Pular para o conteúdo principal

Happy new 'ears'



O ano recém-passou e conveniente-mente é hora de eleger novos objetivos e metas. É isso mesmo. Objetivos e metas, como num chato mas funcional plano de ação de uma empresa capitalista. Esqueça seus sonhos. Aquilo de“sonhar não custa nada” é uma meia-verdade, o que na visão de Millôr, não deixa de ser uma mentira inteira. Sonhar não custa nada porque não sai do domínio da fantasia, do reino encantado da imaginação. Um objetivo traçado e metas a cumprir, essas sim, custam alguma (ou muita) coisa, porque com uma chance na mão e um plano na cabeça chega-se a construir algo de sólido: uma carreira, um livro, um cd, uma tese.

Em 2007, tive acesso a discos, livros e filmes que sempre quis conhecer. Selecionei alguns que me proporcionaram um despertamento para novas formas de pensar o de sempre: o homem, sua arte, sua vida; e outros que me deixaram com um sorriso agradecido pelos bons momentos de entretenimento. Também importa que muitos dos selecionados não foram lançados nesse ano que se foi.

Discos:
Beethoven Piano Sonatas – Nelson Freire
Cláudio Santoro, Sinfonias nº 5 e 9 – Osesp
Haydn, As 7 Últimas Palavras de Cristo na Cruz
Schumann e Shubert – Antonio Meneses e Gerard Wyss
Que Estranho Belo Dia pra se Ter Alegria – Roberta Sá
Careless Love – Madeleine Peyroux
River, the Joni Letters – Herbie Hancock e convidados
Bach & Pixinguinha – Mário Sève e Marcelo Fagerlande

Livros:
O Mal-Estar da Pós-Modernidade – Zygmunt Bauman
Music Matters: a new philosophy of music education – David Elliott
Apocalípticos e Integrados – Umberto Eco
Dois Irmãos – Milton Hatoum
Lendo Música – Arthur Nestrovski
Música Sacra, Cultura e Adoração – Wolfgang Stefani
A Cultura da Mídia - Douglas Kellner
O Século da Canção – Luiz Tatit

Filmes:
O ano em que meus pais saíram de férias (Brasil) – Cao Hamburger
A vida dos outros (Alemanha) – Florian von Donnersmarck
Volver (Espanha) – Pedro Almodóvar
A conquista da honra e Cartas de Iwo Jima (EUA) – Clint Eastwood
Maria (EUA) – Abel Ferrara
Brilho eterno de uma mente sem lembranças (2004) – Michel Gondry
Andrei Rublev (Rússia, 1966) – Andrei Tarkovski
A regra do jogo (França, 1939) – Jean Renoir

Vi, li, ouvi. Com novos olhos e ouvidos é que posso dizer alea jacta est – a sorte está lançada – para este ano que se inicia. Talvez melhor que "a sorte está lançada", seja a semente está plantada. No decorrer do estudo venho semeando novos grãos, colhendo de tudo e joeirando o que convém, o que é apropriado, o que deve ser feito.

Seguindo Murray Schafer, pedagogo da música, deixemos pra trás essa conversa de que é necessário conhecimento e sensibilidade para se entender a arte. Melhor falar em curiosidade e coragem. Curiosidade para ouvir e ver o novo e coragem para afirmar ou mudar de opinião. O novo de que falo não é o último lançamento, a última moda, o último grito. O novo pode ser uma antiga luz sobre o que já se leu ou uma nova interpretação do que já se cantou.

Então, estendamos a mão ao novo sem deixarmos de ouvir o que parece velho. Porque é quando mais confiamos na supremacia do agora é que não damos o justo valor ao que passou.

John Cage, o músico que deu o grito silencioso de independência da música, costumava desejar aos amigos o trocadilho happy new ears. É o que desejo a todos nós. Feliz ouvidos novos no novo ano.

*Reprodução do quadro de Juan Gris, Guitarra e partitura (1927)

Comentários

Michelle disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Michelle disse…
Adorei a lista!!! Muita coisa já vi e ouvi... Gostei muito de conhecer vc Joezer e espero que nos encontremos por aí, na jornada da vida!
Boa sorte pra nóis!!!!
ehhhhhhhhh
Márcio disse…
Grande Joêzer. Não ouvi, não li, não vi-ouvi nenhum. Estive em Marte, gastando meus anos-luz de sobra. De toda forma, dobre, triplique suas audições, visões e leituras. Seremos felizes... Márcio.
cassio disse…
uma das melhores coisas que vi ano passado foi o filme A Vida dos Outros. E um livro que me marcou foi Doutor Fausto, de Thomas Mann.

feliz 2008 pra você , meu caro

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…