Pular para o conteúdo principal

7 MARAVILHAS OU 7 ERROS?


A foto acima é o clichê paisagístico do turismo brasileiro. E é muito provável que a função de mirante, e não a engenhosidade da construção, também tenha contribuído para a eleição da estátua do Cristo Redentor como uma das 7 novas maravilhas do mundo.

A rigidez da estátua, que reune no mesmo ato de abrir os braços tanto a benção como o sacrifício , é levemente disfarçada pelo drapeado da vestimenta, mas ainda assim, há demasiada fixidez no monumento. Vista como nessa foto, ganha em significado mas perde em beleza própria, tornando-se pequena em meio a grandiosidade do relevo natural. Na verdade, algumas canções acabaram fixando o imaginário de beleza da construção no mundo todo, principalmente o Tom Jobim de Cristo Redentor, braços abertos sobre a Guanabara ou Da janela vê-se o Corcovado, o Redentor, que lindo (esta, com letra de Newton Mendonça).

Li a notícia sobre a tal "farsa das 7 maravilhas". Tudo bem que se pode desconfiar, às vezes até paranoicamente, de tudo. Mas não lhe parece um tanto estranho que a tal farsa tenha sido "descoberta" por espanhóis, franceses, gregos e alemães. Todos estes, de países que ficaram de fora da lista final das 7 maravilhas.

Ora, qualquer lista que se preze de forma alguma pode ser fidedigna. Qualquer lista representa uma opinião que nunca representará a maioria, por estranho que isso pareça. Há interesses de instituições e pessoas por trás, é claro, mas isso é o que faz uma lista ser o que é - é só lembrar da convocação oficial que apelava ao coração carioca-patriota que bate no peito desafinado do brasileiro que não desiste nunca.

E se a torre Eiffel e o castelo espanhol, as colunas gregas e o castelo alemão, todos tivessem ficado entre as 7 maravilhas eleitas? Ainda haveria denúncia de farsa, de histeria coletiva nacionalista?

A despeito da legitimidade ou não da tal lista - e podemos lembrar que a lista das 7 maravilhas do mundo antigo também é só uma lista, - o queixume das partes reclamantes deixa transparecer o velho eurocentrismo de guerra (o que no velho mundo quer dizer guerra mesmo).

Assim como eurocêntrica é a soberba alemã noticiada em jornal: "se o castelo Neuschwanstein fosse eleito, o gosto mundial estaria mais refinado". Ou seja, se mais monumentos ao "bom gosto" europeu fossem eleitos, e não essas "heresias arquitetônicas" como as ruínas de Petra, Macchu Picchu ou pirâmides maias (Valei-nos, São Cristóvão Colombo!), isso seria uma prova de que "The Civilization" e "Der Kultur" teriam prevalecido sobre a evidente ausência de pendores artísticos destes povos não-crismados. Assim, a colonização, a aculturação e o morticínio finalmente teriam valido a pena, e o arianismo contra asiáticos e latinos (pra eles somos todos chinas e cucarachas), teria vencido mais uma vez.
Não votei, mas minha lista seria diferente também. Mas, convenhamos, esse choro europeu só revela que, se a lista é uma farsa virtual, a dor-de-cotovelo é muito real.

Comentários

anderson disse…
também não votei na lista. e é verdade que o governo brasileiro deu uma forçada de barra nessa eleição do Cristo. e agora é correr atrás dos dividendos.
ângelo mendes disse…
Leiam a declaração da ministra do turismo e do relaxamento, Marta Suplicy. Ela disse até que a subida do Lula até a estátua, atraiu a atenção mundial e foi fundamental para a eleição. Pra completar, ainda disse que isso gerou 250 mil empregos. Hã? 250 mil novos empregos?
robson disse…
com essa da marta eu concordo com o que disse o marcelo coelho na coluna dele na folha: se o Cristo é uma das 7 maravilhas, o Lula é a 8ª maravilha do mundo...

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…