Pular para o conteúdo principal

meu filho e eu em A Grande Troca

Uma vez contei a um amigo escritor, Denis Cruz, as agruras do meu filho João Felipe na sua infância intolerante à lactose. Ele descreve essa história na Inspiração Juvenil publicada esse ano pela CASA. Me emocionei ao lembrar do sofrimento que foi aquele tempo, do choro do Jofe nos exames, no garoto que não podia comer o que os outros garotos comiam. Isso me consumia terrivelmente. 
Admito que em meu desespero, eu não orei lá com muita paciência; briguei com Deus mesmo. Já o meu garoto reclamava, claro, mas quase sempre entendia tudo com uma incrível altivez. 
Ficou realista e bonito, Denis. Obrigado.

*****
A grande troca
Quinta, 19 de Fevereiro


Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás. Gênesis 2:17, ARA

João Felipe era um garoto que não podia ingerir qualquer alimento que contivesse leite, como queijos, pizzas ou doces. Seu corpo não desenvolveu a enzima lactase, que é capaz de digerir o açúcar presente no leite. Por isso, ele só podia tomar leite de soja, um alimento que, para uma criança, não é instantaneamente agradável.

Eu conheci Joêzer, o pai de João Felipe, e ele me contou que nos aniversários dos amigos, o garoto não podia comer das várias guloseimas disponíveis. Do bolo da festa, então, nenhum pedaço! Ele tinha que levar o próprio bolo.

João Felipe enfrentou seringas, agulhas, laxantes e remédios. Fez exames de pele, sangue, suor e passou por uma cirurgia. Chorava antes e depois de cada uma dessas intervenções; porém, conseguiu superar tudo isso.

Um dos momentos mais difíceis dessa jornada ocorreu quando esse pequeno herói tinha 11 anos. Para submeter-se a um exame mais sério, ele precisou ficar três dias sem comer. João Felipe só podia beber água. Não podia tomar nenhum suco ou sequer uma sopa.
O pai sofreu com o filho. Foi muito difícil ver seu garoto chorando e querendo se alimentar. Nesse momento difícil, Joêzer refletiu e orou: “Se pudesse, eu trocaria de lugar com ele. Meu Deus, não tem como eu trocar de lugar com meu filho?”

Joêzer não pôde assumir o lugar de João Felipe, mas eu conheço um Pai que assumiu o sofrimento e, inclusive, a morte de Seus filhos.
A humanidade foi condenada à destruição quando Adão e Eva comeram do fruto da árvore proibida (Gênesis 2:17). No entanto, Deus providenciou uma maravilhosa substituição. Por meio de Jesus Cristo, Ele trocou de lugar conosco para que não sofrêssemos a morte eterna. Fez o que o Joêzer e muitos pais que veem seus filhos sofrerem não podem fazer.

Você tem um Deus que morreu em seu lugar, e não há forma melhor para entender isso que ler o texto de João 3:16: “Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o Seu único Filho, para que todo aquele que nEle crer não morra, mas tenha a vida eterna.”


Na história da redenção, o Pai, por intermédio de Seu Filho Jesus, sofreu a morte que merecíamos. Aceite hoje essa grande troca!

*****
Hoje, o Jofe tem 16 anos e está muito bem de saúde e de cabeça. Não resisti e postei esse vídeo de 8 anos atrás, quando meu filho mais velho fazia o barítono, o Jofe fazia o 1º tenor e eu atrapalhava no 2º tenor. Eu brincava chamando o trio de "Dois Filhos de Joêzer":

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…