Pular para o conteúdo principal

fábulas menores - opus 6

Das notícias que correm o mundo, há aquelas que nos surpreendem. Jornalistas iraquianos, desportistas brasileiros, cantores de volta à fama via YouTube. Nossa seção "fábulas menores de moral mínima" pega carona no noticiário-mentira e humor-verdade, afinal, certas notícias parecem fábulas. E se não são, nos encarregamos de torná-las fábulas. Mas a moral mínima é por conta dos protagonistas reais dessas histórias.

O santo sapateiro

Lembra quando Bush ganhou (mas não levou) duas sapatadas de um jornalista iraquiano? O atirador ruim de mira acabou de sair da prisão e foi presenteado com uma casa maior para morar, um carro novo, uma homenagem da cidade natal em forma de sapato-estátua, mais plano de saúde, mais uma bela quantia enviada por admiradores, mais propostas de casamento. Sinais dos tempos: já vão longe os dias em que as celebridades iraquianas eram mortíferos homens-bomba que não sobreviviam para ajuntar tesouros que a traça corrói.

Nelsinho Piquet, o kamikase

Depois de Nelsinho Piquet revelar que agiu como um bravo piloto no cumprimento do desonroso dever ao obedecer ordens da Renault para bater o carro na pista, o que, coincidentemente, levou o companheiro de equipe Fernando Alonso a ganhar o Grande Prêmio de Cingapura no ano passado; depois do chefe acusado, Flavio Briatore, duvidar da masculinidade de Nelsinho Piquet; depois da Renault demitir Briatore mas não contestar as acusações de armação, agora todo mundo vai entender o que queriam dizer com “o circo da Fórmula 1”.

Eles são os caras!

Dunga no comando vitorioso da seleção, Barrichello no volante vitorioso de seu carro: falta quanto tempo para aprontarem um comercial de cerveja com esses brasileiros guerreiros ou para ouvirmos o Lula dizer que o brasileiro é como o Dunga e o Rubinho que não desistem nunca? Em alta na cotação da torcida, Dunga cogita até voltar a vestir aquelas camisas Sidney Magal de seus primeiros meses como técnico. No caso de Rubinho, que corre (sim, agora corre) o sério risco de ser campeão, já tem humorista preocupado com a falta de assunto em 2010.

Biafra encontra Ícaro

Quando Byafra gravou seu maior sucesso, “Sonho de Ícaro”, dos inesquecíveis versos “Voar, voar, subir, subir / Ir por onde for”, não imaginava que a parte da letra que diz “Descer até o céu cair” iria se cumprir profeticamente pela graça de um saltador de parapente que despencou sobre ele como um Ícaro desgovernado. O reaparecimento de cantores na mídia por obra de uma videocacetada ainda vai tirar do ostracismo velhos ídolos: se Byafra foi atingido pela própria metáfora, se Vanusa remixou o Hino Nacional, não quero nem imaginar como será o retorno de Gretchen?

A volta dos que não foram

Depois da busca, apreensão e entrevista do cantor Belchior, desaparecido há dois anos pelas contas do Fantástico, desaparecido há mais de vinte pelas contas dos brasileiros, a Globo já inicia os contatos para ir atrás de Baltazar, o "artilheiro de Deus" e do campeonato brasileiro nos anos 80. Se encontrarem Gasparzinho, a festa natalina desse ano promete ser a maior de todos os tempos. Afinal, não é em todo milênio que se pode contar com os três reis magos da tradição católica: Gaspar, Baltazar e Belchior.

Comentários

GLAUCOMUZI disse…
Este comentário foi removido pelo autor.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta