Pular para o conteúdo principal

a parábola do bom legalista


Certo dia, porque é sempre em certo dia que esses eventos se dão, um grupo de alunos subiu ao andar onde seu professor corrigia provas e lhe perguntaram: “Mestre, é mais fácil um camelo entrar voando por essa janela do que um legalista ir para o céu?”

O professor, sabendo que camelos não voam e que todo legalista pensa que a lei dá asas, contou a seus alunos a seguinte parábola:

Um homem ao sair para o trabalho encontrou um livro no chão. Pegou, olhou, folheou e guardou o livro que tinha por título uma só palavra: “Lei”. E pensou: “Cristo não veio revogar a lei, mas cumpri-la. Que bom que eu já obedeço à lei, ao contrário desse meu colega de trabalho evangélico que não sabe o que é verdade.” E assim passou a semana como o legalista que era, exigindo muito, pedindo um pouco e não agradecendo por nada. Chegando o sábado, foi à igreja achando que sua observância da lei lhe dava créditos e méritos de salvação.

Outro homem ao sair para a igreja encontrou um livro igual no chão. E quase disse em voz alta: “Cristo não veio revogar a lei, mas cumpri-la. Eu procuro obedecer toda a lei, ao contrário dos meus irmãos da igreja que não sabem que estão condenados”. Chegando à igreja, mediu o tamanho da saia da irmã e o dízimo do irmão, saiu quando o grupo jovem cantou, voltou quando o pastor começou a pregar, dormiu de tarde, esperou o sol se por e foi, contrariado, levar a esposa ao restaurante.

Um terceiro homem encontrou o mesmo livro. Ele não tinha o costume de bater no peito, e por isso, disse apenas: “Cristo não veio revogar a lei, mas cumpri-la. Eu procuro obedecer toda a lei, mas não sou capaz. Como eu preciso da tua graça, Senhor”. E assim passou a semana sendo amável e honesto. Chegando o sábado, foi à igreja, e mais uma vez entendeu que legalista bom é aquele que deixa de sê-lo por que reconhece sua condição caída e obedece toda a lei por amor, e não por orgulho de se salvar ou por medo de se perder.

Sua oração de todos os dias era: “Senhor, que eu seja alguém leal à Tua casa sem ser um legalista em Tua causa”.

Tendo ouvido estas coisas, um dos alunos perguntou: “Agora o senhor vai nos dizer qual destes três agradou a Deus?”

“Não”, respondeu-lhe o professor, “agora se pergunte qual dos três é você”

Joêzer Mendonça

Comentários

Daniel Freitas disse…
Mestre Joezer, como eu gosto dos teus posts amigo! Saudades rapaz! Louvado seja Deus por tanta sabedoria!
joêzer disse…
valeu, amigo. saudades tb.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta