Pular para o conteúdo principal

um estudo sobre o cd Princípio e Fim


As congregações evangélicas, de um modo geral, foram acostumadas a um modelo musical de melodias firmes, poesia simples e teologia direta. Isso pode explicar o apreço pelos dois primeiros CDs de Leonardo Gonçalves, nos quais há músicas que se consolidaram no repertório evangélico dos últimos anos (“Getsêmani”, “Volta”, “Moriá”, “Ele Virá”, são algumas).

O 1º CD, "Poemas e Canções", apresentava temas gerais do cristianismo. O segundo, "Viver e Cantar", pôs em sequência teológica as doutrinas cristãs centrais. O terceiro, "Avinu Malkenu", relaciona a tradição musical e teológica judaica à compreensão teológica  cristã. O CD “Princípio e Fim” diverge dos anteriores nos aspectos musicais e poéticos. E também é diferente no viés teológico. Antes de falar sobre eles, vamos aos aspectos musicais.

Ouvindo musicalmente

Talvez haja menos canções memoráveis neste CD do que nos anteriores. E isso não é necessariamente um defeito. Se as músicas se adequam mais à reflexão pessoal do que à performance pública, isso chega a ser reconfortante. Talvez seja um risco para a Sony Music, e o resultado artístico do CD prova que a gravadora não interferiu na produção. Esta é uma produção que não buscou a fórmula do hit gospel, e para isso renunciou (talvez deliberadamente) à familiaridade melódica.

Nesse CD, as melodias estão mais assentadas, lentas, reflexivas. Nos trabalhos anteriores, as músicas exigiam muita potência vocal e os intervalos entre as notas exibiam maiores saltos entre as notas graves e as agudas. Neste, há mais ênfase na região média da voz.

Percebi também um fator musical que não sei se todos vão entender devido à forma pouco eficiente da minha explicação: há uma demora em resolver as expectativas criadas pelos acordes de tensão e repouso. Por exemplo: o refrão da canção “Novo” [“mas à meia-noite o céu se abre...”] tem um ostinato (repetição de grupos de notas) que adia longamente a resolução da tensão. É um efeito interessante e que se relaciona com a letra, mas soa pouco familiar para uma parte dos ouvintes, para quem o ostinato resulta bastante prolongado.

Que canções têm essa característica?

“Sublime” – que tem belos achados na letra, como no verso “Compreendo que o eterno lar começa no momento em que vivo para Te encontrar”

“Viver o amor” – o refrão (“estender a mão / partir o pão”) tem uma melodia flutuante e seu final tem uma sequência de acordes que criam um efeito suspensivo permanente.

A versão de “Eu acredito” – a sequência de acordes do piano desarticula a fluidez da versão original de Tiago Arrais e cria outra atmosfera: suspensa, ondulante, resolvida de um modo inesperado.

“Jamais” e “Princípio e Fim” – as duas canções dialogam em vários aspectos. Experimente apenas ler suas  letras e você perceberá que os conjuntos de versos não estão ligados por uma narrativa, uma história. São como quadros justapostos que somente a visão do todo poderá apresentar coerência.

Assim como o letrista não estabeleceu uma relação convencional entre os versos, a melodia e a harmonia também não seguem as resoluções melódicas e harmônicas comuns. Essas duas músicas soam mais como comentários sobre a compreensão da eternidade e da infinitude de Deus e menos como canções sobre o encontro final com Cristo no céu,

Não ouvimos as afirmações seguras sobre a volta de Jesus, como em “Ele Virá”, por exemplo. O aspecto esperançoso e triunfante dessa música deu lugar à espera mais contida – “a esperança pressupõe a espera, logo vem o Rei”, trecho da canção “Novo”, é um sinal. Não é triunfalista, mas também não é triunfante no modelo comum da música evangélica e, particularmente, da música adventista.

O tema da volta de Jesus costuma gerar expectativas musicais afirmativas ou também de grandiosidade (final orquestral, trompetes no fortíssimo). No entanto, o instrumental de cordas que se segue após a última frase da última música do CD dá uma ideia da opção pela contenção. A música parece encerrar com reticências. Talvez a ausência de um ponto final não atenda às expectativas convencionais do ouvinte.

Seria este, então, um CD que agradaria mais aos músicos? Não sei responder. Mas eu diria que essa produção deveria ser ouvida com atenção pelos arranjadores gospel. 

Ouvindo teologicamente

Olhando agora para as letras, e mesmo não passando de um musicólogo que aprecia estudos em religião, vou arriscar algumas especulações teológicas.

Os poemas e canções do CD me sugerem que eles estão dentro de um conceito duplo em relação ao título dessa produção.

Princípio é o começo de todas as coisas. No entanto, diferente do CD “Viver e Cantar”, não há um relato cronológico da história da redenção. Seu começo não está no gênesis, mas nos eventos do apocalipse. Vejamos:

A segunda faixa do CD chama-se “Tsion” (a 1ª é um prelúdio instrumental ligado à 2ª) e trata do esperado encontro entre o salvo e o Salvador. O primeiro verso da letra diz “hoje acordei em sonho para ver o que é real”. Como sabemos, os sonhos não têm começo definido (é raro lembrar o início de um sonho) e é só a realidade que põe um fim aos sonhos.

A terceira canção é “Novo”. O refrão fala da vinda de Jesus nos céus e pergunta: "a luz que enche toda a terra é o Rei?" A interrogação é cantada por Leonardo com a entonação vocal para cima na palavra “Rei?”. Depois, essa frase será repetida, mas, na letra que consta no encarte do CD, há um ponto de exclamação no final (“a luz que enche toda a terra é o Rei!”). A voz faz uma entoação para baixo na palavra “Rei!”, como que afirmando e não perguntando.

Os eventos do apocalipse são cantados: “a canção do Cordeiro vai ressoar como o alto mar” (como o som de muitas águas); “tudo novo se fez”.

Há referências à nova terra (algo que é pós-apocalíptico) nas bonitas rimas da música cantada em inglês, “There”, que fala da cidade celeste de Jerusalém e da importância dada a presença de Cristo ali. Em “Sublime”, há um coro que canta repetidamente “Jerusalém”.

Essa última canção diz: “[...] vou Te encontrar / quando não sei / um dia, eu sei / estarei no meu lugar”. O que ainda não foi realizado, e carece de espera e esperança, se realiza no final da música: “Hoje encontrei, em Ti encontrei, encontrei o meu lugar”. Não é o encontro no céu, mas a percepção de encontrá-Lo espiritualmente e localizar-se emocional e intelectualmente, deixando de perambular atrás de outras soluções. É outra forma poética de dizer "o céu é aqui, se aqui Jesus está", como na música de Jader Santos.

Isso está de acordo com o texto de apresentação do CD, escrito por Leonardo: “o reino de Deus vai existir porque já existe. [...] um dia vai existir plenamente. Já, mas não ainda...”

Preceito e Finalidade

Uma segunda relação das músicas com o título do CD penso que está num plano mais profundo (e são apenas especulações deste escriba, e podem não ter nada a ver com as reais intenções do produtor).

Princípio também significa preceito, teoria, diretrizes que regulam a vida. Os princípios cristãos saltam aos ouvidos nas canções.

Princípios de fé: na canção “Novo”, canta-se a crença na ressurreição de Cristo (“minha fé não vê um Cristo morto, mas que ressurgiu”), a ressurreição dos que creem em Cristo (“acordam os que dormem no Senhor”), e a volta pessoal de Jesus (“todo olho O vê”).

Princípios da sola scriptura: são citadas várias passagens bíblicas, algumas ipsis litteris – Mateus 25:21 (em “Tsion”), o salmo 121:1 (“Novo”), Coríntios 13:2 e algumas bem-aventuranças (em “Bondade”), Isaías 58:6 (“Viver o amor”).

A lei como princípio: "acredito que Sua lei está dentro do meu coração" (na música “Eu acredito”); "sempre obedecer à lei do Seu coração" (“Viver o amor”), "guardar suas leis" (“Mente e coração”).

Fim quer dizer final das coisas. E também é um termo que pertence ao domínio da escatologia cristã, o estudo dos últimos eventos. Fim também significa finalidade, objetivo. A finalidade da criação e da redenção está dentro do que se chama teleologia, o conceito de propósito do universo. O propósito (o telos) do evangelho é anunciar tanto o fim/propósito da vida quanto o começo/finalidade de uma nova vida. As canções do CD "Princípio e Fim" são perpassadas por esse princípio, por esse propósito.

O telos, a finalidade da vida do cristão na terra inclui o amor pelos seus semelhantes, abrangendo aqueles que, como diz o texto de apresentação do CD, “não compartilham de nossas perguntas, que dirá de nossas respostas”. Por isso, a música “Bondade” (preciso a bondade partilhar), por isso “Viver o Amor” (estender a mão, partir o pão; nunca mais me esconder do meu semelhante).

Já fui longe demais em minhas especulações teomusicológicas e agradeço a boa vontade do leitor que chegou até aqui. Eu encerro com esse verso da canção "Mente e coração":

Quero entender o sentido / quero sentir o entendido: o cristão quer compreender o significado e o propósito das coisas. Mas assim que compreende, ainda que em parte, pois lhe é impossível a totalidade deste lado da eternidade, ele precisa vivenciar o que entendeu. Razão para entender, sentimento para incorporar. Letra para compreender o sentido, música para expressar o entendido.

Em relação a essa canção, talvez várias pessoas deem mais atenção ao arranjo musical do que à teologia contida na letra. É claro que ritmos e melodias às vezes podem nos distrair dos santos propósitos. Mas também penso que não é sábio usar a preferência musical como régua para medir a espiritualidade pessoal. O amor é um princípio e a salvação é um fim, mas a música é um meio.

Comentários

"Sublime"! Muito bom amigo! Visão ampla e apurada. Recomendo a leitura!
Anônimo disse…
Otima análise (musical e teológica)e forma de expressão também...
A frase que me chamou mais atenção em todo o CD foi essa de "Mente e Coração" antes mesmo de ouvir a música, quando o Leonardo fez uma pergunta no FB.
joêzer disse…
valeu, amigo ministro!
Marinho disse…
gostei muito do texto. nos leva à uma compreensão profunda do cd. parabéns, valeu mto a pena ler.
joêzer disse…
Marinho, obrigado. venha sempre.
Nildo Mafala disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Nildo Mafala disse…
Joêzer a muito esperava a tua avaliação desse album, pois sabia que captarias coisa que meus ouvidos não captariam, e questões teológicas que me passaram desapercebidos... muito boa analise! PARABÉNS!
Caio Costa disse…
Análise muito boa meu irmão, muito boa mesmo..
Caio Costa disse…
Análise muito boa meu irmão, muito boa mesmo..
Alysson Huf disse…
UAU!
joêzer disse…
Nildo, ainda bem que a espera valeu a pena. obrigado pela leitura.

Caio, grato pela apreciação.

Alysson, tks.
Roberto disse…
Leonardo Gonçalves é verdadeiramente um diferencial na música gospel, quem dera pudesse se tornar uma reverência para um geração que vem chegando a galope. Por seu cuidado e capricho com que escolhe o repertório e a maneira com que equaciona as canções, arriscando-se, até mesmo,a ser incompreendido por uma ala mais conservadora da igreja.
megabr disse…

Mostra o DNA musical e faz um "teste de paternidade" teologica;


Esta é somente uma reflexão minha espero não seja uma heresia..., de qualquer forma, este artigo ou a compreensão que tive dele me motivou a escrever o que segue;


Depois de ler esta analise ao finalizar a ultima oração do artigo, de repente veio um pensamento a minha mente;
A de que cada ser humano nasce como uma canção, de letra e musica única carimbada pelo criador, uma abalança perpetua que acompanha o adorador pelo resto da sua vida, como uma melodia que o sustenta e o eleva de volta a seu criador nos momentos difíceis, e, nos momentos de alegria o embalam ao louvor de gratidão e e explosão de ações em bem dos que o rodeiam;
Esta canção impressa na alma de todo ser humano, parece misturar-se com as canções que ouvimos de diferentes fontes, pode ser que por isso a percepção musical de cada um seja uma experiência particular única, enquanto a percepção musical coletiva dos ouvintes num culto, se junta em centenas de louvores brotando do coração para a origem de todas as mas belas melodias a voz do criador, numa oferenda de louvor que sobe em fortes turbilhoes de volta a quem o deu no principio;

Abraços

Max
megabr disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
interessante perspectiva, meu caro Joêzer. acho que teríamos muito que conversar a respeito desta sua análise. acredito que a minha visão deste álbum é bastante diferente, mas amo a oportunidade de trocar ideias no estilo dialético com quem realmente tomou o tempo de ouvir e refletir.
grande abraço
óia, cada dia percebo que sua visão é bem diferente (da minha rs).. que bom...enfatizo a 'chatisse' das duas notas repetidas elogiadamente chamadas de ostinato.

abraço mestre Joezer..
joêzer disse…
O simples termo "ostinato" não é um adjetivo de elogio.
só usei um termo técnico, como "colcheias", "ritornello", "cluster" etc.

o amigo entende que falei pouco de música e mais de teologia, certo? um dia sentamos e falamos da música.
abs

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta