Pular para o conteúdo principal

Hamilton de Holanda: o mundo não acabou


Encerramento da oficina de música de Curitiba. Guaíra lotado para ver música instrumental brasileira. No bandolim, Hamilton de Holanda. E o mundo não acabou. Já explico.

Quantas expressões artísticas podem oferecer tamanha fonte de satisfação como oferece um grupo de bons músicos dispostos a reencantar o mundo? Quantos músicos são capazes de, sem dizer uma palavra, fazer a gente assistir um espetáculo com um sorriso no rosto?

Hamilton de Holanda e seu bandolim carregam a saudade e a tristeza pra lá, dedilhando, girando, tocando. Tanta técnica, mas tanta ternura. Tanto virtuosismo, mas tanta singeleza. A certa altura de uma música, o incrível batera Marcio Bahia entorna o caldo do samba sestroso e, aliados ao baixista André Vasconcelos, todos espancam seus instrumentos como num metal rock estremecedor. Parafraseando Luis Fernando Veríssimo, o músico às vezes precisar fazer isso com seu instrumento que é pra mostrar quem é que manda.

Hamilton conta que essa música nasceu numa noite de domingo de chuva torrencial quando também recebeu um e-mail com fotomontagens de tsunamis sobre as praias do Rio. Passada a chuva e o susto, como se fosse um Noé que sabe que o mundo não iria mais acabar à base de dilúvio, compôs "O mundo não acabou".

O espaço para o improviso, para a brincadeira, para a fraternidade entre os músicos. Vi e ouvi excelentes músicos se comunicando, trocando notas e afeto. Todo o afeto que se encerra num show de grande música. Num desses espaços, um músico cuja profissão e nome são uma aliteração: o gaitista Gabriel Grossi. A gaita, ou harmônica, geme, chora, grita, passeia por toda a tessitura impossível. Mas, como no show inteiro, o choro e o grito são de alegria. De solar alegria brasileira, e não de um anoitecido blues americano.

O que já está muito bom pode ficar melhor? É difícil. Mas não quando o convidado é simplesmente Jacques Morelembaum. Meus olhos caboclos não acreditavam no que viam. Aos primeiros toques de "Passarim", de Jobim, percebi que o negócio era de verdade. Tem coisas que ver não basta. Só ouvindo pra crer.

Se o show já estava num ápice supremo, com a entrada de Renato Borghetti a noite se completou. Sim, a noite é mesmo uma criança. Mas não uma criança que insiste em não dormir - porque raios os bebês tem que chorar quando querem dormir? Não era só fechar os olhos, criatura? Uma criança feliz é o que viramos quando a gaita, ou bandoneón para outros, de Borghetti começou o fole da felicidade geral da platéia. Agora entendi: se não nos tornarmos como crianças, ninguém é capaz de entrar na terra da música bem-aventurada.

Os violonistas Daniel Santiago e Artur Bonilha (não sei se é assim que se escreve o nome dele; também não sei se ele é gaúcho. Mas os gordinhos gaúchos de mão redonda parecem ser excepcionais, vide o gaúcho Yamandú) compartilharam com todos a irmandade festiva dos finais de espetáculo musical. A platéia se sente no palco. Os músicos do palco nos dão boa-noite e agradecem. Que é isso, senhores? Eu é que agradeço. Agradeço principalmente porque o mundo ainda não acabou.

Comentários

reverendo disse…
fala Joezer...
tive a alegria de conhecer o Hamilton desde a época de faculdade, qdo ele estava no último ano de composição e eu no segundo na UnB. Assisti tbém o concerto de formatura dele (bandolim & orquestra de câmara).
É lindo vê-lo tocar, com essa simpatia toda e um eterno sorriso no rosto. Fora que toca horrores! EStou com um album dele agora na minha frente (Brasilianos).
Conheço tbém o André (tocou com o Djavan por um tempo) e o Márcio de shows e cursos de música.
Tenho tbém o album do Grossi com o Marco Pereira, que tbém é parceiro do Hamilton há muito tempo e, a meu ver, um dos melhores violões do Brasil.
O Daniel prestou vestibular comigo na UnB para composição (ele acabou não passando por provavelmente ser visto como popular demais, mas é excepcional).
O Jaques, aaaaaaaaah, o Jaques! Meu herói como arranjador no Brasil e perde basicamente somente para o Legrand aos meus olhos. Prova da capacidade (por sinal foi aluno de Widmer) são os álbuns "Mina D'Água do Meu Canto..." da Gal e "Fina Estampa" do Caetano. Isso só para mencionar dois entre muitos...
Vejo que vc teve o privilégio de um show completo, alegre, cheio de música e de músicos que são amigos... um prato cheio para qualquer ouvido.
diegão disse…
cara, só deu pra te escrever agora. mas eu tb fiz a oficina de música de curitiba e fui ao show do hamilton. genial, não? tb me surpreendi quando o morelembaum entrou em cena. mas é claro que o borgheti levantou ainda mais a noite.
valeu pelo comentário. quase único por essas bandas.
joêzer disse…
amigo andré, reverendo. ouvi pouco o 'possibilities', mas achei muito pop pra pouco jazz. Acho que no "river" ele acertou a mão.
o legrand de fato é fera. sua música pro filme "os guarda-chuvas do amor" é soberba.
lembro aqui dos arranjos do Ogerman pros discos do Jobim, especialmente a obra-prima "Urubu".

diegão, obrigado por descobrir o nota na pauta. eu não fiz a oficina de curitiba, só deu pra ir ao concerto do hamilton (fiz um curso com o Arrigo Barnabé na oficina de 2006).

abraços,
Joêzer

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta