Pular para o conteúdo principal

meu filho e eu em A Grande Troca

Uma vez contei a um amigo escritor, Denis Cruz, as agruras do meu filho João Felipe na sua infância intolerante à lactose. Ele descreve essa história na Inspiração Juvenil publicada esse ano pela CASA. Me emocionei ao lembrar do sofrimento que foi aquele tempo, do choro do Jofe nos exames, no garoto que não podia comer o que os outros garotos comiam. Isso me consumia terrivelmente. 
Admito que em meu desespero, eu não orei lá com muita paciência; briguei com Deus mesmo. Já o meu garoto reclamava, claro, mas quase sempre entendia tudo com uma incrível altivez. 
Ficou realista e bonito, Denis. Obrigado.

*****
A grande troca
Quinta, 19 de Fevereiro


Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás. Gênesis 2:17, ARA

João Felipe era um garoto que não podia ingerir qualquer alimento que contivesse leite, como queijos, pizzas ou doces. Seu corpo não desenvolveu a enzima lactase, que é capaz de digerir o açúcar presente no leite. Por isso, ele só podia tomar leite de soja, um alimento que, para uma criança, não é instantaneamente agradável.

Eu conheci Joêzer, o pai de João Felipe, e ele me contou que nos aniversários dos amigos, o garoto não podia comer das várias guloseimas disponíveis. Do bolo da festa, então, nenhum pedaço! Ele tinha que levar o próprio bolo.

João Felipe enfrentou seringas, agulhas, laxantes e remédios. Fez exames de pele, sangue, suor e passou por uma cirurgia. Chorava antes e depois de cada uma dessas intervenções; porém, conseguiu superar tudo isso.

Um dos momentos mais difíceis dessa jornada ocorreu quando esse pequeno herói tinha 11 anos. Para submeter-se a um exame mais sério, ele precisou ficar três dias sem comer. João Felipe só podia beber água. Não podia tomar nenhum suco ou sequer uma sopa.
O pai sofreu com o filho. Foi muito difícil ver seu garoto chorando e querendo se alimentar. Nesse momento difícil, Joêzer refletiu e orou: “Se pudesse, eu trocaria de lugar com ele. Meu Deus, não tem como eu trocar de lugar com meu filho?”

Joêzer não pôde assumir o lugar de João Felipe, mas eu conheço um Pai que assumiu o sofrimento e, inclusive, a morte de Seus filhos.
A humanidade foi condenada à destruição quando Adão e Eva comeram do fruto da árvore proibida (Gênesis 2:17). No entanto, Deus providenciou uma maravilhosa substituição. Por meio de Jesus Cristo, Ele trocou de lugar conosco para que não sofrêssemos a morte eterna. Fez o que o Joêzer e muitos pais que veem seus filhos sofrerem não podem fazer.

Você tem um Deus que morreu em seu lugar, e não há forma melhor para entender isso que ler o texto de João 3:16: “Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o Seu único Filho, para que todo aquele que nEle crer não morra, mas tenha a vida eterna.”


Na história da redenção, o Pai, por intermédio de Seu Filho Jesus, sofreu a morte que merecíamos. Aceite hoje essa grande troca!

*****
Hoje, o Jofe tem 16 anos e está muito bem de saúde e de cabeça. Não resisti e postei esse vídeo de 8 anos atrás, quando meu filho mais velho fazia o barítono, o Jofe fazia o 1º tenor e eu atrapalhava no 2º tenor. Eu brincava chamando o trio de "Dois Filhos de Joêzer":

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta