Pular para o conteúdo principal

a teoria da conspiração acústica



Sabia que a afinação musical em 440 Hz é uma conspiração para nos deixar idiotas? Segundo essa teoria, as estruturas sociais foram abaladas desde que os nazistas (?!) alteraram a frequência de afinação dos instrumentos da nota Lá em 432 Hz para Lá 440 Hz.
E mais: a frequência em 432 Hz estaria conectada com todo o universo, pois as frequências vibratórias dos planetas, estrelas, da água e do corpo humano estão “afinadas” em 432 Hz. Portanto, como agora a afinação está em 440 Hz, estamos todos desconectados do cosmos e sofrendo de desordem mental e distúrbios sociais. É o que dizem várias matérias “científicas”. Haja inspiração holística!
Peguei meu arsenal caça-mitos e fui ver por que essa teoria não se sustenta:
1 - Não há registro histórico de que a afinação mundial algum dia tenha sido em 432 Hz.
Músicos que buscam reproduzir a sonoridade instrumental do século 17 afinam instrumentos em 415 Hz (equivalente ao Lá bemol na afinação moderna de 440 Hz), exceto os órgãos de igreja, que eles afinam em 466 Hz (o Lá sustenido na afinação moderna).
2 - Não foram os nazistas que mudaram a “lei” da afinação dos instrumentos musicais.
Na verdade, em 1858, com o intuito de padronizar a afinação dos órgãos das igrejas, instituiu-se a frequência de afinação em 435 Hz. Em 1926, a indústria musical americana padronizou a afinação em 440 Hz na fabricação dos instrumentos. Em 1936, a American Standards Association, o INMETRO americano, recomendou a afinação em Lá 440 Hz, e em 1955, e depois em 1975, esse sistema recebeu a certificação internacional ISO 16.
3 - Quando se ouve a mesma música tocada com a afinação em 432 Hz e depois em 440 Hz, quase não se percebe a diferença (Ouça "Noite Feliz tocada em 432 Hz e em 440 Hz)
Mas para os defensores dessa teoria da conspiração acústica, essa sutileza faz parte do plano (segundo alguns, dos Iluminatti). Além disso, eles argumentam que, como nosso corpo é constituído de bastante água, essas moléculas estariam sendo afetadas pela nova frequência de 440 Hz, alterando nossa disposição mental.
Como se no passado as pessoas fossem mais ordeiras, gentis e predispostas à paz por ouvir música afinada em 432 Hz!
4 - Uma afinação mais baixa pode ter efeitos psicoacústicos, mas isso não se traduz automaticamente em tranquilidade e "ordem" mental.
O que é mais perceptível é a mudança sutil do brilho e do peso sonoro dos instrumentos. Mas o detalhe é que esse padrão de 440 Hz não é uniformemente seguido no mundo. Vários países usam a afinação em 442 Hz, outros preferem 444, 447, 457.
Do jeito que os números estão subindo, já já essa afinação chega em 666 e aí virá um apocalipse acústico qual nunca se viu antes!
5 - Essa teoria da conspiração psicoacústica reprocessa a antiga crença grega da música das esferas, que se baseia num cálculo das frequências emitidas pelos corpos celestes em movimento.
Especula-se qual o “som” da órbita de cada planeta e aí se espera que essa seja a afinação universal que nos conecta ao cosmos?
Pra terminar, o final do vídeo traz as legendas: “O Lá em 432 Hz é lógico e puro. O Lá em 440 Hz promove o materialismo, a hostilidade e desconecta o ser humano da natureza”. Ou seja, essas coisas horríveis que não existiam na Idade Média!
Sem mais, meretíssimo.

Comentários

LeX disse…
Alem de que cada individuo tem densidade óssea, muscular e etc, diferente; logo no minimo, pra cada um teria que ser uma frequência diferente.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta