Pular para o conteúdo principal

NO PAÍS DOS FRANCISCOS


Você conhece alguém que não gosta do Chico Buarque? Porque do Caetano... Se este possui todos os predicados para ser odiado na mesma medida em que é amado, o autor de "A Banda" foi bafejado ao nascer pela soma de todas as qualidades. Senão, vejamos:

O homem nasce neto de general e filho de sociólogo, aliás, não somente um sociólogo, mas "o" sociólogo Sérgio Buarque de Hollanda, pioneiro no estudo dos Brasis do homem cordial. Estudante de Arquitetura no Rio, mal sabia tocar violão e aquele imitador barato de João Gilberto vence um Festival cantando e vendo A Banda passar.

Eleito a única unanimidade brasileira da época, passaria de herói a vilão em pouco tempo, o que, tendo por inimigo os generais golpistas só pode mesmo enriquecer um currículo. O moço é imcompreendido pela massa leninista-trotskista-guevarista quando se junta à Tom Jobim e escrevem "Sabiá". E, blasfêmia das blasfêmias, vencem o refrão "quem sabe faz a hora não espera acontecer" de Geraldo Vandré. Júri de festival até quando acerta, erra. Era só eleger a convocação de Vandré que se evitava toda aquela vaia ao maior músico que esse país já teve (você escolhe se é Chico ou Tom).

Depois, casou com Marieta, ficou amigo de Vinícius, andava com Gil e Caetano, escreveu peça censurada, peça infantil de sucesso, romances e letras e canções do quilate de "Apesar de Você", "Construção", O que será", "Vai passar", "Paratodos", "A ostra e o vento","Mulheres de Atenas", ...

Pra completar tem olhos verdes, é tímido, inteligente, enfim, o genro que a sogra quer ter sempre por perto (bem perto, diga-se) e de quem todo homem quer ser amigo (nem que seja pra vigiá-lo).

Por último, no país dos franciscos (Chiquinha Gonzaga, Francisco Alves, Chico César, Chico Science,...), Francisco Buarque de Hollanda da alta roda tornou-se Chico e foi ser o gauche mais certinho do mundo.

Comentários

esqueceu dos dois filhos de francisco!

hehe
Anônimo disse…
Apesar de toda contribuição que Chico Buarque e outros Franciscos deram a música brasileira, há quem não goste de suas músicas,mas creio que esse número de pessoas é pequeno.Ainda bem!
Anônimo disse…
so uma pessoa com alma realmente brasileira e talentosa para escrever cálice,cale-se em plena ditadura militar!cidinha

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta