Pular para o conteúdo principal

Cap. Nascimento: nascido para matar?


Fascista, apólogo da tortura, defensor do estado policialesco. De todos esses nomes o Capitão Nascimento (em foto menos badalada ao lado), personagem do filme Tropa de Elite, já foi chamado. A crítica se dividiu. Uma parte enxergou o ditador Mussolini como diretor do filme, dada a sua suposta justificação da supressão de direitos pelo Estado. Outra parte concordava com a crítica do filme ao filósofo Michel Foucault e sua classificação do aparato ideológico do Estado. Que lado está certo? Há um lado certo, pelo menos?

Os que chamaram o filme de fascista demonstram desconhecer o que é arte fascista, segundo seus opositores. Qualquer arte subvencionada pelo totalitarismo, seja fascista, nazista, maoísta, revelaria um fascínio pelo exibicionismo físico, um apelo ao nacionalismo e um culto à personalidade. Porém, esses três fatores conjugados estão muito mais reforçados em filmes como Coração Valente, 300 ou qualquer patriotada protagonizada por Chuck Norris e Sylvester Stallone nos anos 80.

Em Coração Valente, Mel Gibson faz do herói escocês uma máquina mortífera que contribui para a mitificação (e culto) de William Wallace, um homem simples que apela aos instintos de nacionalismo de seus homens para defender sua terra. Mas é fascista? Em 300, a Batalha das Termópilas vira um desfile de escola de samba com suas deturpações históricas em favor do enredo e com sua folclorização dos persas de acordo com uma mentalidade anti-oriental ou anti-árabe. Isso está mais próximo de uma arte que se poderia chamar fascista, embora a insistência em enquadrar os peitorais malhados dos soldados esteja mais para homoerotismo que para fascismo.

Comparou-se o Cap. Nascimento e sua violência com o John Rambo de Stallone. Rambo se arma na selva para capturar e executar os opositores do regime norte-americano sejam eles capitalistas ou não (no terceiro filme da série, Rambo vai ao Afeganistão enfrentar os comunistas e não Bin Laden, já que este ainda era aluno na escolinha de Tio Reagan). Por sua vez, o Cap. Nascimento se arma na selva de pedra para capturar e executar os traficantes, estejam eles no morro ou nos apartamentos.

O que alguns críticos notaram é que em Tropa de Elite há manifestação da brutalidade policial, mas ela não viria acompanhada de exibicionismo ou gratuidade. As cenas, em geral, são noturnas e escuras e parecem assinalar as trevas morais que circundam as ações de traficantes e policiais. O tratamento brutal é dispensado tanto às gangues do morro quanto aos estudantes endinheirados que freqüentam as universidades particulares, e o que é pior, matriculados nos cursos de direito.

Também não há no filme um apelo ao nacionalismo. Aliás, a guerra é contra a corrupção policial e a devassidão ética. É aqui que o diretor José Padilha precisou tomar partido. Caracterizando a polícia civil como quase que exclusivamente corrupta, o filme distingue o Bope como um batalhão policial formado por homens de retidão moral. Porém, esses mesmos homens mostram-se divididos quanto à extensão da brutalidade que vai dominando cada vez mais as ações do Cap. Nascimento, chefe das operações anti-tráfico.

As provas para a seleção dos candidatos ao BOPE são cruéis e humilhantes e se assemelham aos testes brutais do filme de Stanley Kubrick, Nascido para matar. Nesse filme, os recrutas passam por privações e provas que supostamente os tornariam aptos a encarar o front de batalha, no caso, o Vietnã. O título do filme em português (que deixou de lado o original, Full metal jacket) viria melhor com um ponto de interrogação no final. Porque, na verdade, observa-se que, apesar do intenso preparo para a guerra, nunca se está realmente preparado para o enfrentamento e o filme parece perguntar: o homem está pronto para a adversidade na guerra? O homem nasceu para matar, para tirar a vida de seus semelhantes por causa da desavença de seus líderes?

A demonstração de que o Cap. Nascimento não nasceu para matar advém do recrudescimento de seu descontrole durante as ações, da gradual insatisfação familiar com sua profissão e seus métodos de ação e da intensificação da violência nos interrogatórios (qual o método sem contra-indicações para conseguir informações vitais em situações-limite? Quando se pode dizer que uma dada circunstância é uma situação-limite?)

Houve parte do público que aplaudiu as cenas de tortura e execução. Mas, alguns críticos perceberam que esse público não teve capacidade de compreender o filme um pouco além do thriller bem-feito que aparenta ser. Isto é, Tropa de Elite não é nenhum tratado de sociologia, mas ao revelar os paradoxos de uma classe média-alta que sustenta o tráfico (crise moral coletiva) e as contradições de um policial à beira de um ataque de nervos (crise moral individual), demonstra que as discussões sobre direitos humanos estão permeadas de sociologismo barato – na desclassificação do dever policial – e que a instituição de defesa do cidadão, a polícia, de tal forma brutaliza seus homens, que estes, que não podem reconhecer a si como seres humanos, nunca poderão reconhecer o outro como semelhante também.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…