Pular para o conteúdo principal

O Barcelona e o encanto da derrota

Nos últimos cinco anos, o time da Barcelona foi declarado uma das maiores equipes de futebol de todos os tempos. Esse posto foi obtido não só pela incrível série de conquistas e troféus, mas também por apresentar ao mundo da bola um estilo de jogo que joga e não deixa o adversário jogar.

Acontece que esse time joga três partidas, perde duas e empata uma, e se vê fora dos dois maiores campeonatos que disputava: o Espanhol e a Liga dos Campeões da Europa. E lá vem a grita: "o Barcelona já era", "Messe pipocou", "bem feito!".

É natural que um time tão avassalador encontre quem o despreze. Ganhar uma vez é legal. Mas ficar ganhando sempre, aí é demais. É como chegar pra jogar uma pelada na quadra e ver o mesmo time ganhar toda vez. Começa a perder a graça. A derrota do Barcelona salvou o futebol da chatice previsível.

Mas o Barcelona faz jogo limpo, não é retranqueiro, busca o gol avidamente, seus jogadores são badalados mas não são vistos em baladas, nem fazem penteados chamativos nem dancinha da moda quando marcam um gol. 

Imagine o nível do desprezo caso esse time sempre campeão fosse o Chelsea, cujo dono é um bilionário russo de fortuna suspeita e que tem jogadores acusados de racismo (John Terry), bebedeira (Frank Lampard) ou que são simplesmente malas mesmo (Drogba). Ou se fosse o Real Madrid do marrento técnico José Mourinho e do galã Cristiano Ronaldo!

E o Barcelona perdeu por quê?

Perdeu porque seu padrão de jogo, a bola de pé em pé até chegar ao gol, não se alterou quando encontrou um time nitidamente inferior como o Chelsea que se trancou a defesa, ocupou os espaços das tabelinhas do Barcelona e sobreviveu com dois raros e fatais contra-ataques. Conclusão: tática previsível.

Perdeu porque Xavi e Iniesta não conseguiam tabelar, Daniel Alves mal conseguia cruzar e Messi perdeu um pênalti e não conseguiu enfileirar a defesa. Esse time ganhar é previsível. O Messi não jogar nada três partidas seguidas é coisa que não se explica. Conclusão: súbita ineficiência.

O pequeno Davi não conseguia usar a armadura de um guerreiro israelita e venceu o gigante Golias na base da pedrada. O Chelsea, que não sabe jogar como o Barcelona, venceu o melhor time do mundo na base do ferrolho. Conclusão: quem não pode, se sacode.

O lado ruim dessa história é que, se o Barcelona aprimorou um modelo tático de posse de bola em que ele jogava e não deixava jogar, o Chelsea se saiu com outro modelo: nem ele joga nem deixa o Barcelona jogar. É feio, mas de vitória alcançada não se olha os dentes.

O lado bom é que o futebol nem sempre é previsível. E isso é ótimo. Na vida fora dos gramados, o feio não ganha do bonito, a tartaruga não vence a lebre, o pequeno raramente vence o grande. No futebol, até a derrota tem seu encanto. 

A primeira foto é uma imagem rara  - Messi envergonhado. A segunda não é aquele guri do "Para nossa alegria". É o Ramires, do Chelsea, ouvindo a torcida cantar para a alegria dele.



Comentários

Rieddu Sardu disse…
Não posso concordar com todos os teus comentários, mas gostei muito da sua postagem.

O time inferior esta vez foi o Barça, por um gol. Já vi o Chelsea jogar muito bem contra o Barça, melhor que quando estavam em 10, sem zagueiro no campo, e o Barça safou-se até o final com muita sorte.

Esta vez a teve o Chelsea, sem dúvida, mas pelo esforço necessário para vencer o Barça, fora de casa, com um jogador a menos, acho que se tenha alguma licença de jogar diretamente.

Era a 4a vez que o Chelsea jogou em dez contro o Barça na semi fimal da Liga dos campeões nos últimos 10 anos. Aprendeu ganhar assim, afinal.
joêzer disse…
O Chelsea, que não é um time retranqueiro e tem jogadores muito bons, apostou na tática de se defender com nove atrás e só o Drogba na frente. O time soube ocupar os espaços das tabelas e infiltrações características de Xavi, Iniesta, Messi e Alexis Sanchez.
E contou com um goleiro inspiradíssimo e muita sorte também (O Barça acertou muito a trave).
Obrigado pelos comentários.
Priii disse…
Boa noite, qual é o seu email, para que eu possa contatá-lo com notícias sobre música?
joêzer disse…
Prii, mande para joezer.7@gmail.com.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta