Pular para o conteúdo principal

tempos modernos: modo de usar



Quantos espectadores que veem o título Tempos Modernos, em vez de lembrar-se da telenovela global homônima, saberão que se trata também de uma obra-prima de Charles Chaplin?
E quantos (menos ainda, certamente) que assistem a Viver a Vida sabem que esse é também o título de um admirável filme de 1962 do francês Jean-Luc Godard?
Ninguém é menos feliz por não saber de uma coisa ou de outra. Conheço gente mais feliz e mais saudável que não lembra nem do título de todos os filmes que assistiu quanto mais dos nomes dos diretores.
A questão é outra. É notar como uma mensagem dotada de significado próprio pode ser tomada apenas em sua configuração superficial quando adaptada para outro meio ou para outro formato, revelando-se uma mensagem de segunda potência. “Mensagem de segunda potência” é como Umberto Eco denomina o resultado das produções da mídia que tomam uma referência particular e moldam-na de acordo com uma nova significação, geralmente com uma função consolatória e distante do original.
O filme de Chaplin, por exemplo, faz uma sátira da ideia de progresso tecnológico como progresso humanístico. As desventuras silenciosas de Carlitos são um grito contra a opressão patronal e a mecanização do trabalho. Suas peripécias são entremeadas com um humor terno e popular que são a marca do gênio de Chaplin.
A telenovela, por sua vez, não extrai apenas o título e a vontade de fazer rir com o uso da tecnologia (há um supercomputador falante) e ainda dilui o pensamento da obra original. Há trama; mas há concisão? Talvez haja risos, mas há reflexão? Talvez haja drama, mas há delicadeza?
Novelas, dizem, foram feitas apenas para o entretenimento do trabalhador fadigado após mais um dia extenuante de labor. O corpo cansado, insistem, não tem neurônios para maiores elucubrações. Ah, é? Então porque é que nas férias o mesmo trabalhador não está mais disposto a exercícios intelectuais do que antes?

Comentários

Um colega meu no Cartório me perguntou o que eu achava do programa Big "Trash" Brother Brasil. Bom, eu lhe disse que o negócio é e sempre será um lixo, no que de mais amplo há na palavra. Então ele ficou numa combinação de choque e curiosidade, e me perguntou o que eu fazia então ao chegar em casa à noite. Respondi que gostava deveras de ler, ler, ler e ler, e que preferia passar horas lendo a assistir a qualquer programa do tipo do B"T"BB. De fato, estou gastando muito tempo lendo algumas crônicas da Rosamunde Pilcher, minha escritora predileta.

Meu coleguinha, que tem lá seus 18 anos, e anda incorporando aos seus costumes drogas como o cigarro, o "Mein Kampf" de Hitler, as caixas de cerveja e os filmes sem noção, me disse: "Ah, mas tem gente que leva 15 dias lendo um livro, e daí o livro sai em filme e eu passo 2 horas assistindo o que você passou 15 dias lendo".

Eu abri a boca, e só pude dizer que em quinze dias (nem levo isso pra ler um livro) aprendi a ler, escrever e melhor, interpretar milhares de palavras que um filme não me ensinaria em 2 horas. Ele parou, olhou pensativamente para o lado e me disse: "E não é que é verdade?"

Cara, eu tô chocada!
joêzer disse…
e dá-lhe vivi!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta