Pular para o conteúdo principal

o Deus que pediu misericórdia



Primeiro
desce-lhes a borracha
e arranca-lhes o teto
e o sonho

Depois
assopra e beija
os filhos
dos retirantes

E os bebês sem-teto
crescem odiando
tudo
e todos.
(João Cruzué. Li no Confeitaria Cristã)

A expulsão brutal dos moradores do Pinheirinho, SP, completa mais de 40 dias e 40 noites e não me lembro de ter lido uma linha sequer sobre o assunto nos blogs e sites cristãos mais famosos e lidos.

A horda de desabrigados vítima da truculência policial não foi socorrida por um mutirão emergencial de cristãos. Tenho a impressão de que o cristão só sabe fazer mutirão em duas situações: após desastres naturais e no Natal. A expulsão à bala dos moradores do Pinheirinho também foi um desastre, uma tragédia social. 

Mas a nossa mente cristã-evangélica-romana entende que os desabamentos de terra e as enchentes são a vingança da Natureza, são sinais dos tempos, enquanto a humilhação do sem-teto é culpa do próprio sem-teto. Aliás, diria o crente tentando apaziguar o espírito, os policiais estavam cumprindo a Lei, eram homens que apenas estavam cumprindo ordens! 

E que lei diabólica é essa que tira o pouco de quem nada tem e dá para quem tudo quer e nada lhe falta? Que (in)Justiça é essa que derruba a casa de milhares para “devolver” o terreno a uma porção de especuladores que não enche um elevador? Como um governante que se confessa católico autoriza a chicotada no mais fraco para ficar bem com os mais fortes?

A quem nós queremos enganar? A Deus não se engana e nosso próximo sabe muito bem quem somos. Então, só estamos enganando a nós mesmos! Quando ocorre um desastre em Santa Catarina é um corre-corre, é um help-help de emocionar! Quando o desastre é em toda aquela região acima de Minas e Brasília que chamam de Norte, aí dá uma preguiça, já ajudei esse ano, tenho dois filhos pra criar, é pra “baiano” tomar jeito! Se for no Haiti ou na Ásia, é culpa do povo pagão!

“Misericórdia quero, e não sacrifícios”, já cansava de dizer Jeová ao povo ingrato e egocêntrico.  No Natal, nossa caridade tem hora marcada. E cumprimos os prazos e arrecadamos as toneladas em forma de uma lúdica gincana. Levem minha roupa usada, tá aqui meu quilo de arroz, tomem o meu sapato velho, Jesus está tão feliz... Passou a digestão do glúten e do peru, voltamos ao nosso clube da boa vontade natalícia e assistência social agendada.

Não estou dizendo que é para abdicar desses gestos de solidariedade, ainda que possam se revelar pouco espontâneos. Mas isso me lembra a canção cristã "Mutirões" (Ismar do Amaral/Valdomiro Pires de Oliveira), gravada em 1985:

Quando os nossos mutirões forem movidos pela fé                                                                           
No Evangelho que é vida, cartilha para ser seguida                                                                                 Vai ter pão em toda mesa, vai ter semente no chão      

Se a canção te parece utópica, então os Provérbios te alertam: “Abre a tua boca a favor do mudo, pelo direito de todos os que se acham desamparados” (31:8). 

Foi o que também disseram João Dias de Araújo e Décio Lauretti, no começo dos anos 1970, ao apresentarem a canção "Que Estou Fazendo?":

Que estou fazendo se sou cristão, / se Cristo deu-me o Seu perdão?
Há muitos pobres sem lar, sem pão / há muitas vidas sem salvação
Aos poderosos eu vou pregar, / aos homens ricos vou proclamar
Que a injustiça é contra Deus /  e a vil miséria insulta os céus

É muito bom saber que Deus amou o mundo de tal maneira que deu Seu Filho. Mas o cristianismo da Bíblia e da simplicidade do ‘aceitar Jesus no coração’ representa muito mais: “E não é isso que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, ames a misericórdia e andes humildemente com teu Deus?” (Miquéias 6:8).

