente, não aprecio o termo "música clássica". Fica parecendo uma música congelada no tempo que estará deslocada atualmente, o que é uma inverdade.

"Música erudita" é um termo excludente e até esnobe, que privilegia as formas instrumentais postas na pauta da notação ocidental. E de nota na pauta, já lhe basta esse blog morno que não aquece o pensamento do amigo leitor. Além disso, se a música de Miles Davis, Dave Brubeck, Tom Jobim, Ennio Morricone, Noel Rosa, Paco de Lucía ou a banda de frevo-jazz do maestro Spok não tiverem, a seu modo, um alto grau de complexidade e sofisticação, então não sei mais o que quer dizer "erudito".

Cada um desses termos tem uma explicação para iniciados (inclusive a expressão redutora
"música de concerto"). Deixemos que os músicos falem da música, mesmo porque eles não diziam que estavam compondo música barroca ou romântica ou classicista, salvo os compositores do século XX que reviravam os rótulos e conceitos e se inseriam com prazer dentro deles (pontilhista, serialista, minimalista etc).

Nada pode impedir-me de apreciar e desenvolver tudo o que os grandes mestres deixaram atrás de si, porque não faria sentido para cada um começar do princípio; mas é preciso que seja um desenvolvimento ao melhor nível das minhas capacidades e não uma repetição inútil do que já foi (Felix Mendelssohn-Bartholdy).

As artes são o mais seguro meio de se esconder do mundo e são também o meio mais seguro de se unir a ele (Franz Liszt).

Richard Wagner, no seu estilo totalizante: A música é para as outras artes, no seu conjunto, o que a religião é para a igreja.

A minha ideia é que há música no ar, há música a nossa volta, o mundo está cheio de música e simplesmente cada um tira para si aquela de que precisa (Edward Elgar).

Tudo está escrito numa partitura, exceto o essencial (Gustav Mahler).

Houve e há, apesar das desordens que a civilização traz, pequenos povos encantadores que aprendem música tão naturalmente como se aprende a respirar. O seu conservatório é o ritmo eterno do mar, o vento nas folhas e mil pequenos ruídos que escutaram com atenção, sem jamais terem lido despóticos tratados (Claude Debussy).

Sem revelar que admirável música seria essa (que se parece mais com religião), diz Pablo Casals: A música expulsa o ódio dos que vivem sem amor. Dá paz aos que não tem descanso e consola os que não têm descanso. Os que se perderam encontram novos caminhos, e os que tudo rejeitam encontram confiança e esperança.

Considero minhas obras como cartas que escrevi à posteridade, sem esperar resposta.

Se essa última não lhe parece tão boa quanto as citações anteriores, saiba que quem a disse foi Heitor Villa-Lobos, cujo dia de nascimento (5 de março de 1887) foi escolhido para fincar um dia de celebração da música clássica - ou erudita, de concerto, artística; você escolhe.

Citações via Meloteca.

Comentários

amei a citação do Mahler, mas confesso que é uma preferência profundamente parcial...
me diverti com a de Wagner
valeu pelas gotas
shalom
sergio disse…
a de debussy [e muito boa.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta