Pular para o conteúdo principal

graças a todos

Enfim, a caminhada do mestrado chegou a bom termo. Na quinta-feira, 28/05, apresentei a defesa da minha dissertação na UNESP. E viu a banca que o trabalho era muito bom. Ouvir os elogios (desculpem o baita e byte surto de imodéstia, já vai passar) e as sugestões para este trabalho e para futuras pesquisas, pronunciadas por especialistas que admiro e respeito, os professores doutores Alberto Ikeda (etnomusicólogo - UNESP) e Leonildo Campos (ciências da religião - Universidade Metodista, SP), validou e aprovou o suor deste escriba que ora torna-se mestre em música/musicologia.

Minha orientadora, profa/dra Dorotéa Kerr, elevou meu nível de exigência e estimulou o raciocínio e a formulação adequada.

Um galo sozinho não tece uma manhã
Ele precisará sempre de muitos outros galos

Esses versos de João Cabral de Melo Neto dizem tudo sobre a gratidão de um pesquisador como eu, que não teci essa dissertação sozinho, mas precisei
de quem me indicasse a porta de entrada dos livros: meus pais,
de quem compartilhasse comigo as opiniões sobre os temas que eu estudava: os colegas pesquisadores que chegaram antes de mim e divulgaram seus labores em artigos e livros,
precisei até de quem tinha uma opinião diferente e me forçava a estudar mais para entendê-lo.

Precisei também da tranquilidade e do suporte de casa, comida e roupa lavada quando morei um ano em sampa, frequentando as aulas presenciais e os arquivos de bibliotecas: obrigado Julison, obrigado Ellen, por me disponibilizar um "quarto do profeta" ultra-hi-tech com tv a cabo e internet wireless.
Caronas, impressões, formatações e quebras de páginas: valeu, Kelly e Rodrigo. Ah, este ainda aguentou calado duas ou três sessões em que discorri sobre a pesquisa falando como se não houvesse amanhã.
Ao mano e kids-sitter mais intelectual de Curitiba: Raulison, thanks.
Daniel Salles, the man: amigo de trajetos, partituras e muito incentivo.

Ninguém ouviu mais e dividiu mais do que a Silvia, a mulher que me disse Vai estudar, eu fico aqui com nossos filhos. Esse "ficar aqui" significava ficar em São Luís enquanto eu seguia para São Paulo. Sem o saber (ou talvez sabendo que é sempre assim), o prof. Leonildo disse a ela gentilmente Parabéns à co-autora do trabalho. Há um ano e meio morando em Curitiba, ela esteve presente na pequena audiência da minha apresentação na UNESP. Afinal, eu precisava de uma testemunha imparcial como minha esposa para que não me deixasse mentir sozinho pelos sites da vida.

Deus me oportunizou conhecer todas essas pessoas de que falei. Sem Ele e sem eles, nem eu nem a pesquisa seríamos o que hoje chegamos a ser.

A quem interessar possa, a dissertação intitulada "O gospel é pop: música e religião na cultura pós-moderna" estará em breve disponível na biblioteca do Instituto de Artes da UNESP.

Comentários

André disse…
Parabéns meu caro!

Quero uma cópia da tese!! Como faço?

Abraçø
joêzer disse…
É bem provável que no início do segundo semestre se publique uma versão no site da unesp.
thanks
Loren disse…
Parabéns Joêzer!

Não tem como deixar de reconhecer um trabalho q é feito com amor e coa bênção de Deus

Sei q foi trabalhoso, mas espero q seja só o começo! Afinal, não dispensamos as contribuições dos q têm o q acrescentar

Espero poder conferir o resultado em breve!

Graça e paz!
parabéns, meu querido!
Deus lhe use poderosamente.
forte abraço
joêzer disse…
loren, obrigado mesmo.
pr. andré,que suas palavras sejam cumpridas.
Jayme Alves disse…
Parabéns, Joêzer.

Ano que vem, começo a jornada que você acaba de concluir (e para a qual já estou me preparando) - espero terminá-la tão bem assim.

Fique com Deus e até mais.
joêzer disse…
jayme,
obrigado. e lhe desejo sucesso.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta