Pular para o conteúdo principal

Adventistas na América: republicanos ou democratas?


Em 1874, após o Congresso norte-americano rejeitar um projeto que outorgava ao estado o poder de impor valores morais do cristianismo, a Associação de Reforma Nacional, formada por uma frente evangélica conservadora e próxima ao Partido Republicano, passou a propor a imposição de leis dominicais.

Quando alguns estados começaram a apoiar estas leis e as perseguições aos violadores do domingo como dia de descanso terminaram em multas e prisões de grupos sabatistas, como os batistas e adventistas do sétimo dia, estes reivindicaram a liberdade religiosa e de consciência.

“O Partido Republicano endossava a imposição da lei dominical, e os adventistas que tendiam a apoiar os republicanos desde 1856, mudaram sua lealdade em favor dos democratas” (R. Schwarz e F. Greenleaf, Portadores de Luz, p. 242). Na década de 1880, na Califórnia, quando os democratas venceram as eleições estaduais, eles revogaram a legislação dominical.

Na época, o que interessava aos políticos era a questão trabalhista, e não religiosa. Era comum o indivíduo ser obrigado a uma jornada de sete dias de trabalho. Todavia, em alguns estados, como os do sul wasp (branco, anglo-saxão, protestante), a questão dominical era abertamente religiosa.

Houve tentativas ainda de aprovar a lei dominical em âmbito nacional. No entanto, as discussões, em parte promovidas pelos adventistas por meio de comissões e conferências de liberdade religiosa, ajudaram a bloquear a legislação que não permitia que os sabatistas, que já descansavam no sábado, pudessem trabalhar no domingo.

Nas décadas de 1980 e 1990, os adventistas também apoiaram a organização Americanos Unidos (AU), embora de forma não oficial. A publicação mensal Church and State (Igreja e Estado) da AU defendia a liberdade religiosa e a separação entre estado e igreja, o que faz parte das convicções históricas do adventismo.

Esse periódico fazia oposição às atividades da chamada Nova Direita Cristã, ala republicana que reunia evangélicos conservadores. Na época em que o presidente Ronald Reagan restabeleceu os vínculos diplomáticos com o Vaticano, houve vários protestos por parte da AU, que temia a união entre religião e estado que poderia resultar desse vínculo político. A esse temor, o adventismo adicionava sua crença profética de que a união entre os Estados Unidos e o papado é um sinal escatológico.

Os adventistas tem a tendência de apoiar os democratas ou os republicanos?

Na eleição de 1964, estudantes adventistas apoiaram o candidato republicano Barry Goldwater na disputa contra o presidente Johnson (vice que tomou posse após o assassinato de Kennedy). Em 1968, eles mostravam mais preferência por Richard Nixon do que pelo possível candidato democrata Robert Kennedy (irmão de John que também viria a ser assassinado antes de concorrer à presidência). Nixon, para quem não lembra, foi o presidente que sofreu o processo de impeachment nos anos 1970 na esteira do escândalo Watergate.

Em pesquisa mais recente, 44% dos adventistas americanos se identificavam com o Partido Republicano contra 24% que se identificavam com o Partido Democrata. Na eleição presidencial de 1984, o candidato republicano Reagan tinha preferência de dois terços dos adventistas pesquisados.

A agenda política republicana tradicional não aprova o sindicalismo e a ingerência do estado em questões do mercado. Outras bandeiras são consideradas de ordem moral, como a rejeição da legalização do aborto e da união civil homoafetiva. É também conhecido o lobby republicano em favor da propriedade particular de armas de fogo e da maior participação da religião na esfera pública.

O Partido Republicano é, via de regra, visto como um partido conservador. Embora haja diversidade de pensamento em seus quadros, muitas vezes ele é considerado francamente reacionário, como a facção do Tea Party, que a liderança republicana em Washington não vê com bons olhos, mas teve de submeter-se a alguns itens ultraconservadores de sua agenda durante a campanha presidencial de Mitt Romney. O próprio Romney, que tinha um discurso mais liberal, fez concessões ao conservadorismo.

Por outro lado, o adventismo norte-americano também tem uma faceta identificada com as propostas políticas do Partido Democrata (em alguns casos, até mesmo com a esquerda moderada). A bandeira da liberdade de consciência e o não envolvimento da igreja em questões do estado e sua própria estrutura institucional e seu gerenciamento de finanças tem mais a ver com uma central única do que com uma estrutura de livre mercado ou livre concorrência.

Possivelmente considerando a odiosa segregação racial promovida longamente por estados administrados pelos republicanos, 40% dos negros adventistas intencionavam votar no candidato democrata John Kerry e 23% em George W. Bush na corrida presidencial de 2004. De outro lado, a mesma pesquisa apontava que 47% dos eleitores brancos apoiariam Bush e somente 13% votariam em Kerry.

Em outra pesquisa, 47% dos adventistas brancos tinham afiliação com o Partido Republicano e 37% com o Democrata. Entre os negros, a diferença era maior: 70% eram afiliados do Partido Democrata e somente 9% afiliavam-se aos republicanos. A adventista eleita para o Congresso americano pelo estado do Texas, Sheila Jackson-Lee, é democrata.

Os números apontam que a opinião política dentro do adventismo norte-americano, embora de inclinação republicana, também se dirige aos democratas quando o assunto de liberdade de consciência está em questão. Como os democratas têm demonstrado mais esforços para a inclusão de latinos e afro-americanos na sociedade, é possível que essa questão venha motivando novos grupos de eleitores a considerar outros rumos dentro da consciência política adventista.

Fontes: Douglas Morgan, Adventism and the American Republic; R. Schawrz e F. Greenleaf, Portadores de Luz; R. Dudley e E. Hernández, Citizens of two worlds: religion and politics among American Seventh-day Adventists.

Comentários

Robson Braga disse…
Mestre Joeser, como sempre, seus posts são extremamente interessantes e esclarecedores. Grande abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta