Pular para o conteúdo principal

pragmatismo ou PRAGAmatismo?

Há um argumento no livro Joyful Noise, de Ed Christian, sobre a música cristã contemporânea, que pede uma reflexão: a música não deveria ser julgada por gostos pessoais, mas pelos seus frutos espirituais.

Podemos ler esse argumento de dois modos. Um, pela perspectiva pragmática que parece endossar. Dois, pela modernização das estratégias a fim de tornar relevante e significativo a “velha e feliz história” às sociedades modernas.

Ações pragmáticas não são intrinsecamente ruins. Elas se tornam contraproducentes quando os meios utilizados para chegar ao fim distorcem o padrão de interpretação bíblica (no caso específico, o padrão teológico adventista). Para pensar antes do culto: a visão utilitária da música como ferramenta de evangelização encontra respaldo teológico, é uma estratégia de sobrevivência no mercado das religiões ou apenas atende a procura de gratificação e liberação das pessoas?

As escolas adventistas existem para quê? Existem não somente para dar aos filhos dos membros da igreja uma educação escolar pautada pelos princípios que a igreja advoga, embora muitos dos membros que podem não queiram, e muitos que querem não podem. Existem também para revelar a mensagem bíblica de salvação. Isso é ou não é pragmatismo?

Os hospitais adventistas existem para quê? Repito a resposta acima substituindo educação por atendimento clínico. Por sua vez, o Natal é devidamente cristianizado pelo desejo de alcançar pessoas que se mostram mais suscetíveis ao evangelho nesse período do ano.

No entanto, a escola não vai adotar o evolucionismo só para atrair novos alunos. A escola ensinará as teorias do evolucionismo, mas não as defenderá em detrimento do criacionismo bíblico. Não é porque se respeita o feriado junino e os brincantes dos festejos que festas juninas serão realizadas com boi-bumbá, quadrilha e fogueira no pátio dessas escolas. O pragmatismo precisa ter limites ou se derrapará para um “vale-tudo” criticado até porque não é cristão. Sem limites e reflexões a respeito, o pragmatismo vira PRAGAmatismo.

Algumas igrejas adventistas costumam fazer confraternizações em espaços adjacentes (pátios cobertos ou salões de jovens). Almoço ou jantar, se é um evento oficial que envolve os membros e convidados, o cardápio é via de regra vegetariano. Embora nem todos os membros sejam adeptos desse regime alimentar, a igreja segue o princípio geral que sustenta enquanto instituição.

Na música sacra não há um princípio tão claro quanto há nas recomendações alimentares e educacionais. Talvez porque a dinâmica da evolução musical ocorra de forma diferente em relação às funções do corpo humano e às estruturas do saber humano. Caso contrário, a Bíblia traria referências explícitas ao modo de compor. Contudo, nem os escritos de Ellen G. White, que fundamentavam biblicamente a interpretação adventista sobre vários temas, revelam quais os acordes que servem ou não à liturgia ou citam nominalmente os estilos mais adequados.

Vemos, porém, que o princípio de unidade congregacional permeia os eventos oficiais da igreja, e as estratégias de escolas e hospitais buscam o respeito à visão institucional.

No tocante à música congregacional dos cultos (a doxologia que envolve entrada do pastor e das pessoas que comporão a plataforma, o ofertório, as mensagens musicais, incluindo as músicas de apelo, os momentos do canto congregacional ou louvor, a música de saída do templo), as pessoas que fazem parte do ministério da música precisam visar a igreja como um todo, e não como grupos heterogêneos de gostos musicais.

É a comunidade (adventista) que está em adoração; não é meu gosto musical que está sendo adorado. Se é a comunidade reunida é adventista, não há razão para cantar, nesses momentos específicos, músicas extremamente associadas com o formato "louvor & adoração" da moda. Não porque alguns pensem que são canções doutrinariamente pobres ou musicalmente repetitivas. Esse argumento apenas reflete o infeliz senso de superioridade musical de alguns.

O argumento correto é o de unidade congregacional. Não é hora para associações religiosas inoportunas nem para inovações irreverentes ou que venham a constranger uma parte que seja da igreja.

Ok, os mais velhos são mais rapidamente constrangidos, mas apesar de ser impossível agradar a todos, a maioria conhece a forma adequada de celebrar em conjunto. Isso não quer dizer que só as músicas com mais de 100 anos devem ter preferência. Como exemplo, nos cultos matutinos do sábados, considerado o culto central da igreja, pode-se alternar hinos vibrantes ou meditativos, mas não de funeral, você sabe, com músicas contemporâneas dos CDs do Ministério Jovem, não as mais animadas, você sabe, e ainda com canções conhecidas de grupos e cantores da igreja.

Nem funeral nem oba-oba. Os extremos levam ou ao formalismo estático ou ao êxtase informal. Deus é Senhor mas é Pai. Jesus é o Salvador mas é Amigo. Mas nem o Pai nem o Amigo são colegas de recreio.


Comentários

Daniella disse…
MMMUUUUIIIITTTOOO equilibrado! Gostei!
Equilibrado dentro da própria perspectiva de equilibro, do que lá raios for isso.

É intrigante alguem que faz doutorado ter uma abordagem e consideração tão leviana, e até mesmo ingenua sobre o adventismo, que horas até parece ser um pucha-saco com jogo de politica, buscando agradar a todos, parecendo ser eloqüente.

Vamos lá, Educação Adventista é apenas nome instituicional. É nada mais do que mais uma instituição de ensino interessada em adquirir o máximo de alunos ($$$) possível; a religião é apenas fachada, ou então "consolo espiritual" ("To na obra") de seus funcionários.

E por ai vai... até chegar na música também. Que também se tornou financeiro, status, fama. O resto é fachada. E há quem ainda tenta abafar as discurssões que giram em torno disso.

Menos ingenuidade, não tenha medo de ser sincero e soltar a boca no trombone. hehe
joêzer disse…
caro evandro,
leviano seria dizer que todas as escolas, todos os músicos, todos os funcionários estão guiados por índices financeiros (que não podem ser descartados, convenhamos) ou consolo espiritual de fachada.
generalizações são levianas e simplificações são ingênuas, isso sim.
trabalhei por algum tempo na "obra", sei das falhas e imperfeições.
há músicos adventistas que buscam a fama e o dinheiro? sem dúvida, embora sinto informa-los que ficar rico com a música na igreja adventista vai ser muito difícil.
acontece que essa postagem não trata da "obra" - educação, música...
estou tratando de aspectos musicais dos cultos e que músicas seriam mais adequadas ao benefício da unidade congregacional.
escolas e hospitais (partindo do modelo filosófico que as teria modelado) são apenas exemplos de que o pragmatismo de que acusam alguns músicos também está nas escolas e hospitais.
e nisso também estou sendo sincero, embora isso possa ser confundido com ingenuidade.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta