Pular para o conteúdo principal

7 MARAVILHAS OU 7 ERROS?


A foto acima é o clichê paisagístico do turismo brasileiro. E é muito provável que a função de mirante, e não a engenhosidade da construção, também tenha contribuído para a eleição da estátua do Cristo Redentor como uma das 7 novas maravilhas do mundo.

A rigidez da estátua, que reune no mesmo ato de abrir os braços tanto a benção como o sacrifício , é levemente disfarçada pelo drapeado da vestimenta, mas ainda assim, há demasiada fixidez no monumento. Vista como nessa foto, ganha em significado mas perde em beleza própria, tornando-se pequena em meio a grandiosidade do relevo natural. Na verdade, algumas canções acabaram fixando o imaginário de beleza da construção no mundo todo, principalmente o Tom Jobim de Cristo Redentor, braços abertos sobre a Guanabara ou Da janela vê-se o Corcovado, o Redentor, que lindo (esta, com letra de Newton Mendonça).

Li a notícia sobre a tal "farsa das 7 maravilhas". Tudo bem que se pode desconfiar, às vezes até paranoicamente, de tudo. Mas não lhe parece um tanto estranho que a tal farsa tenha sido "descoberta" por espanhóis, franceses, gregos e alemães. Todos estes, de países que ficaram de fora da lista final das 7 maravilhas.

Ora, qualquer lista que se preze de forma alguma pode ser fidedigna. Qualquer lista representa uma opinião que nunca representará a maioria, por estranho que isso pareça. Há interesses de instituições e pessoas por trás, é claro, mas isso é o que faz uma lista ser o que é - é só lembrar da convocação oficial que apelava ao coração carioca-patriota que bate no peito desafinado do brasileiro que não desiste nunca.

E se a torre Eiffel e o castelo espanhol, as colunas gregas e o castelo alemão, todos tivessem ficado entre as 7 maravilhas eleitas? Ainda haveria denúncia de farsa, de histeria coletiva nacionalista?

A despeito da legitimidade ou não da tal lista - e podemos lembrar que a lista das 7 maravilhas do mundo antigo também é só uma lista, - o queixume das partes reclamantes deixa transparecer o velho eurocentrismo de guerra (o que no velho mundo quer dizer guerra mesmo).

Assim como eurocêntrica é a soberba alemã noticiada em jornal: "se o castelo Neuschwanstein fosse eleito, o gosto mundial estaria mais refinado". Ou seja, se mais monumentos ao "bom gosto" europeu fossem eleitos, e não essas "heresias arquitetônicas" como as ruínas de Petra, Macchu Picchu ou pirâmides maias (Valei-nos, São Cristóvão Colombo!), isso seria uma prova de que "The Civilization" e "Der Kultur" teriam prevalecido sobre a evidente ausência de pendores artísticos destes povos não-crismados. Assim, a colonização, a aculturação e o morticínio finalmente teriam valido a pena, e o arianismo contra asiáticos e latinos (pra eles somos todos chinas e cucarachas), teria vencido mais uma vez.
Não votei, mas minha lista seria diferente também. Mas, convenhamos, esse choro europeu só revela que, se a lista é uma farsa virtual, a dor-de-cotovelo é muito real.

Comentários

anderson disse…
também não votei na lista. e é verdade que o governo brasileiro deu uma forçada de barra nessa eleição do Cristo. e agora é correr atrás dos dividendos.
ângelo mendes disse…
Leiam a declaração da ministra do turismo e do relaxamento, Marta Suplicy. Ela disse até que a subida do Lula até a estátua, atraiu a atenção mundial e foi fundamental para a eleição. Pra completar, ainda disse que isso gerou 250 mil empregos. Hã? 250 mil novos empregos?
robson disse…
com essa da marta eu concordo com o que disse o marcelo coelho na coluna dele na folha: se o Cristo é uma das 7 maravilhas, o Lula é a 8ª maravilha do mundo...

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta