Pular para o conteúdo principal

O TODO-PODEROSO

Há algum tempo me contaram uma história sobre um homem dos tempos do Velho Testamento que era tido como fiel e temente ao Deus Jeová. Certo dia, esse homem recebeu em sua tenda um viajante cansado e idoso, como são descritos alguns homens do Livro do Gênesis. Mas, como um desses homens do Gênesis, o viajor era também um homem de fibra e vigor, o que ficou claramente demonstrado quando, numa conversa com o anfitrião, contestou a existência de Deus, o Deus ao qual o senhor da tenda era leal. Irritado com a recusa daquele ancião em acreditar no Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, o anfitrião, também um homem de fibra, demonstrou claramente o seu vigor expulsando o hóspede de sua tenda e rogando-lhe uma dezena de pragas.

À noite, Deus veio em sonho até o homem que acreditava nEle e lhe disse: "Meu filho, você julgou e condenou aquele ancião em uma noite. Durante 80 anos aquele homem tem Me negado, Me vilipendiado com seus atos e palavras, mas Eu não tirei o seu direito à vida."

Após assistir o filme Todo-Poderoso, essa história me veio à mente. Durante 100 anos, os cineastas têm criado as mais diversas imagens do Deus dos cristãos, e Hollywood, por enquanto, segue intacta. O conceito que o cinema faz de Deus assume todas as formas e os mais variados propósitos. Ora evangelístico em Rei dos Reis e A Maior História de Todos os Tempos, ora kitsch em Os 10 Mandamentos, irônico em O Céu Pode Esperar, emocionalista em A Paixão de Cristo. Ou ainda ser atacado como o próprio anticristo, como foi o caso de A Última Tentação de Cristo (embora eu creia que anticristo e anticinema tenha sido Alanis Morrissette como Jeová em Dogma).

Todo-Poderoso assume um conteúdo inédito até então: Deus fazendo compreender Sua onisciência e divina providência através do arrependimento de um pecador. No caso, o pecador contumaz é vivido por Jim Carrey, um comediante segundo o coração de Hollywood, ora transgredindo em Debi e Lóide ora redimindo-se em O Show de Truman.

Roteiristas não são os melhores estudantes da Bíblia, e isso transparece no incômodo tom de paródia do início do filme. Mas essa impressão vai se desfazendo ao longo da história, seja porque os personagens abrem o coração em sinceras orações e não por meio de rezas e vãs repetições, seja porque há reconhecimento dos erros, arrependimento e mudança de atitude do personagem principal, seja porque grandes verdades podem ser reveladas também em certas alegorias cinematográficas.

O filme toca numa tentação recorrente na história do homem: a pretensão humana de achar que faria tudo melhor do que Deus. Assim, ele distribuiria em doses fartas e eqüitativas a riqueza e a saúde, pondo um fim à fome e à violência. Como se os problemas da humanidade fossem apenas de ordem econômica, esquecendo-se da falência moral dos habitantes desse planeta. No conto O santo que não acreditava em Deus, há uma frase desconcertante que diz que o ser humano sempre acha que ser Deus é fácil, “mas não acerta fazer nem uma tabela de campeonato”. E assim segue a velha toada humana: largamos tudo por conta de Deus, e O culpamos por não resolver as coisas ao nosso modo, ou tomamos Seu lugar e tentamos criar um mundo a nossa imagem e semelhança.

Quando o personagem de Jim Carrey se desespera e diz que não tem poder para solucionar os problemas, ele ouve de Deus (na voz de Morgan Freeman): “Sim, você tem poder”. A frase é dita sem afetação, sem o vozeirão tonitruante de Cid Moreira, mas com um afeto e um olhar que transmitem segurança. Quanta miséria e dor poderiam ser evitadas se as pessoas tomassem consciência de que têm nas mãos oportunidades diárias de mudar a sociedade, começando a mudança por si mesmas. Há muita gente que acredita que não tem capacidade de resolver problemas e se afunda na auto-comiseração ou no desperdício. Quando pararmos de amesquinhar nosso tempo, nosso talento e nosso tesouro e aliarmos a capacidade humana ao poder divino, veremos o quanto podemos fazer nAquele nos fortalece.

Por fim, fico com a imagem de Morgan Freeman em Todo-Poderoso: nunca o cinema conseguiu reunir em uma mesma pessoa a sabedoria clara, a soberania humilde, a simplicidade nobre, a bondade sem condescendência. É uma imagem de Deus que eu também tenho comigo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta