Pular para o conteúdo principal

'Mídia' quem pode, obedece quem não tem 'juiz'

Você já ouviu dizer que a justiça é cega, certo? Pois lhe digo que essa senhora não é cega coisa nenhuma. Aliás, enxerga bem até demais pro meu gosto. Veja-se o caso de Fernando Mattos Roiz Jr., de 19 anos, Luciano Filgueiras Monteiro, de 21 e um menor de idade, presos em novembro de 2007 por agressão a um grupo de prostitutas na Barra da Tijuca. O pai de um daqueles "jovens" comentou que eles não fizeram nada demais e que tudo não passava de uma brincadeira de criança. Só faltou botar o grupo Molejo cantando o refrão “brincadeira de criança / como é bom, como é bom”.

E não é que o juiz Joaquim Domingos de Almeida Neto, do Rio de Janeiro, entrou na brincadeira e decidiu proibir determinados jornais e emissoras de televisão de veicular nome e imagem de dois dos "jovens" condenados por espancamento. O juiz invocou o artigo 198 da Lei de Execuções Penais, que veda a exposição de réus à “inconveniente notoriedade”.

É claro. Os garotinhos do papai estavam sendo zoados na escolinha por essa súbita e “inconveniente notoriedade” e todo o rico dinheirinho da família destinado ao pagamento da faculdade seria desperdiçado com essa chatice de advogado, custas de processo e congêneres inconvenientes.

É claro. A justiça enxergou muito bem a cor e a classe social desses "jovens" tão inocentemente tragados pela delinqüência típica do agitamento hormonal da idade, tadinhos.

É claro. O baronato da mídia atendeu docilmente ao cala-boca judicial e não perdeu a chance tão rara de ficar calada. Um texto da ABI aqui, um resumo dos protestos da Abert ali, mas nada que ocupasse fotos, espaços e horários nobres. Afinal, não era nenhuma cartinha indignada do Luciano Huck, nem era o governo supostamente amordaçando a liberdade de imprensa para que merecesse um editorial.

Assim é que o caso, para o papai: foi só uma brincadeira dos seus ótimos meninos - não que ele deva se perguntar “onde foi que eu errei?”, mas passar a mão na cabecinha do agressorzinho desse jeito é um crime de lesa-filho;
para o juiz: meninos de tão boa família não podem ser incomodados e não se deve mencionar seus nomezinhos em vão, se eles fossem como os desalmados filhos do casal Richthofen, vá lá, mas bater em prostitutas, pôxa vida, isso é de alta classe, isso é muito natural;
e para a mídia: mesmo que o juiz tenha violado a Constituição impondo uma censura prévia, pra que fazer escândalo?, deixa isso pra lá, mas o que é tem, os jovens não fizeram nada (canta o pai) nem o juiz também (cantam todos).

Lição conhecida: manda quem pode, obedece quem tem juízo.
Versão na linguagem de hoje: mídia quem pode, obedece quem não tem juiz.

Mais sobre o crime, o castigo e a censura no panóptico e no observatório da imprensa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta