Pular para o conteúdo principal

Deus como músico

Deus ama a música. O livro de Jó fala de anjos cantando como trilha sonora da Criação (Jó 38) e em homenagem ao nascimento de Jesus (Lucas 2). Entretanto, ninguém gravou esta música e ninguém foi transportado ao céu e de lá voltou com o Livro de Partituras Celestes para Vozes Humanas. Embora cá na Terra haja quem diga saber qual é a música do Céu!

Temos uma tendência a achar que as músicas religiosas de antigamente eram superiores às atuais músicas da igreja. Mas isso não passa de uma de nossas autoilusões favoritas, aquela que nos faz dizer “ah, no meu tempo era diferente”.

Não há razão alguma para pensar que o louvor dos tempos do Antigo Israel era superior ao de nosso tempo. Os corações sinceros de hoje não são menos sinceros que os de antigamente. O louvor não é menos aceito por Deus hoje que antes.

A música praticada nos cultos do Antigo Israel era bela e elevava os corações ao Senhor? Sim e não. O povo não se tornava melhor por causa da música. O efeito musical dura muito pouco. O povo se tornava melhor aos olhos de Deus ao praticar a bondade, ao andar em humildade com Deus, ao seguir sem hipocrisias Sua lei.

Hoje, a forma musical é diferente daquela praticada nos tempos antigos, mas o Deus é o mesmo. Como nos tempos do Antigo Testamento, as pessoas hoje ouvem uma música e podem ser tocados por ela ou podem ser indiferentes ao seu efeito. A atitude de louvor de um pode ser honesta e verdadeira e a de outro pode estar corrompida pela vaidade. E isso dificilmente é resultado da música ou do instrumento, mas das intenções pessoais.

O rei-músico Davi recebeu instruções sobre diversas atividades e utensílios do templo. Mas não recebeu uma letra e nem uma partitura. A inspiração musical não é inspiração verbal. Deus não passa os dias a soprar notas, acordes e versos no ouvido dos compositores. A inspiração é de pensamento.

Davi reconhecia a fonte de sua inspiração (2 Samuel 23: 1, 2). Mas isso não quer dizer que ele recebia as notas e acordes como um exercício rítmico-melódico ditado por Deus. Quando Deus dá uma canção à Moisés (Deuteronômio 31:19), ou quando organiza a liturgia do templo (2 Crônicas 25), isto já não é inspiração; é uma revelação direta feita pelo próprio Deus.

Por outro lado, "não são as palavras da Bíblia que são inspiradas, mas os homens é que o foram [...] As palavras recebem o cunho da mente individual" (Mensagens Escolhidas 1, p. 21). Assim, a interpretação correta da inspiração divina é a que considera que Deus inspira o pensamento e motiva a criatividade do artista e do escritor, mas o modo como ele escreve ou as palavras que ele escolhe são um processo humano.

No processo criativo, o artista escreve, apaga, pensa, repensa, modela, descarta, volta a usar. Um músico escreve com vários outros músicos na cabeça. É uma atividade em que se conjuga intuição emocional e análise fria. E Deus, como músico e amante da música, inspira e, por que não?, admira a criatividade e a arte de Sua criatura em sincero louvor.

*****
Mais sobre Deus e a arte: O Poeta, a Criação e a Cruz

Comentários

Kathyeri Farias Sales disse…
Achei lindo esse artigo, e nele pude perceber a importância da verdadeira adoração.

Canto na igreja desde criança, ou melhor, acho q já cantava dentro da barriga de minha mãe...kkk.
Mts vezes ouvi na igreja as pessoas falarem que as músicas de antigamente eram melhores, eram mais sagradas, entre outros.
E o artigo enfatiza bem esse aspecto, mostrando que não existem superioridade entre a música cantada hoje e no passado, mas, o que existe é a forma de expressão de um verdadeiro adorador.

O Senhor Jesus procura verdadeiros e sinceros adoradores que o adorem em espírito e verdade.
É isso que toca o coração do Pai, uma adoração sincera.

Kathyeri Farias
edson disse…
lindo texto.
joêzer disse…
kathyeri,
sua citação de João 4:24 é perfeita.

edson,
grato pela leitura.
Darcy disse…
Belo post, joêzer.
Edificante,agradável e inspirador como uma boa música.
Abs.
Darcy
Anônimo disse…
grande Joêzer!! na medida, como sempre. como vc bem disse, impressionante ainda há gente que sabe o tom, o tempo e até a cor da música do céu. e ai de quem não estiver de acordo! mas a bondade de Deus é infinita para com todos nós. e que haja harmonia entre Seus filhos!

um abraço,
Allan
Deise disse…
Fantástico! parabéns pelo artigo, sou compositora e entendo que produzimos aquilo que escolhemos ouvir ver e acreditar. Sei que não é possível enquanto estivermos aqui produzirmos uma musica santa, pois, não há como do impuro sair algo puro. Mas ainda assim Deus, o grande artista, faz sair de mim, de nós, "instrumentos sem cordas", lindas notas.
joêzer disse…
Darcy, meu caro, que bom que você acompanha este blog.

Allan, precisamos mesmo de harmonia!
joêzer disse…
Denise, concordo com você. Não há como seres impuros transmitirem uma mensagem pura. Só o Ser perfeito pra restaurar nossa música.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta