Pular para o conteúdo principal

meus melhores filmes de 2012


Minha lista de melhores não dos melhores filmes desse ano, mas de filmes que vi neste ano não importa o ano de sua produção. Em 2012, assisti obras-primas como A Separação e Na Estrada da Vida, ótimos dramas como Jean de Florette e A Morte e a Donzela, animações estupendas como  A Viagem de Chihiro e filmes não tão bons mas com interessantes questões teológicas, como Prometheus. À lista:

Brinquedo proibido (1952) – na França da 2ª Guerra Mundial, uma menina perde os pais e encontra a amizade de outra criança, filho de camponeses que lhe dão abrigo. O travo amargo da guerra é aliviado por momentos inesperados de humor. Mas se prepare, ao contrário do engodo de A Vida é Bela, em que Aschwitz vira Disneylândia, este pequeno filme não maquia o horror da guerra para consolar o espectador.

4 meses, 3 semanas e 2 dias (2007) – após assistir a esse filme, qualquer que seja sua opinião a respeito do aborto, contrária ou a favor, ela vai mudar. Porque esta não é mais uma comédia adolescente, mas um drama que mostra como o processo pode ser traumatizante para a mulher. E os homens dessa história? Bem, “boys” just wanna have fun.

Do jeito que ela é (2003) – essa história de tolerância e aceitação familiar trata as diferenças inconciliáveis do relacionamento entre pais e filhos com a dose certa de emoção e realismo. Se fosse uma letra de música, o filme seria: “você diz que seus pais não lhe entendem, mas você não entende seus pais”.

Fausto (2011) – nessa versão da milenar história de um homem que faz um pacto com o diabo, o homem é um cientista e o diabo é um comerciante. Em meio a diálogos de alta voltagem teoógica, e filmando ora paisagens deslumbrantes ora cenas atordoantes, o cineasta russo Alexander Sokúrov nos diz que o grande mal que assola o homem não é o embate entre ciência e religião, mas o cientificismo que repudia a fé e o amor pelos semelhantes.

O garoto da bicicleta (2011) – um adolescente abandonado pelo pai passa a desenvolver sentimentos extremos de fúria e solidão, manifestando tanto o ódio quanto a vontade de receber afeto. Uma mulher desconhecida passa a visitá-lo no orfanato e acolhê-lo em sua casa. Uma parábola sobre o amor incondicional.

O artista (2011) – um filme mudo sobre os tempos do cinema mudo. É uma proeza técnica o fato de espectadores do século XXI se deliciarem com a inventividade do cinema que, sem dispensar a música, abdica da voz.

Pina (2011) – espetáculo visual impressionante dirigido por Wim Wenders que reencena as revolucionárias coreografias de Pina Bausch, a mulher que trouxe o balé para o risco do cotidiano e lhe deu gestos simples, mas nem por isso menos sofisticados.

A separação (2011) – a princípio, parece apenas ser sobre a vida de um casal em processo de separação no Irã. Mas pouco a pouco começam a entrar aspectos da religião islâmica que vão sendo discutidos sem apontar soluções apressadas. É um painel rico de situações cotidianas e surpreendentes que nos faz perceber como boa parte das encenações familiares filmadas em Hollywood são apelativas, sentimentalóides e fotogênicas.

P.S: Eu já não esperava grande coisa, mas O Espetacular Homem-Aranha deveria se chamar o apenas razoável homem-aranha. Com mudanças forçadas na história, mais coincidências que novela do SBT, teia comprada na Amazon e uma aluna de ensino médio como estagiária-chefe de uma megacorporação, não deu pra engolir esse caça-níqueis. 



Comentários

marcio goncalves disse…
Pieces of April é um dos meus filmes prediletos. As atuações de todos, principalmente da mãe e da filha mais nova, são incríveis.
joêzer disse…
essa é uma pérola que demorei a ver. Patricia Clarkson está realmente incrível.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta