Pular para o conteúdo principal

Everybody loves Ricardo Teixeira


O Brasil vai sediar a Copa do Mundo de futebol de 2014. Isso é bom, ruim ou muito pelo contrário? Entreouvido numa conversa dentro de um ônibus: “Pra quê o Brasil vai gastar construindo estádio se nem tem hospital público decente?”. Auscultado no cérebro do pensador em busca de uma ideologia pra viver: “Vão retirar o pão do povo para lhe financiar o circo”. Como ninguém escuta mesmo a voz afônica das ruas, voltemos no tempo que uma pitadinha histórica não faz mal a ninguém.

A teoria conspiratória: na final da Copa do Mundo de 1998, nossa seleção tomou um passeio da França, anfitriã e campeã. Très bien, 3 x 0, eram tempos em que Zidane usava a cabeça pra fazer gols (aliás, dois gols dele nessa final). Mas a arrogância francesa se bandeou pros lados tupiniquins e se espalhou a seguinte e escalafobética teoria: Ronaldo e Cia. entregaram o jogo porque a CBF tinha um acordo com a Nike, a Adidas e a FIFA, no qual a humilhação nacional seria recompensada com a escolha do Brasil como sede de uma Copa do Mundo. Afinal, aqueles filhos de Asterix não ganhariam nunca de novo da gente!

Como fica difícil crer que Dunga e Leonardo ou Zico e Zagallo aceitassem um trato dessa espécie (se fossem 10 Ricardos Teixeiras e 1 Eurico Miranda, vá lá), na Copa de 2006, eis que Zidane está em campo de novo contra o Brasil e contra Ronaldo (pra piorar, agora são dois Ronaldinhos). Claro, nossa empáfia levou outro baile dos franceses. Novamente, veio à tona a teoria: perdemos para ganhar a Copa de 2014. Tudo isso para não se admitir que os pentacampeões do mundo são fregueses dos gauleses.

Como se viu nessa semana, o rodízio de continentes fez com que 2014 fosse a vez da América do Sul. E como não há páreo de verdade nessa parte do mundo, a escolha do Brasil era óbvia. Disputando apenas consigo mesmo, o país ganhou o direito de sediar uma Copa do Mundo outra vez. Mas, quem são esses que querem pôr a pátria de chuteiras e de ingresso de cambista na mão?

Ora, na euforia global pela conquista brasileira, poucos viram o “vôo da alegria”, que levou dezenas de governadores e ministros para a Suíça a reboque do presidente. Não o Lula, mas Sua Majestade, o presidente da CBF Ricardo Teixeira. Ele que escapou de uma CPI contra si e que comandou um escrete de deputados para defenestrar outra CPI que investigaria a negociata MSI/Corinthians, agora é bajulado pelos donatários estatais e federais que querem levar jogos da Copa de 2014 para seu terreiro. Assim, começou o beija-mão, o pega-na-chaleira* outra vez.

Em 2014, até Lula pode se candidatar a um terceiro mandato não-consecutivo e se eleger de “novo com a força do povo”, já que no Brasil a eleição pra presidente é casadinha com as Copas do Mundo. Aliás, a Casa Branca quando quer esconder as mazelas oficiais, planta uma guerra qualquer. O Brasil, quando precisa ocultar as inconveniências políticas, aproveita a euforia da Copa.

Foi assim com Getúlio, que baixava o sarrafo nos esquerdistas enquanto o povo celebrava os feitos de Leônidas da Silva na Copa de 1938 (Getúlio, porém, não pôde evitar a derrota do Brasil para o Uruguai em pleno Maracanã na Copa de 1950 e o resto é história); foi assim com Médici, que sumia com os esquerdistas enquanto o Brasil festejava o tri-campeonato mundial em 1970 (a Argentina, em 1978, aproveitou pra fazer o mesmo com a oposição; dessa vez, como não há esquerda nem no poder nem na oposição...

Então, um viva aos superfaturamentos de sempre na preparação da infra-estrutura da Copa, um hip-hurra às formações de quadrilha pra sumir com o dinheiro dos estádios. Enquanto a população vai viver sete anos de festeira expectativa, os apaniguados do poder vão viver sete anos de fartura até 2014 e, desde já, rezam agradecidos: “Deus lhe pague, Ricardo Teixeira! Mas não esqueça dos nossos 15%!”. Everybody loves Ricardo Teixeira.

* a expressão “pega na chaleira” vem da canção "No Bico da Chaleira" (1909), de Juca Storoni, e referia-se ironicamente aos políticos aduladores do senador gaúcho Pinheiro Machado que se prestavam a pegar na chaleira de água quente para servir a bomba de mate do chimarrão do senador: "Iaiá, me deixa subir a ladeira / eu sou do bloco que pega na chaleira".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta