Pular para o conteúdo principal

meus livros e músicas de 2012

Comecei a postar essas listas anuais na época em que comecei o mestrado. Desde então (e ainda agora no doutorado), o tempo para leitura de ficção ficou menor diante das obrigações de leituras acadêmicas e ensaios literários. 

Meus livros do ano:



Beethoven (Lewis Lockwood) – obra de fôlego que analisa a vida e a música do meu compositor preferido há muito tempo,desde as aulas com o mestre Jael Enéas. Os amigos preferiam me ouvir tocando a "Pour Elise", mas meu espírito gostava mesmo era da "Sonata ao Luar".

A reinvenção do mundo: um adeus ao século XX (Jean-Claude Guillebaud) – a nova mentalidade social, a tecnologia, a cultura e nós que vivemos em meio a tudo isso. Para não renunciar à mudança por causa do passado e nem aprovar o novo só porque é o futuro.

A new song for an old world (Calvin Stapert) – nos primeiros séculos do cristianismo, pensadores da estirpe de Clemente de Alexandria, Tertuliano, João Crisóstomo e Agostinho escreveram textos sobre música que ainda são bastante atuais.


Em busca de identidade (George Knight) – um pequeno livro que mostra as tensões teológicas dentro da história do adventismo. Deveria ser obrigatório para aqueles que têm a ilusória certeza de que o pensamento religioso/doutrinário já nasceu pronto e acabado.

Las culturas musicales (Francisco Cruces et. al.) – conjunto de ensaios escritos por pesquisadores essenciais da etnomusicologia. As relações entre antropologia, cultura, sociedade e música favorecem um olhar mais abrangente não apenas sobre a música, mas sobre as sociedades que praticam música.

O livro de areia (Jorge Luis Borges) – só o conto “O Outro” já vale a leitura do livro inteiro, que tem outras pequenas pérolas do grande escritor argentino.

A tentação do cristianismo: de seita à civilização (Luc Ferry & Lucien Jerphagnon) – como uma religião estrangeira seduziu o império romano e mudou aquele mundo. Publicação do debate fascinante entre os dois pensadores.


A selva do dinheiro – reunião de contos sobre o ser humano e o dinheiro. Olha a escalação de escritores: Tolstoi, Tchecov, Poe, Joseph Conrad, Eça, Hawthorne, Dostoiévski, Maupassant, Kafka, Fitzgerald, Gogol, London, Henry James, ...



Meus discos do ano:

Pra Ver o Rei (Curitiba Coral) – melodias fortes, ritmos empolgantes, letras profundamente convictas do sentido de missão. Marcas características do trabalho de Daniel Salles, regente e compositor capaz de simplificar a teologia sem abdicar da poesia.

Princípio e Fim (Leonardo Gonçalves) – um disco autoral sem medo de ser erudito na produção musical e na expressão teológica.

Vida (Joyce Zanardi) – A simplicidade sofisticada, a melodia bonita e despretensiosa: como é bom ouvir uma cantora sem a menor afetação vocal (curiosamente, jovens cantoras Joyce Carnassale e Riane Junqueira têm a voz limpa, sem maneirismos na performance - seria efeito da "escola" do maestro Lineu Soares para a voz feminina? rs).

Europa Konzert from Lisbon – a Filarmônica de Berlim na regência de Pierre Boulez, Maria João Pires ao piano, tocando maravilhas de Ravel, Mozart e Bártok. Deleite puro.

Brasileiro: Villa-Lobos and Friends – com o brilhantismo de sempre, o fenômeno Nelson Freire reconta a trajetória da música para piano de compositores brasileiros.


Leaving Home: Rythm – documentário inglês em que o maestro Simon Rattle fala sobre o ritmo na música orquestral do século XX. A Sinfônica de Birmingham toca trechos de obras de Stravinski, Varèse, Messiaen, Boulez, Mahler e Ligeti. Meus alunos de História da Música agradecem.

Canteiro – Não é “música pra churrasco” (sem preconceito, mas com trocadilho). As rádios podem ter abandonado a finesse e a poesia, mas André Mehmari e seus amigos músicos e letristas insistem em fazer música popular requintada e inteligente.

Arautos do Rei, 50 anos – gravação emocionante do concerto do cinquentenário que traz as vozes e as músicas que fizeram história na música cristã. É mais que flashback. É flashblessing.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta