Pular para o conteúdo principal

os mitos do Titanic


Na esteira dos 100 anos do naufrágio mais comentado de todos os tempos, o cineasta James Cameron relança o filme Titanic em 3-D. Há três possibilidades de uma imagem aparecer na tela de projeção: a paralaxe zero (no plano da tela), a paralaxe positiva (imagem para frente da tela) e a paralaxe negativa (para trás da tela). Cameron deu preferência a esta última. Assim, em vez da proa do Titanic passar rente ao nariz do espectador, ele optou por dar maior perspectiva de profundidade às cenas.

Foi um processo exaustivo e dispendioso. Mas se era pra gastar e se desgastar tanto de novo com o mesmo filme poderiam ter contratado um roteirista dessa vez! Embora o filme seja agora em 3-D, não há dinheiro nem tecnologia no mundo que dê profundidade aos personagens rasos e à historinha da menina rica que se apaixona por menino pobre mas de alma sensível.

O formato mais apropriado para o relançamento do Titanic não é o 3-D, e sim o estilo do cinema mudo. Sem os clichês do diálogo, sobrariam a magnitude da direção de arte que reproduziu os mínimos detalhes do navio e as belas imagens (apesar da cena batidíssima de um casal se encontrando na proa de um barco enquanto o sol se põe). Ficaríamos livres também da insuportável canção da Celine Dion. Aliviaríamos um pouco o sofrimento dos personagens que morrem num mar gelado e ainda têm que ouvir a Celine Dion cantando o xarope “my heart will go on”!

O fato é que a população mundial gostou do filme. Outro fato é que a história do filme colabora para a disseminação de velhos mitos sobre essa tragédia. Por exemplo, há especialistas que afirmam que a famosa frase “Nem Deus afunda o Titanic” foi criada após o evento. O naufrágio, então, teria sido um castigo divino à arrogância humana.  A moral dessa história é que Deus castigou passageiros e tripulação por uma frase que eles sequer tinham ouvido.

Há, também, poucas evidências de que um grupo de músicos teria tocado o hino cristão “Nearer my God, to Thee” durante a confusão e o desespero dos passageiros que disputavam os lugares nos botes salva-vidas (Esse hino é conhecido como “Mais perto quero estar” – quando criança, me diziam que o grupo tocou “Tudo Entregarei”). Outros sobreviventes, porém, se lembraram apenas de ouvir música de entretenimento sendo tocada naquela hora. A cena do hino parece ser uma licença poética bem apropriada para aumentar o drama (essa cena já estava no filme Somente Deus por Testemunha feito em 1958).

A BBC inglesa elencou 5 mitos sobre o Titanic e você pode lê-los clicando aqui (em inglês).

De minha parte, eu aponto três mitos sobre o filme:
1-   Titanic é um grande filme. Não, não é. É um filme grande, no sentido de longo, caríssimo, que rendeu muitíssimo.

2-   Titanic é um filme muito ruim. Não, não é. Tem cenas ridículas (como a de Leonardo di Caprio salvando uma criança só pra mostrar como ele é pobre, mas limpinho), mas é extraordinariamente bem feito. Apesar do roteiro não colaborar, Leonardo di Caprio e Kate Winslet conseguem superar todos os clichês e absurdos porque eram, e ainda são, excelentes atores. É longo, mas não é chato.

3-    Era possível que o Jack se salvasse. Sim, era mesmo. Mas há controvérsias. Veja a fotomontagem abaixo e avalie se a personagem Rose mostrou-se uma tremenda espaçosa. 
     

        





Comentários

Anônimo disse…
O problema não era o espaço e sim o peso. O Jack tentou subir(se vc reparar bem nessa hora do filma vc vai ver), mas não conseguiu, a Rosa caiu quando ele tentou subir!
Anônimo disse…
*Rose
Anônimo disse…
Sim,Mas dava pra equilibrar como na terceira foto na ordem vertical ! se eles usassem o cérebro , talvez o Jack se salvasse !

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta