Pular para o conteúdo principal

meus melhores filmes de 2012


Minha lista de melhores não dos melhores filmes desse ano, mas de filmes que vi neste ano não importa o ano de sua produção. Em 2012, assisti obras-primas como A Separação e Na Estrada da Vida, ótimos dramas como Jean de Florette e A Morte e a Donzela, animações estupendas como  A Viagem de Chihiro e filmes não tão bons mas com interessantes questões teológicas, como Prometheus. À lista:

Brinquedo proibido (1952) – na França da 2ª Guerra Mundial, uma menina perde os pais e encontra a amizade de outra criança, filho de camponeses que lhe dão abrigo. O travo amargo da guerra é aliviado por momentos inesperados de humor. Mas se prepare, ao contrário do engodo de A Vida é Bela, em que Aschwitz vira Disneylândia, este pequeno filme não maquia o horror da guerra para consolar o espectador.

4 meses, 3 semanas e 2 dias (2007) – após assistir a esse filme, qualquer que seja sua opinião a respeito do aborto, contrária ou a favor, ela vai mudar. Porque esta não é mais uma comédia adolescente, mas um drama que mostra como o processo pode ser traumatizante para a mulher. E os homens dessa história? Bem, “boys” just wanna have fun.

Do jeito que ela é (2003) – essa história de tolerância e aceitação familiar trata as diferenças inconciliáveis do relacionamento entre pais e filhos com a dose certa de emoção e realismo. Se fosse uma letra de música, o filme seria: “você diz que seus pais não lhe entendem, mas você não entende seus pais”.

Fausto (2011) – nessa versão da milenar história de um homem que faz um pacto com o diabo, o homem é um cientista e o diabo é um comerciante. Em meio a diálogos de alta voltagem teoógica, e filmando ora paisagens deslumbrantes ora cenas atordoantes, o cineasta russo Alexander Sokúrov nos diz que o grande mal que assola o homem não é o embate entre ciência e religião, mas o cientificismo que repudia a fé e o amor pelos semelhantes.

O garoto da bicicleta (2011) – um adolescente abandonado pelo pai passa a desenvolver sentimentos extremos de fúria e solidão, manifestando tanto o ódio quanto a vontade de receber afeto. Uma mulher desconhecida passa a visitá-lo no orfanato e acolhê-lo em sua casa. Uma parábola sobre o amor incondicional.

O artista (2011) – um filme mudo sobre os tempos do cinema mudo. É uma proeza técnica o fato de espectadores do século XXI se deliciarem com a inventividade do cinema que, sem dispensar a música, abdica da voz.

Pina (2011) – espetáculo visual impressionante dirigido por Wim Wenders que reencena as revolucionárias coreografias de Pina Bausch, a mulher que trouxe o balé para o risco do cotidiano e lhe deu gestos simples, mas nem por isso menos sofisticados.

A separação (2011) – a princípio, parece apenas ser sobre a vida de um casal em processo de separação no Irã. Mas pouco a pouco começam a entrar aspectos da religião islâmica que vão sendo discutidos sem apontar soluções apressadas. É um painel rico de situações cotidianas e surpreendentes que nos faz perceber como boa parte das encenações familiares filmadas em Hollywood são apelativas, sentimentalóides e fotogênicas.

P.S: Eu já não esperava grande coisa, mas O Espetacular Homem-Aranha deveria se chamar o apenas razoável homem-aranha. Com mudanças forçadas na história, mais coincidências que novela do SBT, teia comprada na Amazon e uma aluna de ensino médio como estagiária-chefe de uma megacorporação, não deu pra engolir esse caça-níqueis. 



Comentários

marcio goncalves disse…
Pieces of April é um dos meus filmes prediletos. As atuações de todos, principalmente da mãe e da filha mais nova, são incríveis.
joêzer disse…
essa é uma pérola que demorei a ver. Patricia Clarkson está realmente incrível.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…