Pular para o conteúdo principal

não me chamem para torcer contra o Brasil na Copa


Vejo pessoas de bom coração conclamando a nação para que torça contra a seleção brasileira na Copa do Mundo. O nobre objetivo dessa convocação é dar um recado aos políticos de que essa Copa não nos interessa, a menos que hospitais, escolas e policiamento fossem de padrão FIFA.

Mas por essa lógica, se eu já existisse em 1970, eu deveria ter torcido contra Rivelino, Jairzinho, Tostão e Pelé para que o povo brasileiro abrisse os olhos e visse a sanguinolência da ditadura militar.

Peço desculpas, mas não vou engrossar o coro dos contrários. Não me levem a mal. Não sou torcedor de soltar fogos, não choro nem quando meu time perde nem quando ganha. Também não comprei ingressos para a Copa, nem mesmo pra assistir o clássico das mil e uma noites insones Irã x Nigéria, que será aqui no quintal de casa. Quase não sou um torcedor, sou um espectador que gosta de ver um bom espetáculo (seja um filme, um concerto ou uma partida esportiva).

Mas não vou deixar que a arrogância da FIFA, que a petulância dos corruptos, que a má gerência do governo tirem de mim o gosto pelo futebol bem jogado, o raro prazer de assistir um bom espetáculo de futebol, seja do Brasil, da Espanha, da Alemanha, da Holanda, da Argentina (não, da Argentina, não).

Mais ainda: a seleção nacional não é uma propriedade da CBF, embora essa entidade malfazeja pense que é.  A seleção brasileira, com o passar dos tempos e dos títulos, se tornou um símbolo nacional tão inalienável quanto a bandeira e o Hino.

Onde já se viu torcer contra a seleção como se isso fosse uma punição à corja que subtrai nossos mil-réis diuturnamente? Vão querer que eu também rasgue a partitura do hino, que eu queime a bandeira em praça pública como um talibã antiCopa enlouquecido?


Menos, amigos, menos. Não estou satisfeito com os rumos do PT, não vou com a cara do PSDB, e quero distância de assembleias do Psol, mas não quero que o Brasil perca só pra satisfazer o antipetismo do mesmo modo que eu não tomaria um banho demorado como se isso fosse prejudicar o governador Geraldo Alckmin.  

Então, não me chamem pra desligar a TV e ler um livro na hora do jogo do Brasil. Quero estar lúcido e ligado, nem que seja para ver o Brasil perder a Copa. Se os governos fazem uso dos triunfos esportivos para fazer um lifting na sua imagem popular, o que querem que eu faça? 

Querem que eu torça contra o Felipão, contra o Bernardinho, contra a Sheila, contra o César Cielo? Posso não curtir um esporte ou outro, mas vou torcer pela derrota dos meus conterrâneos porque isso supostamente desencantará o povo que, então, movido pelos ideais iluministas, vai torcer e lutar por educação, saúde e emprego com o mesmo empenho com que torcia pela seleção? Me poupem desse antitriunfalismo tão ridículo e romântico quanto o ufanismo.

Eu era um guri de 10 anos quando a geração de Zico, Junior, Falcão e Sócrates frustrou minhas mais doces ilusões de vitória na Copa de 1982. Eu deveria ter torcido contra a seleção porque o país vivia o final dos anos de chumbo da ditadura militar? Eu devia ter pulado e cantado a Marselhesa após a humilhação imposta por Zidane e cia. à seleção canarinho em 1998 só para manchar a reputação do governo FHC? Parei por aqui.

Torcer contra a Copa não vai redirecionar a dinheirama desperdiçada nos estádios e obras eternamente inacabadas. Vou assistir a Copa, vou deixar meu filho torcer e quem sabe se desencantar, vou deixar meus moleques serem felizes ou desiludidos com o futebol por conta deles. 

Nem por isso vou deixar de denunciar a impunidade, de ficar alerta quanto à desonestidade, à má gestão e ao pecado da nossa hipocrisia, que fala mal da FIFA e do futebol mas não se nega a andar de carro pelas obras do (mini)legado da Copa. Fica combinado: não me chamem pra torcer contra o Brasil na Copa.

Comentários

Ezequiel Gomes disse…
Excelente!

Andas na trilha de Paulo meu amigo, e dizes palavras "de verdade de bom senso" (Atos 26:25)

sucesso!
Jose Carlos disse…
se voce quer torcer pra selecao coroar o PT com a taca da Copa do Mundo, dar'lhes mais essa plataforma politica fique a vontade.
Eu conheco o país que nasci, mais de 80% sao ignorantes que acreditam que futebol influi em suas vidas. A unica chance de o PT perder popularidade é o povo cair na real e isso se conseguiria perdendo a Copa. Copas tem muitas outras pela frente, Brasil já tem 5 é mais que suficiente, país mesmo nao tem nenhum! Prefiro que o Brasil PERCA.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta