Pular para o conteúdo principal

Lady Gaga vai para o show ou para a cruz?


A cantora Lady Gaga cancelou sua apresentação em Jacarta, Indonésia, devido a problemas de segurança. Num país de maioria muçulmana, seria uma temeridade se expor aos riscos da ameaça feita por grupos islâmicos que desaprovavam o show da artista em seu país.

Segundo matéria do portal UOL, o empresário da cantora, Troy Carter, comparou os protestos feitos contra o show de Lady Gaga à crucificação de Cristo: “Jesus Cristo foi crucificado. Acontece”.

Em suma, o empresário acha que estão pegando a Lady Gaga pra Cristo. Embora, pelas performances e pelo figurino, Lady Gaga esteja sempre vestida para o show e não como quem vai para a cruz.

A comparação é obviamente exagerada, mas das duas, uma: talvez o empresário tenha dito isso com ironia ou ele acredita mesmo que Lady Gaga é a Joana d’Arc da liberdade de expressão.

Se for ironia, vá lá, cada um ouve como quer. Mas se ele acha que Lady Gaga está virando mártir, das duas, uma: ou ela encara o risco de uma fogueira e faz o show ou volta e fica fazendo escândalo nos indiferentes países de raiz judaico-cristã.

Se ela prefere a segurança, tudo bem, não é justo por em risco a sua vida e a vida do público indonésio por causa de música. Mas se ela encara a fogueira e vai pro show, das duas, uma: ou ela cria um escândalo político ou um escândalo religioso. O que em terras islâmicas, é a mesma coisa.

Para algumas estrelas do pop, mesma coisa é um escândalo sexual e uma provocação religiosa. Então, das duas, uma: quando é motivo sexual, vá lá, não se deve dar opinião sobre as peripécias íntimas de ninguém. Mas quando é questão religiosa, das duas, uma: ou não passa de ignorância ou é desdém quanto a aspectos da fé.

Se for ignorância, tudo bem, o conhecimento progride pouco a pouco. Mas se for desdém, das duas, uma: ou é uma música falsificadora (como em “Judas” ou “Alejandro”) ou é um golpe de marketing. O que para muitos artistas e empresários do ramo, registra-se no caixa como a mesma coisa.

Comentários

Chets disse…
Huahuah!
Muito bom o texto!!
Abraçãozão!
megabr disse…
Bastaria saber como os islamicos interpretaram o comentário do Troy Carter, e, o que "Jesus não musulmano" faz fora do contexto do show, ou dentro? de duas uma:

Dentro do contexto:Rechazo musulmano a tentativa de "evangelização do mundo occidental [cristão]";

Fora do contexto: ...imagine....
:)
aurea disse…
Lady gaga e mulçumanos são iguais: DESEQUILIBRADOS ,INCRÉDULOS ,DOENTES ! AMBOS não crê em JESUS. ABAFA o CASO !SHALOM.
joêzer disse…
Chets, grato pela leitura.

Aurea, você diria isso com todas as maiúsculas a um muçulmano? Não podemos generalizar, não é? Há tantos muçulmanos que lecionam em universidades, são artistas, são escritores "equilibrados", certo? E há outros que não são. Não é justo dizer que quem não crê em Jesus é doente e desequilibrado quando nós conhecemos alguns doentes e desequilibrados que dizem crer. Infelizmente, é assim. obrigado pela leitura. Paz e saúde.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta