Pular para o conteúdo principal

black christian is beautiful

No domingo à noite, dia 20, fui convidado para acompanhar ao piano um grupo musical que me deixou com uma santa comoção, se posso dizer assim. Não apenas a qualidade das vozes chamou a atenção da congregação. Certamente, não poderia passar despercebida uma outra qualidade: todos os componentes eram negros. Reunido em pouco menos de duas semanas, os cantores não formavam um grupo oficial. Era apenas um “coral black” para aquela ocasião especial.

De pré-adolescentes até um casal de idosos, passando por jovens brasileiros e angolanos, o grupo cantou músicas tradicionais e contemporâneas com o empolgante estilo de cantar a que nos acostumamos. Eu estava embevecido pela qualidade musical e agradecido por estar participando de um momento no qual eu voltei a compreender o que significa “alegre reverência”. Ninguém rodopiou, nem fez gestos extravagantes nem palreou línguas incompreensíveis. Somente música apropriadamente feliz que nos deixou felizes. Vale dizer que a banda (com metais, baixo e percussão feita no teclado) contribuiu muito para o alto nível de festa espiritual.

Isso me fez lembrar de duas questões que nunca se calam: como se pode ter “alegre reverência” com uma banda? E, por que nossa experiência sacro-musical aceita a influência dos negros norte-americanos mas rejeita os estilos afro-brasileiros?

Vamos à primeira pergunta. Se há uma polêmica na qual não gosto de entrar é na velha questão da bateria na igreja. Prefiro falar de formas de adoração, e naquela noite de domingo aconteceu algo sublime, mas sem clima musical fúnebre, ocorreu algo festivo, mas sem frenesi. Houve palmas, não para acompanhar o ritmo da música, mas após algumas daquelas canções. Não tinha como não aplaudir uma anciã cantando o hino “Ao meu redor”, acompanhada de um backing vocal feito pela sua família.

Ah, mas e como fica o “culto racional”? Digo que a racionalidade estava ali controlando a emotividade. Senão fosse assim, iríamos saltar, rolar e gritar. O que não podemos é confundir emoção, do que também somos feitos, com ênfase permanente no emocionalismo, nem devemos achar que culto racional é ritual intelectualista.

À segunda questão: por que, para o louvor cristão, preferimos os estilos afro-americanos aos gêneros de raiz afro-brasileira? Traduzindo, por que aceitamos a black music cristã e recusamos o samba e o pagode?

Por conta da conversão em massa dos negros americanos ao protestantismo, ainda que muitos preferissem a liberdade cúltica do pentecostalismo, os temas da religiosidade de raiz africana não chegaram à música popular dos Estados Unidos. Os lugares, os deuses, os ritos, tudo isso foi suplantado no processo de conversão de escravos e ex-escravos. Por exemplo, os spirituals que falam de liberdade usam as histórias e personagens bíblicos, mas não clamam a nenhum deus das religiões africanas. Mesmo a música secular americana, seja o jazz, o soul ou o rythm and blues, se refere ao Deus cristão.

Já no Brasil, a religiosidade dos escravos foi assimilada tanto pelo culto oficial católico quanto pela música popular brasileira. Os símbolos e as entidades de matriz africana (Oxóssim, Iemanjá, Iansã) são descritos em muitas canções populares do mesmo modo que possuem paralelos com os santos do catolicismo romano. Além disso, o samba está vinculado ao Carnaval assim como o pagode está associado às festas regadas ao sensualismo e à cerveja, dois itens rechaçados pela virtude protestante, digamos assim.

No culto evangélico americano, as canções não possuem originalmente uma percussão sincopada como a do samba, por exemplo. Os ritmos afro-brasileiros têm acentuada animogenia (que é a capacidade que uma música tem de ser “dançável”), e a dança, principalmente a dança associada à axé-music ou ao carnaval, é outro elemento banido das igrejas.

O protestantismo e suas variantes tradicionais se opõem aos cultos considerados pagãos. Sendo assim, eventuais referências diretas ou indiretas (letras, estilos e modos de cantar) à cultura popular brasileira vão encontrar resistências no espaço da liturgia da igreja.

Não posso omitir um dos maiores crimes da humanidade, o preconceito. Pessoas de sangue e carne como qualquer outro, os negros foram submetidos aos flagelos da escravidão, humilhados e destituídos por muito tempo de sua dignidade humana, tendo sua cultura reprimida. De outro lado, o eurocentrismo, essa ideologia que concede à cultura europeia a exclusividade e superioridade musical.

Por fim, embora se diga com propriedade que a black music religiosa foi incorporada pela música pop (Ray Charles transformou um estilo gospel na soul music) e a música pop tenha influenciado as produções do black gospel (já nos anos 40 se dizia que o repertório gospel estava assimilando os modos de performance os estilos de arranjo da música secular), há que se considerar uma questão sociogeográfica: os grupos religiosos protestantes brasileiros estavam bem distantes das fronteiras onde aconteciam mudanças, renovações e interinfluências musicais americanas.

Assim, desconhecia-se a origem de uma música ou o que estava sendo feito de determinado estilo e importava mais o que os brasileiros estavam fazendo com ele. Algo semelhante aconteceu em relação ao repertório sacro de origem europeia, do qual as congregações só conheciam as histórias mais elegantes e honrosas dos compositores eruditos.

Essas são algumas respostas às perguntas que às vezes fazemos. Não há como esgotar o assunto ou esclarecer tudo nesse espaço. Mas garanto que se, como dizem, black is beautiful, black christian é mais beautiful. Pelo menos naquela noite de domingo.

Comentários

Mário Wilson. disse…
Oi Ouve um erro este comentário é pra esta materia aqui, por favor desconsidera aquele.

Mário Wilson. disse...
Olá Joêzer!
Tenho apreciado as tuas matérias e da forma que as articulas.Esta em especial me chamou a atenção, é bem verdade que existe uma cauterização por parte de alguns membros a respeito do louvor alegre ( sem frénesi e barulho).A minha visão de Deus é um Deus dinâmico e não estático, o ser humano tem sencibilidade emotiva... Jesus chorou. Estive numa apresentação de um grupo da igreja e no final ouvi reclamação por parte de alguem que dizia que houve falta de reverência no louvor, fiquei indgnado e disse pra essa pessoa ir em outras denominações e ver o que eles chamam de reverência q ela ia se escandalizar. Gosto de alegria no louvor, inovações salutares.
joêzer disse…
caro mário,
essa expressão que você usou é ótima: inovações salutares. é possível inovar buscando o que é apropriado e saudável para a congregação.
Queria te fazer um convite.
Como podemos trocar informações?
joêzer disse…
o contato pode ser por e-mail: joezer_7@hotmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta