Pular para o conteúdo principal

ministérios de música em ação

As recentes observações, e também conversas informais, sobre a música dos adventistas no Brasil, objeto de minha pesquisa na UNESP, me levam a perceber uma crescente preocupação quanto à qualidade do louvor congregacional durante os momentos litúrgicos. Como diz o música Ronnye Dias, entrevistado pela Revista Adventista (set/2011), há uma necessidade de maior qualidade na ministração do louvor nas igrejas.

Ronnye Dias tem passagem por várias instituições adventistas, e foi contratado pela sede administrativa paulistana da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD), no fim do ano passado, para trabalhar no Ministério da Música da Associação e como ministro de louvor da IASD Nova Semente. Recentemente, Ronnye Dias colaborou com o projeto Vida e Louvor, dirigido aos líderes e músicos da IASD na Região Centro-Oeste. O projeto visa ajudar os responsáveis pela adoração musical nas igrejas locais. Entre os pontos estudados, os participantes aprenderam sobre liturgia, funcionamento do ministério da música, percepção musical, música instrumental, e canto congregacional. Leia a entrevista a seguir:  

Revista Adventista: No que o curso da região centro-Oeste difere do que tem sido oferecido pela igreja?
Ronnye Dias: Basicamente em dois pontos: na formação e na seleção dos candidatos. O curso de uma semana, apesar de também não formar nenhum músico, ajuda muito no amadurecimento dos conceitos e favorece a ênfase prática das aulas. Os alunos, por sua vez, são poucos, em torno de 30 e são indicados pela igreja local, que subsidia parte dos custos.

RA: Alguns dizem que a Igreja Adventista tradicionalmente valorizou sua produção musical, mas não o canto congregacional. Por quê?
RD: Nas últimas décadas, o espaço de atuação que os músicos adventistas brasileiros encontraram disponível foi mais no campo da produção. Nesse aspecto, de modo geral, alcançamos um patamar respeitável. Mas nos últimos anos, o que se tem visto é a necessidade gritante de crescimento qualitativo na composição, organização e ministração do louvor congregacional. Ouso dizer que esse é o grande desafio da música adventista para este século.

RAComo reverter esse quadro?
RD: Resgatando o princípio bíblico do louvor como importante ferramenta de invocação e adoração a Deus (Sl 22:3). O momento de louvor não pode ser tratado como formalidade ou passatempo. Isso exige oração, comprometimento, planejamento e ensaio.

RA: Quais são as ênfases do curso?
RD: Enfatizamos três pontos básicos: relacionamento com Deus, serviço e treinamento. Em primeiro lugar, a adoração a Deus se baseia na busca de intimidade com Ele e na submissão à Sua vontade (Jo 4:23). O segundo ponto é que louvor é serviço. Devemos servir a Deus colocando as necessidades da igreja acima do nosso gosto pessoal e satisfação. Por fim, é importante que os músicos façam música com qualidade (Sl 33:3; 1 Sm 16:18). A semana que passamos juntos não é suficiente para formar um músico, isso leva anos. Mas nesse período é possível vivenciar experiências que despertam o gosto pelo estudo. Esta ano, por exemplo, os participantes formaram uma orquestra.

*****
Nota na Pauta: A recente demanda por qualidade no louvor congregacional nas igrejas adventistas vem de um duplo interesse: a vontade, por parte de alguns líderes de louvor, de aumentar a intensidade emocional dos momentos de adoração coletiva; a preocupação, por parte da liderança da instituição adventista, com a origem e o tipo de manifestação religiosa que pode resultar da influência da música de louvor neopentecostal.

É visível que essa necessidade de renovar a música litúrgica vem do desejo de emular o "entusiasmo" e a "entrega" que caracterizam os momentos de adoração coletiva dos shows e cultos neopentecostais. Por certo, a observação contínua dos ministérios de louvor, estrangeiros ou nacionais, induz à percepção de que os pentecostais possuem um comportamento espontâneo na adoração e os protestantes são um grupo formal e rígido. E isso teria a ver com a música (embora se reconheça que a predisposição pessoal para determinados comportamentos e as formas de regência dessa música sejam bastante importantes para o aspecto geral).

Por isso, surgem sugestões de repertório para o canto congregacional, publicam-se livros falando de determinados passos para a adoração que seriam capazes de orientar a subida e descida dos picos emocionais da congregação. A escolha e a alternância de estilos diferentes de música durante o louvor congregacional é importante, mas até que ponto não se está jogando com as emoções das pessoas? Que músicas seriam mais adequadas, então? Aquelas do hit parade das rádios gospel? As da tradição do hinário adventista? As músicas dos ministérios de louvor de qualquer denominação evangélica? As mais antigas em conjunto com aquelas mais recentes?

São perguntas que os círculos musicais e teológicos adventistas estão tentando responder. Não sei quantos estão discutindo se essa necessidade de aperfeiçoar os momentos de louvor é uma necessidade real do adventismo histórico (com sua particularidade de interpretação bíblica e de missão) ou se é também uma necessidade motivada pela observação contínua dos padrões da adoração neopentecostal.

De toda forma, a necessidade de estudo musical e teológico é de grande valia, assim como a presença de músicos competentes e experimentados, como Ronnye Dias, no auxílio direto aos departamentos de música das associações administrativas e das igrejas locais. 
    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta