Pular para o conteúdo principal

jovens, belos e mortos

Não é de hoje que a juventude tenta eternizar-se morrendo em plena flor da idade. Lord Byron já preconizava: morra jovem, viva para sempre. Nos anos 60, o hit da banda The Who proclamava “I hope I die before I get old [espero morrer antes de envelhecer]”. Essa canção tem o emblemático título My Generation.

O poeta morto aos 37 anos, Arthur Rimbaud, é também símbolo do artista que "extrai a rica seiva da existência vivendo intensamente toda a loucura da vida", ou então, só vivendo la vida loca. Acho que foi outro poeta, Paulo Leminski, que disse que se Rimbaud vivesse hoje ele seria um roqueiro. Difícil discordar em face de tanto roqueiro amargurado que anda nas cabeças e anda nas bocas das velhas e novas gerações.

O mundo tem visto algumas dezenas de artistas rimbaudianos (e também algumas centenas de suicidas medíocres) levados inexoravelmente pela morte mitificadora, seja no front de batalha, como o poeta romântico inglês Byron; seja em tragédias na estrada, como o ator James Dean e o cantor Francisco Alves, ou no ar, como Richie Valens; seja por meio da preferência dos ídolos jovens, a overdose, e aí a lista é grande.

Quando Goethe publicou Os sofrimentos do jovem Werther, em 1774, os jornais passaram a registrar um aumento no número de casos de suicídio de gente na flor da idade. Tirar a própria vida lhes servia de último bilhete amargo de não-conformismo em relação à sociedade do fim do século 18. Era o mal de fim de século.

É claro que o charme wertheriano tem se tornado algo mórbido, daí que autoassassinar-se num rompante desesperado, como Kurt Cobain e Sarah Kane, pode ser menos socrático que tomar uma taça de cicuta, porém seria mais dionisíaco, diria Nietzche.

O mal de fim de século 20 foi a AIDS. Logo apareceria quem dissesse que isso era castigo para os impenitentes roqueiros, que queriam abraçar Deus e o mundo, ou só o mundo. Renato Russo e Cazuza, consideradas as maiores forças da poesia do rock made in Brazil nos anos 80, não abriam mão da liberdade individual movida a hedonismo, contestação e autodestruição.

O suicídio de um popstar no auge na fama é tão difícil de entender quanto a celebridade que brigou pelo reconhecimento público e depois de alcançar a fama põe óculos escuros e peruca para não ser reconhecida.

Talvez ao ver certas estrelas cadentes encurtando a carreira (não raro, por causa de outro tipo de carreira), como Whitney Houston, os astros que atingem o sucesso, com medo da morte em vida, partem logo deste mundo cruel. Para eles, o problema não é lidar com o fracasso. O problema é lidar com o sucesso depois que se alcança sucesso.

A busca de prazer, o fascínio das drogas, o isolamento social: máscaras para esconder o verdadeiro eu que não consegue lidar com o sucesso ou com o fracasso pós-sucesso. Às vezes, só o artista sabe quem ele mesmo é de fato, e vê o circo de fãs, produtores e shows como um engodo. Ele não é capaz de se enganar por tanto tempo. Às vezes, seus amigos sabem quem ele é de fato, e o veem como uma ilusão insustentável. Outras vezes, o público descobre quem o artista é de fato – um ser humano feito da mesma matéria comum que o próprio público – e vai embora em busca de outro engano.

Os filmes sobre esses artistas seguem o que o Ministério dos Roteiros de Roliúdi adverte: são “baseados numa história real”, geralmente mais baseados que história real. As cinebios de Ray Charles, Johnny Cash e Cazuza são contadas invariavelmente assim: artista-incompreendido-que-se-autodestrói-mas-encontra-paz-interior. Se assim foi, que bom para eles, não? Triste é morrer sem acertar as notas promissórias assinadas nas folhas da própria consciência.

Comentários

Daniella disse…
Muito legal!
rapaz,
gostei deste seu texto...
o que o motivou?
joêzer disse…
estou preparando um pequeno ensaio sobre música "secular" e, ao revisar umas anotações, li esse trecho da canção My Generation (i hope i die bedore i get old). aí bateu um insightizinho.rsrs
abraço
Victor Meira disse…
Quero ler esse ensaio aí.
Vai publicar?
joêzer disse…
o plano é publicar. primeiro talvez em alguma revista (tipo Cult ou Piauí). vamo ver no que vai dar.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta