Pular para o conteúdo principal

inverno da alma


Durante um ano e meio, trabalhei como arte-educador no Programa Atitude, um projeto que atuava em áreas urbanas de risco social, como o bairro Independência, em São José dos Pinhais (área metropolitana de Curitiba), local dos mais altos índices de miséria e violência.

Percorrer as vielas entre os barracos e casas degradadas, convidar as crianças para as aulas de música, convencer os adolescentes seduzidos pelo dinheiro rápido do tráfico de drogas a abraçar os projetos de ensino e emprego, visitar escolas públicas de sala em sala divulgando o programa, tudo isso foi um mergulho numa realidade tremendamente complexa.

Lembro de um adolescente que agarrou sua chance de dar aulas de violão para os colegas de sua comunidade. Ele decidiu dar a si uma nova chance e me dizia que agora queria algo melhor para sua vida. Ser íntegro quando os colegas não compartilhavam de sua integridade: uma escolha nada fácil.

O que estou escrevendo tem a ver com Inverno da Alma (2010), filme que conta a história de Ree, uma adolescente que vive em situação de muita pobreza, cuida de dois irmãos menores e de uma mãe doente, e ainda luta para encontrar o pai, um foragido da polícia provavelmente morto por gangues que moram no mesmo local que ela. Esse tipo de tragédia, contada por mães, filhos ou avós, era algo comum de se ouvir onde eu trabalhava.

A jovem Ree (uma estupenda atuação da atriz Jennifer Lawrence) é capaz de acariciar os cabelos da irmã e logo em seguida confrontar o homem que vem cobrar as dívidas do pai desaparecido. Ela vai até a casa onde mora o chefe do tráfico e não teme enfrentá-lo; ela rejeita as ofertas de entrar para o tráfico ou de escapar das dificuldades extremas por meio das drogas. Embora algumas de suas reações sejam um fruto quase natural do contexto de violência e abandono, a integridade de suas atitudes transcende qualquer fronteira.

Nobreza de alma não tem que ver com miséria ou riqueza, mas com caráter.

É o tipo de história que você não vai ver passando na Tela Quente. Aqui não tem fortões que explodem tudo furiosamente nem garotas sem-noção que tiram tudo velozmente.

Histórias como essa costumam degringolar para um vale de pieguice ou para uma escalada de violência grotesca. Mas não é o caso de Inverno da Alma, um filme que se mantém tão lúcido e íntegro em sua maneira de contar uma história emocionante quanto sua protagonista é capaz de sobreviver com dignidade.

Comentários

Dai Joezer, será que seu trabalho no independência fez com que 3 meninos se interessassem tanto pelo meu violino que acabaram levando sem pedir? hahaha... roubaram, mas já tá de volta...lembrei de vc... e se eu não encontrasse o violino , com certeza ia te procurar pois vc já me havia falado um pouco sobre esse trabalho, que aliás é corajoso e muito bom... parabéns...
joêzer disse…
trabalhei lá até setembro de 2010. obrigado.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…