Pular para o conteúdo principal

ARAUTOS DO REI: Aqui é seu Lugar


Quando o compositor Jader Santos promoveu a mudança de maior impacto na história do quarteto Arautos do Rei com o CD “Eu não sou mais eu”, talvez não imaginasse que este histórico grupo vocal masculino, para manter-se na altitude musical a que o próprio compositor o conduziu, teria que aparentemente recuar na linha evolutiva da música adventista no Brasil.

Como explicar, então, o suposto passo atrás que teriam dado com o CD “Aqui é seu lugar”? O líder musical não é o jovem Silmar Correia? Os integrantes não são os mais jovens da história do grupo?

Porém, o que parece um recuo ao tradicionalismo e ao museu obsoleto da hinologia protestante, na verdade, é um dos maiores saltos de qualidade dados pela música cristã brasileira.

A “revolução sem grito” de Silmar e Evaldo Vicente oferece sutilezas só perceptíveis em audições sucessivas. A mudança não está em primeiro plano, como geralmente se nota em alguns CDs que buscam a modernização de repertório a qualquer custo.


A sequência de músicas segue uma coerência temática ou narrativa. “Aqui é seu lugar” é o convite manso e gentil; a música “Foi por mim” relembra o significado da cruz do Calvário a “mim”, mas não exclui o “foi por ti”; depois vem “Portas abertas”, saindo do Gólgota para a igreja moderna, que deve ser um lugar de aconchego e promessa confortadora. Afinal, ali é o “seu lugar” já mencionado.

Paz é a palavra-chave do planeta para o 3º milênio. E a canção ‘Paz’ responde ao apelo atual com cinco certezas muito necessárias ao cristão: a volta de Jesus (paz é a certeza de que Cristo irá voltar); a vida eterna (paz é a segurança de que o céu é nosso lar); a validade do sacrifício vicário de Cristo na cruz (paz é ter na cruz os pecados perdoados); Cristo ressuscitado conosco (paz é ter Jesus caminhando ao nosso lado); e, acesso ao Senhor da Paz (paz é Jesus). Na era da insônia e da depressão, essa canção também rememora as Escrituras (‘Em paz me deito e logo pego no sono, porque Tu, Senhor, estás comigo’) no verso moderno de Valdecir Lima (essa paz restaura o sono e afasta a ansiedade).

Assim, como as portas foram abertas para mostrar o senso de pertencimento a um lugar, para ressaltar o sentido da cruz e para apontar a saída de paz para o homem, vem então o convite ao louvor na música seguinte: “Salmo 103”. A letra assegura que o louvor não é um ato de petição, mas uma resposta aos atos salvadores de Deus.

O letrista (Valdecir Lima) também substitui o eu-lírico, o narrador em 1ª pessoa, pelo “nós”. Ou seja, os feitos de Deus são direcionados ao indivíduo singular, porém a adoração e o louvor partem de uma coletividade plural beneficiária das ações divinas.

Muitas vezes, o papel da lei e da graça na vida cristã não é imediatamente compreendido. As faixas 7 (“A Tua Lei’), e 8 (“Graça”), valorizam tanto a lei quanto a graça, num equilíbrio bem significativo.

Desde Hamurábi, desde os Dez Mandamentos, o contrato social firmado nas constituições, nos códigos e nas leis costuma ser fixado, digamos, em material não-perecível. Visto que a cultura oral pode ser vítima de adições e subtrações legislativas elaboradas segundo a memória curta de cada geração, passou-se à cultura letrada a fim de se perenizar a regulamentação das condutas humanas. Não que a forma rígida (pedra, papel ou CD-ROM) seja capaz de evitar a alteração das regras, mas que seja pelo menos aplicativa enquanto dure.

Assim, a lei de Deus continua a mesma. Contudo, os homens foram subtraindo partes e adicionando contrapartes ao sabor de suas tradições inventadas. A canção “A Tua lei” não vê a lei de Deus como algo ultrapassado ou um fardo pesado. Ao contrário, enxerga a lei como: a mais bela expressão do Teu coração/É Teu próprio caráter; reflete a grandeza e a Tua beleza; perfeita, como Tu és perfeito; tem a verdade e os princípios do amor. A canção usa a própria Bíblia (a cultura letrada) para a afirmação de amor à lei (os salmos 19: 7,8; e 119: 1, 16, 47, 105, 151).

Se os autores de “A Tua Lei” têm a palavra bíblica como fonte da exaltação da lei divina, Daniel Salles, o jovem compositor de “Graça” se serve da experiência humana para exaltar a graça divina.

“A Tua lei” tem rica orquestração de cordas – mais uma tapeçaria orquestral tecida por Ronnye Dias. Por sua vez, “Graça” usa os vocais fortíssimos e as notas mais agudas no refrão e faz uma citação instrumental do hino “Graça Excelsa (Amazing Grace)”.

Esse é um CD que tem muita substância para estudos mais meticulosos, e um blog como este não dá conta, mesmo alongando-se e contando com a boa vontade do leitor. Por isso, obrigado, porque até aqui o Senhor lhe deu paciência para ler estas mal traçadas.

Mas não posso deixar de comentar a música “Eu quero olhar”, de Jader Santos. Leia aqui.


Comentários

Jayme Alves disse…
Gostaria de parabenizá-lo pela corajosa e necessária iniciativa de tecer comentários que discutem de maneira mais rica e profunda a música adventista brasileira (fugindo das platitudes benevolentes que invariavelmente acompanham a recepção desta). A respeito do comentário sobre o álbum mais recente do Arautos do Rei, devo dizer que não compreendi a sua afirmação de que a letra "A Tua Lei" "abdica da rima". Na verdade, podemos encontrar inúmeros tipos de rimas (toantes, consoantes, internas, cruzadas, emparelhadas...) no corpo da letra. Alguns exemplos:
passos/lábios; Senhor/louvor; Lei/esquecerei/estarei/ expressão/coração; grandeza/beleza; Senhor/amor etc. Além disso, embora admire o rigor da letra de "A Tua Lei", penso que os versos de "Graça" - fruto da pena de Daniel Salles, possivelmente o jovem compositor adventista mais importante na atualidade (basta ver a freqüência com a qual o seu nome aparece no encarte dos álbuns recentes de nomes bastante conhecidos: Arautos, Novo Tom, Iveline, Coral Unasp, Társis, Leonardo Gonçalves...) - possuem mais frescor e ousadia (questão de gosto literário, admito). Espero que possa continuar a desfrutar da leitura de comentários capazes de enriquecer nossa experiência auditiva, como são os seus. Fique com Deus e até mais.
Jayme Alves disse…
O meu e-mail é jam58@ig.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta