Pular para o conteúdo principal

davi, golias, seis oscars e uma mulher

E Avatar ganhou, mas não levou. Qual a explicação para os seis Oscars de Guerra ao Terror, uma pequena produção que passou quase incógnita nos EUA e superou o megasucesso Avatar, de 2 bilhões de dólares arrecadados, visto como a salvação da lavoura do cinema na batalha contra a praga do home theater e da pirataria?

Estaria Roliúdi desprezando a dinheirama em prol dos baixos custos de produção? Seria a vontade de muitos em ver um Davi cinematográfico derrubando o Golias-Avatar? Ou seria o apelo de premiar uma mulher como diretora pela primeira vez, ou vê-la derrotando o ex-marido, justamente o James Cameron produtor-diretor de Avatar?

Nada disso. Primeiro que Roliúdi é doida mas não rasga dinheiro. Os investimentos vão continuar em megafilmes, ainda que de pífias histórias.

A questão, me parece, é o medo do “filme do futuro” que Avatar representa. Nesse futuro, atores e atrizes (votantes no Oscar) são pouco necessários, valendo muito mais a tecnologia de ponta para fisgar os espectadores já dessensibilizados pelo cotidiano espetacularizado. O espectador comum já não se espanta facilmente, e só as epopeias à imagem e semelhança de Avatar podem impressioná-lo.

De fato, o baixo orçamento de Guerra ao Terror, um filme que encena a tensão vivida por desativadores de bombas do exército americano no Iraque, lhe dá uma cara de filme “real”, com atores de verdade e situações realistas. Isto é, sangue, suor e lágrimas.

Por isso, penso eu, a Academia preteriu o gigantismo computadorizado em favor dos combatentes de cara suja das areias iraquianas. De outro lado, pode estar o temor de executivos já não tão dispostos a bancar o alto risco dos filhotes de Avatar. Ou, numa perspectiva menos condescendente e sem sustos, votaram em Guerra ao Terror porque acharam que era o melhor filme e pronto. Ou todas as alternativas acima.

Mas que ninguém duvide de que a fantástica inovação visual e tecnológica de Avatar será copiada, imitada, diluída. O resto é conversa mole das comadres de blogs e jornais que vivem de fofoca e sentimentalismo.

Na véspera do Dia Internacional da Mulher, uma mulher ganhou o Oscar de melhor direção. Melhor: por um filme muito bom, segundo a crítica. Melhor ainda: uma mulher bem-educada que no discurso de agradecimento não mostrou revanchismo, feminismo, triunfalismo; só agradeceu e ressaltou a importância da equipe de filmagem.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta