Pular para o conteúdo principal

todo homem odeia o george clooney


É sempre assim. Lá vem sua mulher, sua namorada, sua companheira no filme bom e no filme ruim com um DVD nas mãos. Pelo olhar exultante já até se adivinha: é um filme com George Clooney. 

Você até se esforça para pertencer ao civilizado mundo dos homens contemporâneos: pendura a toalha de banho corretamente, serve a mesa do jantar, não quebra os copos na pia, ouve pacientemente a esposa enumerar a lista de compras pelo telefone do trabalho (talvez na frente das amigas!), e é capaz de chegar ao nível sênior de macho alfa, que é fazer compras jó-pacientemente num hipermercado no domingo pela manhã.

Então você está lá no sofá com aquela cara de quem sabe que não basta ser marido, tem que assistir a comédia romântica junto. Aí surge o George Clooney. Não bastava apenas o cara ser um rosto bonito e charmoso? Tinha que ser elegante? Tinha que ser discreto? Tinha que dirigir bons filmes? Tinha que ser ator de recursos seja para a comédia romântica, para a sátira, para o suspense, para o drama jornalístico? Tinha, ainda, que defender as causas mais nobres? E ganhar prêmios da crítica e da indústria do cinema?

A maioria dos homens sente-se um neanderthal perto de George Clooney. Por isso, meu amigo neanderthal, chegou a hora de darmos o troco. Homens imperfeitos, uni-vos!

Vamos adotar o que já sugeriu o também ofendido Luis Fernando Veríssimo: “Se não podemos ser iguais a George Clooney, então só nos resta caluniá-lo”.

Esconda o controle da TV, troque os cabos do DVD, anuncie que você radicalizou e agora só vê reprises do Discovery Channel. Dissemine spams, se possível no formato Power Point com a foto pichada de George Clooney (ideia do Veríssimo), espalhe que ele prefere Maradona a Pelé e que ele veste a camisa do Hugo Chávez. Fale pra sua namorada que ele odeia o seriado Friends.

Se todo esse rol de maldades não funcionar, então torça para que ela prefira filmes de galãs falecidos. Portanto, se ela quer assistir de novo a ...E o vento levou, assista com ela a segunda milha.

Apesar do George Clooney, há esperança. Se você é calvo, e sua mulher achar o calvo Zidane mais bonito que o babyface Cristiano Ronaldo, parabéns meu amigo. Conserva o que é teu (jamais diga “conserva tua coroa”) e vá ser feliz, não é todo dia que alguém acha que a desbeleza é fundamental.

Se ela preferir os penteados do Neymar, resista! O amor e a submissão têm limites!

Mas, se você não faz o tipo atlético e, mesmo assim, sua namorada fizer uma careta de desdém quando um superstar aparecer num filme saindo do mar todo sarado e exibido, é porque você é o eleito. Case-se com ela antes que um conquistador lance mão.

NNP: este web-escriba invoca o direito constitucional de não publicar fotos do mencionado galã do título desta postagem. Longe dos olhos, longe da comparação!

Comentários

@zeocara disse…
Show Joêzer! Kkkk
Jaime Chacale disse…
Grande dica... rsrrrrrr ..

Gostei das calunias que seriam feitas, rsrsrsr
Web-escriba foi demais!
Texto muito bom com a dose certa de humor. ;)

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…