Comentários

Marcelo Meireles disse…
Eu postei isso aqui no Facebook, dias depois. É histórico rsrs. Apenas 1 cristão curtiu rsrs

Ai vai

----------------------------
Vejam esse lindo pronunciamento do nosso nobre Washington Luis, em 1914.

Ele era prefeito de São Paulo, e como sabemos; viria a se tornar Governador do Estado e finalmente, Presidente da República em 1926

Dedico esse singelo libelo de cinismo alvar (eitaaa peguei pesado hein. Mas é pra entrar no “clima” do vocabulário do Washington Luis kkkk ) ... Voltando
-
Esse singelo libelo de cinismo alvar em prol da misantropia, é minha homenagem a Naji Nahas, Geraldo Alckmin, Justiça de SP ...

... e aos que acharam justa e digna de louvação honrosa, a inacreditável atuação desse Trio na expulsão de 6 mil pessoas do já famoso Pinheirinho

------------------------------------------------------------------
Vai Washington Luis !!! Corre pro abraço !!! Seus correligionários do Séc 21 te esperam ansiosamente !!!

------------------------------------------------------
"O novo parque não pode ser adiado porque o que hoje ainda se vê, na adiantada capital do Estado, a separar brutalmente do centro comercial da cidade os seus populosos bairros industriais, é uma vasta superfície chagosa, mal cicatrizada em alguns pontos e ainda escalavrada, feia e suja, repugnante e perigosa, em quase toda a sua extensão.

É aí que, protegida pela ausência de iluminação se reúne e dorme, à noite, a vasa da cidade, numa promiscuidade nojosa, composta de negros vagabundos, de negras emaciadas pela embriaguez habitual, de uma mestiçagem viciosa, de restos inomináveis e vencidos de todas as nacionalidades, em todas as idades, todos perigosos.

Tudo isso pode desaparecer sendo substituído por um parque seguro, saudável e belo. Denunciando o mal e indicado o remédio, não há lugar para hesitações, por que a isso se opõem a beleza, a higiene, a moral, a segurança, enfim, a civilização e o espírito de iniciativa de São Paulo.”

-------------------------------------------------------------
Sim. Washington Luis é um pioneiro nesse tipo de “ação social”.
Seu “pinheirinho” era um lugar chamado Várzea do Carmo. Nesse lugar, anos antes foi disputada a 1ª partida de futebol no Brasil. Hj esse lugar é o Parque Dom Pedro
Como sabemos, esse senhor de nobre estirpe não terminou seu mandato presidencial pq foi deposto por Getúlio Vargas. E acho que agora deu pra entender pq, ne ?
Xenofobia pouca é bobagem !

Faxina étnica e social que faria Hitler e Stálin aplaudirem de pé.

Grande Washington Luis ...
joêzer disse…
comentário arrasador, Marcelo!
Jayme Alves disse…
Bravo! Uma voz ousa se erguer em meio à mudez rasteira de tantos evangélicos perante as questões sociais.

Como "profetiza" o João Alexandre na canção "Em Nome da Justiça":

"Enquanto se canta e se dança de olhos fechados
Tem gente morrendo de fome por todos os lados
O Deus que se canta nem sempre é o Deus que se vive,
não
Pois Deus se revela, se envolve, resolve e revive"

É triste notar como os adventistas, que se orgulham tanto de sua ligação com o dom de profecia, restringem o ofício profético à iluminação do futuro e o deixam desconectado das sombras do presente, esquecendo que, nos profetas, pulsava forte a veia da contestação social e suas gargantas estavam repletas de brados contra a injustiça.

Voltando aos versos do "profeta" João Alexandre:

"Nós os filhos Seus temos que unir as nossas mãos
Em nome da justiça, por obras de justiça
Quem conhece a Deus não pode ouvir e se calar
Tem que ser profeta e sua bandeira levantar
Transformar o mundo é uma questão de compromisso
É muito mais e tudo isso"

http://letras.terra.com.br/joao-alexandre/930802/
joêzer disse…
esse é o João Alexandre!
valeu, Jayme.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…