Pular para o conteúdo principal

Happy new 'ears'



O ano recém-passou e conveniente-mente é hora de eleger novos objetivos e metas. É isso mesmo. Objetivos e metas, como num chato mas funcional plano de ação de uma empresa capitalista. Esqueça seus sonhos. Aquilo de“sonhar não custa nada” é uma meia-verdade, o que na visão de Millôr, não deixa de ser uma mentira inteira. Sonhar não custa nada porque não sai do domínio da fantasia, do reino encantado da imaginação. Um objetivo traçado e metas a cumprir, essas sim, custam alguma (ou muita) coisa, porque com uma chance na mão e um plano na cabeça chega-se a construir algo de sólido: uma carreira, um livro, um cd, uma tese.

Em 2007, tive acesso a discos, livros e filmes que sempre quis conhecer. Selecionei alguns que me proporcionaram um despertamento para novas formas de pensar o de sempre: o homem, sua arte, sua vida; e outros que me deixaram com um sorriso agradecido pelos bons momentos de entretenimento. Também importa que muitos dos selecionados não foram lançados nesse ano que se foi.

Discos:
Beethoven Piano Sonatas – Nelson Freire
Cláudio Santoro, Sinfonias nº 5 e 9 – Osesp
Haydn, As 7 Últimas Palavras de Cristo na Cruz
Schumann e Shubert – Antonio Meneses e Gerard Wyss
Que Estranho Belo Dia pra se Ter Alegria – Roberta Sá
Careless Love – Madeleine Peyroux
River, the Joni Letters – Herbie Hancock e convidados
Bach & Pixinguinha – Mário Sève e Marcelo Fagerlande

Livros:
O Mal-Estar da Pós-Modernidade – Zygmunt Bauman
Music Matters: a new philosophy of music education – David Elliott
Apocalípticos e Integrados – Umberto Eco
Dois Irmãos – Milton Hatoum
Lendo Música – Arthur Nestrovski
Música Sacra, Cultura e Adoração – Wolfgang Stefani
A Cultura da Mídia - Douglas Kellner
O Século da Canção – Luiz Tatit

Filmes:
O ano em que meus pais saíram de férias (Brasil) – Cao Hamburger
A vida dos outros (Alemanha) – Florian von Donnersmarck
Volver (Espanha) – Pedro Almodóvar
A conquista da honra e Cartas de Iwo Jima (EUA) – Clint Eastwood
Maria (EUA) – Abel Ferrara
Brilho eterno de uma mente sem lembranças (2004) – Michel Gondry
Andrei Rublev (Rússia, 1966) – Andrei Tarkovski
A regra do jogo (França, 1939) – Jean Renoir

Vi, li, ouvi. Com novos olhos e ouvidos é que posso dizer alea jacta est – a sorte está lançada – para este ano que se inicia. Talvez melhor que "a sorte está lançada", seja a semente está plantada. No decorrer do estudo venho semeando novos grãos, colhendo de tudo e joeirando o que convém, o que é apropriado, o que deve ser feito.

Seguindo Murray Schafer, pedagogo da música, deixemos pra trás essa conversa de que é necessário conhecimento e sensibilidade para se entender a arte. Melhor falar em curiosidade e coragem. Curiosidade para ouvir e ver o novo e coragem para afirmar ou mudar de opinião. O novo de que falo não é o último lançamento, a última moda, o último grito. O novo pode ser uma antiga luz sobre o que já se leu ou uma nova interpretação do que já se cantou.

Então, estendamos a mão ao novo sem deixarmos de ouvir o que parece velho. Porque é quando mais confiamos na supremacia do agora é que não damos o justo valor ao que passou.

John Cage, o músico que deu o grito silencioso de independência da música, costumava desejar aos amigos o trocadilho happy new ears. É o que desejo a todos nós. Feliz ouvidos novos no novo ano.

*Reprodução do quadro de Juan Gris, Guitarra e partitura (1927)

Comentários

Michelle disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Michelle disse…
Adorei a lista!!! Muita coisa já vi e ouvi... Gostei muito de conhecer vc Joezer e espero que nos encontremos por aí, na jornada da vida!
Boa sorte pra nóis!!!!
ehhhhhhhhh
Márcio disse…
Grande Joêzer. Não ouvi, não li, não vi-ouvi nenhum. Estive em Marte, gastando meus anos-luz de sobra. De toda forma, dobre, triplique suas audições, visões e leituras. Seremos felizes... Márcio.
cassio disse…
uma das melhores coisas que vi ano passado foi o filme A Vida dos Outros. E um livro que me marcou foi Doutor Fausto, de Thomas Mann.

feliz 2008 pra você , meu caro

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta