Pular para o conteúdo principal

todo homem odeia o george clooney


É sempre assim. Lá vem sua mulher, sua namorada, sua companheira no filme bom e no filme ruim com um DVD nas mãos. Pelo olhar exultante já até se adivinha: é um filme com George Clooney. 

Você até se esforça para pertencer ao civilizado mundo dos homens contemporâneos: pendura a toalha de banho corretamente, serve a mesa do jantar, não quebra os copos na pia, ouve pacientemente a esposa enumerar a lista de compras pelo telefone do trabalho (talvez na frente das amigas!), e é capaz de chegar ao nível sênior de macho alfa, que é fazer compras jó-pacientemente num hipermercado no domingo pela manhã.

Então você está lá no sofá com aquela cara de quem sabe que não basta ser marido, tem que assistir a comédia romântica junto. Aí surge o George Clooney. Não bastava apenas o cara ser um rosto bonito e charmoso? Tinha que ser elegante? Tinha que ser discreto? Tinha que dirigir bons filmes? Tinha que ser ator de recursos seja para a comédia romântica, para a sátira, para o suspense, para o drama jornalístico? Tinha, ainda, que defender as causas mais nobres? E ganhar prêmios da crítica e da indústria do cinema?

A maioria dos homens sente-se um neanderthal perto de George Clooney. Por isso, meu amigo neanderthal, chegou a hora de darmos o troco. Homens imperfeitos, uni-vos!

Vamos adotar o que já sugeriu o também ofendido Luis Fernando Veríssimo: “Se não podemos ser iguais a George Clooney, então só nos resta caluniá-lo”.

Esconda o controle da TV, troque os cabos do DVD, anuncie que você radicalizou e agora só vê reprises do Discovery Channel. Dissemine spams, se possível no formato Power Point com a foto pichada de George Clooney (ideia do Veríssimo), espalhe que ele prefere Maradona a Pelé e que ele veste a camisa do Hugo Chávez. Fale pra sua namorada que ele odeia o seriado Friends.

Se todo esse rol de maldades não funcionar, então torça para que ela prefira filmes de galãs falecidos. Portanto, se ela quer assistir de novo a ...E o vento levou, assista com ela a segunda milha.

Apesar do George Clooney, há esperança. Se você é calvo, e sua mulher achar o calvo Zidane mais bonito que o babyface Cristiano Ronaldo, parabéns meu amigo. Conserva o que é teu (jamais diga “conserva tua coroa”) e vá ser feliz, não é todo dia que alguém acha que a desbeleza é fundamental.

Se ela preferir os penteados do Neymar, resista! O amor e a submissão têm limites!

Mas, se você não faz o tipo atlético e, mesmo assim, sua namorada fizer uma careta de desdém quando um superstar aparecer num filme saindo do mar todo sarado e exibido, é porque você é o eleito. Case-se com ela antes que um conquistador lance mão.

NNP: este web-escriba invoca o direito constitucional de não publicar fotos do mencionado galã do título desta postagem. Longe dos olhos, longe da comparação!

Comentários

@zeocara disse…
Show Joêzer! Kkkk
Jaime Chacale disse…
Grande dica... rsrrrrrr ..

Gostei das calunias que seriam feitas, rsrsrsr
Web-escriba foi demais!
Texto muito bom com a dose certa de humor. ;)

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta